AnálisesPS4

Análise – Atelier Totori: The Adventurer of Arland DX

Análise

NOME: Atelier Totori: The Adventurer of Arland DX
FABRICANTE: Gust
PLATAFORMA: ps4
GENERO: RPG
DISTRIBUIDORA: Koei Tecmo


LANÇAMENTOS
04/12/2018 04/12/2018 20/09/2018


INFORMAÇÕES ADICIONAIS E SUPORTE
Resolução Máxima: 1080p
Nº de Jogadores: 1
Troféus (inclusive Platina)
Espaço necessário: 5.07 GB
Disponível Exclusivamente na PlayStation Store
Legendas em PT-BR: Não
Dublagem em PT-BR: Não


Com a chegada do novo ano, diversos títulos de RPG prometem tornar o PlayStation 4 uma verdadeira estação de acesso ao gênero. Jogos como Tales of Vesperia: Definitive Edition, Code Vein e God Eater 3, são apenas alguns exemplos do que 2019 guarda para os fãs. Porém, não podemos esquecer de que o fim de 2018 também foi agradável com os jogadores ao trazer Atelier Arland Series Deluxe Pack, aumentando ainda mais a biblioteca do console.

O pack de RPGs lançado pela Koei Tecmo conta com três jogos remasterizados que aportaram originalmente no PlayStation 3:  Atelier Rorona, Atelier Totori e Atelier Mururu. Sequência direta um do outro, os  títulos mostram como as três garotas fizeram Arland prosperar com seus conhecimentos em alquimia.

Atelier Totori: The Adventurer of Arland DX é continuação direta de Atelier Rorona. Ele narra a história de Totori, uma novata no mundo da alquimia que quer se transformar em uma aventureira para encontrar sua mãe desaparecida.

Com alguns recursos aprimorados e outros nem tão bem explorados, Atelier Totori comete o mesmo erro de narrativa que seu antecessor, oferecendo algo fraco e repetitivo.

Atelier Totori
Totori carrega consigo o cajado dado por Rorona. Fonte: PS4 Share

Como dito anteriormente, Totori é uma garota que tem o sonho de se tornar uma aventureira para encontrar  sua mãe. Suas habilidades com a alquimia foram ensinadas por Rorona, personagem principal do título anterior.

Embora Totori seja sempre comparada com Rorona pelos personagens do jogo, ela consegue ser mais tímida e fraca que sua mestre. Seu sonho de ser aventureira é acompanhado por Gio, seu melhor amigo de infância. Ambos decidem ir rumo a Arland pegar suas credenciais para que, desta forma, consigam se tornar verdadeiros exploradores.

Como você pôde perceber pelo título, o foco do jogo está em se transformar num aventureiro e explorar cada canto do mapa. Para aproveitar ao máximo os campos abertos, será preciso subir sua licença de nível. Isso pode ser feito ao aceitar tarefas no bar em sua vila ou na guilda de Arland, que fica disponível em determinado ponto da jornada. Caso as condições estabelecidas não sejam atingidas em até três anos, a sua permissão para visitar outras áreas é cancelada.

Conforme sua licença de aventureiro vai ficando mais alta, novos caminhos são desbloqueados. Embora existam diversos locais diferentes, tudo é muito genérico, contendo apenas um espaço para colheita e alguns inimigos. Para tentar melhorar a imersão, agora é possível encontrar adversários aleatórios no mapa principal, bem como materiais de alquimia e Cole, o dinheiro do jogo.

Atelier Totori
Durante as andanças pelo mapa, diálogos aleatórios podem surgir na tela. Fonte: PS4 Share

Embora os mapas tenham diminuído drasticamente se comparado ao título anterior, o sistema de dias tornou a aventura mais agradável. Antes você ficava preso às datas estabelecidas pelo Rei, tendo que realizar tudo em uma prazo muito curto. As coisas não mudaram em Atelier Totori, porém, as tarefas têm um tempo bem maior para serem cumpridas, dando mais liberdade para o jogador explorar os cenários e coletar materiais para a alquimia.

Outro ponto que é preciso ficar atento, está na forma com que os dias são subtraídos do contador. Enfrentar inimigos e fazer colheita, por exemplo, consomem uma parcela do seu tempo. Embora as quests sejam simples (chegando a serem chatas e repetitivas), este novo sistema pode fazer você perder prazos facilmente. Caso não seja possível completar determinada tarefa, é permitido cancelá-la sem ser penalizado por isso.

Atelier Totori
Sua licença de aventureiro começa no nível Glass, passando para Iron, Bronze, Silver e Gold. Fonte: PS4 Share

No início do texto comparamos a força de Totori com a de Rorona, alegando que a personagem principal é muito mais fraca que sua mestre. O problema é que os produtores levaram isso muito a sério, deixando quase insuportável subir de nível no início da aventura. Seus golpes são extremamente fracos, bem como sua defesa. Os punis, monstros considerados fáceis, conseguem derrubar você mesmo em um nível um pouco mais alto. Chega a ser ridículo de tão absurdo.

Para compensar a dificuldade inicial, uma personagem de nível mais alto entra no grupo após alguns minutos de jogo. Outro ponto positivo que merece destaque, está na forma como seus aliados se juntam à equipe. Agora não é preciso mais pagar para seus amigos participarem da festa, basta conversar com eles na cidade e convidá-los para a caçada. São permitidos até dois membros (além de Totori), que podem ser trocados a qualquer momento.

E como estamos falando em dificuldade e grupo de caça, é importante levantar o fato de que o sistema de batalhas continua simples demais e tedioso. Há alguns pontos que fazem os combates serem um pouco menos monótonos, como interromper um ataque inimigo com a ajuda de um aliado ou ataques em dupla, mas nada que vá muito além disso.

Atelier Totori
Os ataques em dupla acontecem geralmente quando você usa itens como bombas, por exemplo. Fonte: PS4 Share

Embora Atelier Totori: The Adventurer of Arland DX decepcione em alguns aspectos, é preciso enfatizar que nem tudo são trevas. O sistema de alquimia, bem como o menu, estão mais fáceis e intuitivos. Agora é possível coletar materiais de qualidade superior mais facilmente, melhorando os atributos de bombas e itens de cura, por exemplo.

Além da alquimia tradicional, onde você deve produzir suplementos diversos, há também um sistema em que é possível criar itens que garantem habilidades especiais. A necessidade desses objetos surge após os próprios personagens fazerem alguma solicitação para você, porém, não há momento certo para isso acontecer.

E como toda Alquimista que se preze, Totori tem em seu atelier um contêiner para guardar os materiais. Mais adiante na aventura, você fica apto a utilizar o workshop de Rorona em Arland, não sendo necessário voltar à sua vila para criar itens ou aceitar quests.

Rorona usou algum tipo de alquimia para que os objetos contidos no contêiner de Totori, sejam transferidos para seu atelier em Arland. Fonte: PS4 Share

Caso você não saiba nada de inglês, será impossível compreender a história de Atelier Totori. Os diálogos, embora considerados pesados para quem não está acostumado com esse gênero, são muito engraçados e bem escritos. Há possibilidade de mudar o áudio para japonês, deixando tudo mais divertido.

Veredito

Atelier Totori deixa o jogador um pouco mais livre das amarras do tempo, permitindo que ele vasculhe melhor os cenários. Porém, o sistema de batalha e os ambientes mais genéricos tornam tudo um pouco mais tedioso e repetitivo que o primeiro capítulo.

Jogo analisado no PS4 padrão com código fornecido pela Koei Tecmo.

77%