O texto abaixo foi publicado no PlayStation.Blog brasileiro.


 

Olá, fãs de PlayStation! Meu nome é Leonard Menchiari, criador de Trek to Yomi, que chega em breve ao PlayStation 5 e PlayStation 4. Com o lançamento se aproximando, gostaria de convidá-los para me acompanhar enquanto exploramos um pouco da história e do desenvolvimento de Trek to Yomi, e revelamos alguns detalhes da equipe que a Flying Wild Hog me ajudou a criar.

O tema e a narrativa de Trek to Yomi foram construídos sobre dois pilares essenciais: o Japão histórico e a mitologia xintoísta. A crença xintoísta é de que os deuses estão em toda parte, habitando cada rocha, árvore ou flor. E parte da nossa narrativa explora essa crença por meio de contos sobre os espíritos ancestrais kami do nosso herói, Hiroki, as várias eras do Japão nas quais esses espíritos viveram e suas trágicas, violentas ou injustas mortes que os levaram a agora sofrer uma torturante meia-vida em Yomi. Com frequência, essas histórias refletem a jornada de Hiroki e seus dilemas, e elas o ajudarão em sua decisão final sobre o caminho que irá trilhar.

A ideia original de Trek to Yomi foi inspirada em filmes de Akira Kurosawa e da experimentação com imagens em preto e branco na Unreal Engine. A experiência cinematográfica que por fim criamos foi profundamente influenciada por filmes japoneses clássicos, desde os ângulos de filmagem, a duração e até a forma como o diálogo é desenvolvido. A abordagem do gameplay inicial 2D se baseia nos filmes mudos dos anos de 1920 e 1930, onde cada cena é criada para parecer mais um palco de teatro mágico que se move do que uma tela. Achamos que isso faz Trek to Yomi se destacar como algo único de verdade, e acho que parte de nós espera que as pessoas queiram assistir a esses filmes antigos depois de jogar!

Alec Meer e eu escrevemos a história com o número sete em mente, não somente por sua relevância cinematográfica, como também por seu status no folclore japonês. Assim, fique atento ao número sete sendo bastante importante na história de Hiroki.

A autenticidade é muito importante para nós, e tudo o que fizemos foi cuidadosamente criado sob a perspectiva da cultura japonesa antiga, seja pela crenças religiosas, a forma da espada ser pendurada na parede, ou a forma de amarrar o quimono. A música do nosso jogo é baseada em materiais antigos de regiões específicas do Japão, inspirada pela atmosfera que queríamos criar e pelos sentimentos que precisávamos demonstrar. Alguns instrumentos usados nas gravações são extremamente raros, e as escalas musicais são originais da cultura pré-ocidentalizada.

Continuando esse tema, ao mapearmos as cidades e vilas do mundo de Hiroki, queríamos refletir o estilo de vida e a cultura reais do Japão do Período Edo, incluindo o Dojo, santuários, cemitérios, mercados, restaurantes e mais. Muito do material foi inspirado pelas exposições magníficas do museu Edo em Tóquio, e tivemos muita ajuda de experts Japoneses nativos para garantir que cada decisão que tomássemos fosse coerente.

Mas nossa atenção aos detalhes não para por aí! O mundo de Trek to Yomi tem uma geografia muito clara, e mesmo a iluminação e posição de cada cena foram escolhidas mantendo em mente a direção da luz, os elementos de fundo e a conexão simbólica com o sol nascente e poente.

Esperamos que estejam tão animados para o lançamento de Trek to Yomi no PlayStation quanto nós estamos. E agradeço a todos por tirarem um tempo para ler minha postagem e conhecer mais sobre o jogo, e também para vislumbrar a paixão e o trabalho duro que tivemos ao criá-lo.