AnálisesPS3

Need for Speed: Shift

Análise

NOME: Need for Speed: Shift
FABRICANTE: Slightly Mad Studios
PLATAFORMA: ps3
GENERO: Corrida
DISTRIBUIDORA: Electronic Arts


LANÇAMENTOS
18/09/2009 18/09/2009 12/11/2009


INFORMAÇÕES ADICIONAIS E SUPORTE
Nº de Jogadores: 1 (Online: 2-8)

Definição HD: 720p

Troféus


Gostando de jogos de corrida ou não, é impossível você nunca ter ouvido falar em Need for Speed. A série atingiu seu ápice com a sub-série Underground, um dos títulos mais populares da geração passada. De lá até então, Need for Speed ia decaindo no conceito e no esquecimento de todo mundo, especialmente depois do decepcionante Need for Speed Undercover, que tinha tudo para relembrar o mundo como eram os tempos de Underground (que nem fazia tanto tempo assim). Até que foi anunciado Need for Speed Shift (como a série estava caminhando para o fundo do poço, se já não estava lá, era inevitável comparar o nome “Shift” com outra palavra em inglês que eu não posso escrever aqui…). Para muitos o anúncio não fez diferença: “Cada ano que anunciam um novo jogo, ele parece ser bom, mas na verdade é uma bomba!”. NfS Shift veio para mudar essa idéia definitivamente, mostrando ser um jogo que merece o nome que tem (mesmo estando um pouco sujo…).

 

 

Para começo de conversa: Esqueça tudo o que sabe sobre Hot Pursuit 2, a sub-série Underground e de todos até então (especialmente do Undercover). NfS agora é um simulador, nos mesmos moldes de Gran Turismo e GRiD. “Simulador? Depois dessa NfS morreu de vez!”. Não posso discordar: Sempre que diziam Need for Speed me vinha na cabeça carros tunados (graças àquela moda dos filmes Velozes e Furiosos) e Shift não se parece em nada com seus antecessores… Mas isso não impede que o jogo seja bom… Muito bom. O jogo começa com uma volta de teste: Dependendo do seu desempenho, o jogo definirá a dificuldade para você. Mas fique tranqüilo: Não precisa fazer uma volta péssima para jogar na dificuldade mais fácil. Depois dessa volta serão mostradas as opções recomendadas perante o seu desempenho (inteligência artificial dos adversários e assistência de freio e tração automáticos), todas podendo ser mudadas logo depois dessa volta ou no decorrer da carreira.

 

 

Logo depois da volta teste, você terá sua primeira corrida (com um carro já imposto pelo jogo). Todas as colocações dessa corrida têm um alto valor de prêmio, para que depois dela você compre seu primeiro carro. Depois disso o jogo progride facilmente, correndo (de preferência ganhando em 1º lugar) e comprando novos carros, até chegar ao World Tour, que seria o último torneio de corridas. Contrariando um pouco o que eu disse anteriormente, Shift tem opções de tuning para seus carros. Na parte Visual, você pode mudar de cor e aplicar vinyl. Já em Upgrades você pode melhorar os itens já conhecidos anteriormente como Performances (melhorar motor, tração, freios, nitro, etc.) e o novo Aerodynamic, que modifica o corpo do carro (tanto exterior, Body Kits e aerofólios, como interior). A opção Aerodynamic não é novidade (só tinha outro nome), mas dessa vez influencia no desempenho do carro (não é a toa que está na parte Upgrade ao invés do Visual). Agora sobre os carros, não esperavamos menos: Todos as grandes licenças já vistas na série NfS estão no jogo, com o maior detalhamento visto até hoje. Você verá Volksvagem Golf GTI, Ford Focus, Honda Civic Si e outros “básicos” até verdadeiras naves como Lamborghini Reveillon, Bugatti Veyron e Pagani Zonda.

 

 

Os modelos de jogo são os mais variados: Com seu próprio carro tem corrida normal, Time Attack e Drift (nesse último, alguns são com carros pré-definidos). No Car Battle você escolhe entre dois carros e joga 1×1 contra um rival (com o carro que você não escolheu). Algumas corridas são patrocinadas: você terá que ir com um carro escolhido pelo patrocínio e todos correrão com o mesmo carro (aqui o que conta é mesmo a habilidade). Também com carros pré-determinados tem o Hot Lap (você tem 4 voltas para fazer uma volta com o tempo proposto), Lap Eliminator (cada volta que o penúltimo colocado termina, o último é eliminado da corrida… Acaba quando sobrar somente um piloto) e Time Eliminator (mesma coisa que o Lap Eliminator, mas o último não é eliminado depois de uma volta, mas sim depois de um determinado tempo, que costuma ser bem curto). Importante dizer para você que gosta e sempre se saía bem nos tempos de Underground e Carbon nas disputas de Drift se preparar para suar muito, porque aqui o negócio é realismo e nada vai ser facilitado para você fazer as curvas insanas da modalidade. Tenha sorte de comprar um carro com uma tração perfeita para seu estilo de jogo (ou então o modifique na opção Tuning) e se acostume com esse desafio. Para ir avançando na carreira, é necessário você obter estrelas, que podem ser de 3 a 6 em uma única corrida (tudo depende de seu desempenho e da modalidade da corrida).

