Quando Toshihiro Nagoshi anunciou que estava deixando a SEGA após 32 anos no estúdio, o desenvolvedor, um dos responsáveis por títulos icônicos como Daytona USA Virtua Striker, além da popularização da franquia Yakuza após a fundação do Ryu Ga Gotoku Studio, estava deixando para trás uma estrutura e marca consagradas para se juntar a incógnita que é a NetEase.

Enquanto a gigante chinesa é mais conhecida pelo seus jogos mobile e por licenciar títulos internacionais na China, aos poucos ela vem investindo em aumentar o seu portfólio de desenvolvedoras de títulos “premium”, incluindo investimentos na Quantic Dream e a aquisição da Grasshoper Manufacture, além da criação do Sakura Studio e agora do Nagoshi Studio.

Buscando promover a fundação do estúdio, Toshihiro Nagoshi deu uma entrevista ao site americano IGN, dando maiores detalhes sobre os seus planos para o estúdio. Uma das coisas que Nagoshi fez questão de frisar é que ele não vai trabalhar em jogos para celular ou coisas similares (em referência a outros jogos da NetEase).

“Nós somos influenciados por filmes e estamos interessados em criar jogos que ofereçam um alto nível de drama humano”, Nagoshi explicou. “É isso que achamos divertido. Assim como antes, eu espero criar jogos nessa linha que possam alcançar uma audiência global. Então você não irá me encontrar fazendo, tipo, jogos de quebra-cabeça para celular ou coisa do tipo. Esses jogos são divertidos, mas o que nós somos bons em fazer e o que o mundo espera de nós são jogos com histórias comoventes e dramáticas e é o que nós queremos fazer. Então é onde nosso foco está.”

Quando questionado se ele já teria alguma ideia do que isso significaria para o seu primeiro jogo, Nagoshi disse. “Sim, como um criador de jogos eu sempre tive uma série de coisas que eu gostaria de fazer um dia e há uma ideia em particular do meu acervo pessoal que eu gostaria de tentar expandir agora. A ideia está aos poucos se formando com as sugestões da equipe.”

Quando questionado sobre o tamanho do estúdio, Nagoshi revelou que, no momento, ele consiste de 10 pessoas e, apesar de estarem contratando neste momento, a intenção é não passar de 100 funcionários.

Por enquanto, o time está indo devagar e não deve se focar em muito mais do que a ideia do primeiro jogo, evitando morder mais do que podem mastigar. “Nós não decidimos quantos projetos vamos produzir de uma vez. Mas o estúdio terá uma equipe compacta, o que significa queria difícil focar em vários jogos ao mesmo tempo. Então existem limitações. É possível que nós iremos trabalhar em um projeto extra em simultâneo, mas a ideia básica é trabalhar em uma ideia e colocar toda nossa energia nisso, lançar um primeiro jogo que é forte e que será bem recebido.”

Nagoshi revelou mais alguns detalhes na entrevista, a qual você pode ler em inglês, na íntegra, clicando aqui.