PUBLICIDADE

Finalmente, após um estranho silêncio, informações técnicas do PlayStation 5 foram reveladas. Em um vídeo especial sobre a arquitetura do novo console da Sony, Mark Cerny mostrou um apanhado de conteúdo técnico e mais informações para o público.

Levando em conta que a apresentação teria como alvo um público bem mais específico, inclusive sendo direcionado para a GDC que foi adiada, muitas informações acabam não sendo totalmente entendidas por todos. Tentaremos resumir aqui de forma geral algo que fique mais compreensível para os interessados no PS5.

Já mostramos as especificações técnicas do console e também falamos sobre como vai funcionar a retrocompatibilidade com o PS4. Um dos objetivos do PS5 é criar um produto que seja ainda mais fácil para os desenvolvedores e que também seja satisfatório e seguro para os consumidores além de se encaixar numa faixa de preço acessível a todos. Vários aspectos foram pensados na estabilidade do sistema como um todo, como as frequências de funcionamento da CPU e GPU, que vão garantir uma funcionalidade sem sacrificar a eficiência energética. Com clocks a picos de 3.5GHz (CPU) e 2.23GHz (GPU), o console poderá reduzir a potência máxima necessária para diminuir temperatura excessiva ou alto consumo de energia.

PUBLICIDADE

PS5 Specs

O uso de uma GPU variável e customizada garante que o poder executado no PS5 pode ser bem maior do que o que os 10.28 TF mostram a princípio. Mesmo com uma CPU de alta frequência, funcionando a 3.5Ghz, o sistema de arrefecimento não foi difícil de se trabalhar graças ao alto controle dos sistemas do consoles. Vale acrescentar ainda que a tecnologia RDNA2 no PS5 é muito superior que a GCN do PS4, o que mostra as grandes diferenças de tecnologia. 1 TF de RDNA2 é muito acima do que 1TF de GCN.

Os desenvolvedores terão ainda mais facilidades no PS5 e com uso mais prático de suas funcionalidades. Um novo sistema de geometria chamado de Geometry Engine garantirá aos desenvolvedores um controle na criação de triângulos e formas geométricas jamais vistos. O sistema integrado de Ray Tracing, via hardware, permitirá a criação de efeitos tão práticos como em qualquer PC, como melhor uso de iluminação global, sombras, oclusão de ambiente, reflexos e muito mais. Cerny inclusive disse que já viu um jogo da próxima geração executar funções complexas via Ray Tracing com baixo custo de execução e produção.

Dois assuntos bastante comentados pro Cerny foi a nova tecnologia de SSD e transmissão de dados e também o novo sistema de áudio 3D potencializado pela Tempest Engine. A transmissão e gerenciamento de dados será algo sem precedentes. O uso do SSD é somente um fator para que isso aconteça. Em tese, 2GB de dados são carregados no console em 0.25s, o que ocasionaria em toda a memória de 16GB do console preenchidos em 2 segundos. Isso não acontece graças ao novo disco de armazenamento apenas, mas sim em um conjunto com vários chips customizados especialmente para isso. A transferência acontece em conjunto com 12 unidades de processamento a 5.5gb/s de dados. O SSD proprietário de 825GB é feito especialmente para o sistema do PS5, onde nenhum outro SSD conseguiria alcançar tais valores. Tudo isso também é feito para auxiliar no desenvolvimento de jogos, já que nenhum desenvolvedor terá que se preocupar em compactar ou descompactar grandes partes de dados, já que o sistema fará isso automático.

Como o PS5 terá retrocompatibilidade com o PS4 e já imaginamos que os jogos da próxima geração continuaram aumentam seu tamanho, com texturas ainda maiores, será necessário cada vez mais espaço. O PS5 terá uma forma de expandir seu armazenamento inicial de 825GB através de discos NVM. Entretanto, nem todos os discos serão aceitos, já que precisam se enquadrar principalmente no sistema ultra rápido da Sony, o que nenhum disco do mercado faz atualmente. Tamanho do disco de expansão não será levado em conta, já que há um controlador interno que faz a ponte para os arquivos, mas o tamanho físico do disco NVM sim, já que há um espaço específico para o encaixe do mesmo no console. Resumindo, será possível aumentar o espaço do PS5 de forma mais convencional, não sendo necessário comprar apenas os discos da Sony, porém há certas limitações por enquanto, que devem ser resolvidas a partir do momento que mais empresas tiverem mais acesso ao console.

O novo sistema de som é algo bem mais específico. Digamos que poucos jogos realmente fazem uso de tecnologias de som inovadoras ou que todos nós tenhamos sistemas de som de última geração, com áudio 3D e pelo menos 7.1 canais. O PS3 mesmo tinha um sistema de processamento de áudio melhor que o PS4 e Cerny diz que, apesar de não ter estado em contato com vários engenheiros de som de vários estúdios, o PS5 terá um robusto processamento de áudio. A Tempest Engine será responsável pela maior revolução nesse quesito, fornecendo milhares de linhas de áudios simultâneas, um novo sistema de posicionamento de som como o HRTF e algorítimos de áudio que elevaram o som de qualquer jogo à um novo patamar.

De acordo com Mark Cerny, tudo o que será necessário é um sistema de som de 2 canais e 2 ouvidos, já que a Tempest Engine fará todo o processo de criar a melhor experiência de som possível. Também haverá suporte a sistemas surrond e multicanais, som 3D e que também desejam melhorar e expandir o nível de realismos sonoro nos próximos anos.

Ainda há pontos técnicos a serem comprovados que só serão possíveis com o console em mãos. Logicamente é uma melhora grandiosa para o PS4 e, como o próprio Mark Cerny disse, a ideia aqui é apresentar tanto uma evolução como uma revolução para o PlayStation 5.

Atualização: o PlayStation.Blog liberou um resumo da apresentação e, além de tudo que foi dito acima, conta que o PS5, em relação à saída de vídeo, terá suporte a TVs de 120Hz 4K, TVs 8K, VRR (especificado pelo HDMI versão 2.1).