 

 

Falando agora da jogabilidade: Você provavelmente já viu algum vídeo do jogo, e deve ter reparado que a maioria (se não todos) a câmera no gameplay é em primeira pessoa, dentro do carro. Essa é a opção padrão, e mais indicada caso queira aproveitar os recursos do jogo ao máximo (o visual do interior é realmente esplêndido e o impacto das batidas é incrível). Com certeza você jogará somente com essa câmera, já que é a mais divertida, mas já vou avisando que tudo é flores enquanto a velocidade de seus carros são correspondentes a seus reflexos… Assim que você pegar algum carro com o Top Speed e Aceleração quase no máximo vai perceber que os adversários não são seus verdadeiros inimigos, e sim a velocidade do seu carro somado a grama ou areia fora da pista. Não fique com receio de mudar a câmera se achar necessário (apesar de que, nesse caso, o jogo não será nada mais do que um Pro Street com belos gráficos).

 

 

O jogo também possui um sistema de level: Você ganha experiência e, com o aumento do level, você abre mais coisas (passar de level não é obrigatório para avançar na carreira). A experiência ganha é dividida em dois tipos: Precisão e Agressão. Ultrapassando um adversário sem relar nele e fazendo uma volta limpa (sem bater em ninguém ou sair da pista), por exemplo, você ganha pontos de Precisão. Batendo nos oponentes e os jogando para fora da pista você ganha pontos de Agressão. Essa divisão não interfere em nada no jogo, com exceção do ícone do seu profile. Assim o jogo deixa livre para o jogador evoluir de seu jeito: sendo preciso ou agressivo. Último detalhe da jogabilidade são as já conhecidas setinhas no chão (assim como em Pro Street) que auxiliam o jogador em qual é o melhor caminho na pista para ganhar velocidade e se dar bem na corrida (além da mudança de cor: se estiver verde, acelere tranqüilo, se mudar para vermelho, freie ou não conseguirá fazer a curva sem sair da pista e, caso esteja amarela, diminua um pouco a velocidade para não correr riscos…).

 

 

A jogatina online não tem nada de especial, muito pelo contrário, tem menos opções que o modo single player e não traz muitos benefícios (a menos que você goste mesmo de jogar com as outras pessoas ou queira facilitar a conquista do troféu de platina). Os gráficos do jogo são os melhores de todos os NfS. Talvez seja por sua exclusividade para os consoles HD (além de PC e PSP). No interior do carro tudo é muito perfeito, partindo das sombras pelas luzes exteriores (detalhe: o jogo é somente de dia…) até a movimentação das mãos do piloto virando o volante e tirando a mão para mudar de marcha, e passando por inúmeros outros detalhes. Sem dúvida, é o ponto mais forte dos gráficos (mais um motivo para você jogar com essa câmera). O exterior não deixa a desejar: Tudo muito bem detalhado, quase impossível se achar defeitos (“quase” porque Gran Turismo 5 já mostrou modelos melhores). Os circuitos também são muito bem feitos, com grande detalhamento do asfalto e dos espectadores, além das árvores que balançam com o vento (na verdade, elas balançam até mais do que o normal…). Sobre o áudio do jogo, tem seu ponto forte no barulho extremamente realista do motor do carro (cada um com seu barulho único) e seu ponto fraco na trilha sonora, marca registrada da série que sempre contou com grandes nomes, que é praticamente inexistente, já que o menu não possui música (parece estranho, mas pelo menos tem alguns barulhos de carros correndo no fundo) e nem durante as corridas, para privilegiar o ronco do motor.

 

 

Resumindo: Need for Speed Shift tem lindos gráficos, um ótimo som (não jogue a tarde inteira e nem com o volume muito alto, ou vai dormir com ronco de motor na cabeça) e uma jogabilidade simples e divertida demais para um simulador. Alguns podem achar que não é um legítimo NfS como estamos acostumados, mas não deixa de ser um belo jogo que, com certeza, merece ser jogado por você, caso goste de jogos de corrida.

 

87%