Ghost of Tsushima: Versão do Diretor – Review

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

O sucesso de Ghost of Tsushima é inegável. O título da Sucker Punch, que foi lançado em julho de 2020, mostrou diversas qualidades que o fizeram se destacar e até receber diversos prêmios na indústria. Não bastasse a qualidade do jogo base, a desenvolvedora ainda se comprometeu a entregar algumas novidades, como o Novo Jogo +, e até um modo cooperativo de alta qualidade com o Lendas. Contudo, novidades para o jogo não pararam por aí.

A expansão da Ilha Iki foi anunciada junto do lançamento da versão Director’s Cut. Com isso, o título seria atualizado para um pacote só e trazendo o novo conteúdo da expansão single player, com mais alguns bônus ingame, comentários do diretor e um mini livro de arte digital. A Director’s Cut passa então a ser a única versão do jogo, tanto para o PS4 quanto para o PS5, entregando ao jogador um pacote completo com toda a experiência que o título possa oferecer. Sem adentrar agora em detalhes da “estratégia” deste pacote, vamos direto para a expansão Ilha Iki.

Ghost of Tsushima Director's Cut

De forma cronológica com os eventos do jogo, a história da Ilha Iki acontece durante o Ato 2 do jogo. Jin Sakai descobre uma ameaça estranha que chega na ilha de Tsushima e, pelo que é apurado, vem diretamente de Iki, uma ilha isolada e repleta de corsários e bandidos, que já inclusive foi alvo de uma ofensiva dos samurais de Tsushima no passado. Com esse novo perigo e ainda a ameaça dos mongóis, Jim parte para Iki tentando solucionar um problema por vez.

Após uma chegada conturbada em Iki, Jin descobre sobre o perigo que precisa enfrentar. Uma xamã, de nome Águia, manipula uma espécie de veneno entorpecente e coloca todos em Iki sob seu comando. De corsários a mongóis, bandidos e aldeões, ninguém escapa. Juntar os diversos tipos de inimigos numa única causa é a tarefa maior de Jin, que além disso, precisará enfrentar outros fantasmas de seu passado e até reviver uma relação conturbada com seu falecido pai.

Ghost of Tsushima Director's Cut

Não há muito o que difere a trama, narrativa, reviravoltas e mais da campanha de Ilha Iki do jogo base. Digamos que a estrutura é bastante similar, lembrando até a relação da expansão The Frozen Wilds com Horizon Zero Dawn neste aspecto. De certa forma, a expansão do jogo da Guerrilla Games é um ótimo parâmetro aqui, servindo de base para a duração do conteúdo, tipos de novidade e mais. Em Ilha Iki, a campanha possui 6 missões principais, 2 novos contos místicos e outras sidequests, atividades secundárias e mais. Fora os novos desafios de arqueria e arena de luta bokken, o novo conteúdo é muito mais do mesmo.

Além do que já citamos acima, a expansão também traz novos itens cosméticos, uma nova armadura para Jin e para o seu cavalo, relacionadas com os contos místicos, e personagens inéditos e a volta de alguns desaparecidos do jogo base. Quanto às novidades com os inimigos, temos um que é totalmente novo e uma boa remodelagem nos demais. O xamã é uma espécie de incentivador de batalha, usando de técnicas e cantos místicos para empurrar os demais inimigos sempre a frente e dificultando sua derrota. Normalmente, precisam ser a prioridade em combate ou problemas irão surgir. A outra novidade é que os inimigos agora podem mudar constantemente de armas e tipo de ataques, forçando o jogador a ficar atento em sua postura de combate para não ser pego de surpresa.

Ghost of Tsushima Director's Cut

Já quanto à própria ilha Iki, sua construção é similar ao que já foi mostrado antes, mas possui características únicas marcantes e ainda com visual de ponta. Por ser uma ilha menor, mais isolada e com poucas construções, a impressão é de um local quase inabitado ou desbravado. Entretanto, ao se aprofundar e explorar mais o local é possível perceber que há resquícios de um tempo antigo ali. Isso está ligado com a história e com o passado do clã Sakai no local, que vai ser explicado na campanha. De toda forma, é interessante ver um local mais selvagem e com intervenção menor do homem, criando uma parte artística ainda mais intrigante.

Aproveitar a campanha da expansão dura entre 4 a 5 horas, no máximo. Fazer 100% de todas as atividades e explorar todos os locais é uma tarefa que chega a 8 horas no total, sendo que boa parte disso é da exploração dos tradicionais pontos de interrogação no mapa. Como foi dito, as novidades existem e são nítidas, mas não a ponto de ser algo de grande destaque.

Quando comparamos com a expansão The Frozen Wilds, esse realmente é o melhor exemplo. Ilha Iki traz novidades e mais conteúdo que vão dar uma sobrevida maior ao jogo na sua parte single player, mas de forma mais curta e que não vai expandir a proposta original. É conteúdo suficiente para algum tempo e é recomendado pelo conjunto da obra, com uma campanha interessante, novidades pontuais e mais do mesmo conteúdo base de boa qualidade.

Ghost of Tsushima Director's Cut

A expansão só pode ser adquirida caso o jogador decida fazer o upgrade do seu jogo base para a versão Director’s Cut de Ghost of Tsushima. Para os donos de um PS4 é uma opção razoável. Entretanto, a oferta de uma melhoria visual do título em uma versão nativa de PS5 é, além da expansão em si, o atrativo do upgrade para o jogo no PS5. As melhorias técnicas aqui são resolução aprimorada, taxa de quadros em 60 fps, iluminação aprimorada, mais partículas, distância de visão ainda maior, suporte às funções de feedback e gatilhos do DualSense e demais aprimoramentos. Pesa aqui que essas melhorias não sejam gratuitas aos jogadores da versão base, como diversas outras empresas fizeram nos últimos meses com seus títulos.

A estratégia da Sony é agregar um pacote mais completo, ainda que alguns mimos possam ser mais irrelevantes. O modelo pode não agradar a todos, mas acaba reforçando o aumento de preço dos jogos de PS5 para os 70 dólares. Com isso, upgrade da versão da versão de um jogo de PS4 para o novo console acaba tendo o repasse desse custo ao consumidor, ainda que não seja algo tão bem assimilado por todos. Com exemplos de outros jogos exclusivos recebendo patchs com melhorias da versão de PS4 para o título via retrocompatibilidade no PS5, imagina um cenário de versão nativa do jogo no novo console iria contra o que a Sony vem trabalhando agora.

Ghost of Tsushima Director's Cut

Apesar de toda essa confusão, que vai desagradar alguns jogadores que possuem o jogo no PS4 e não poderem acessar a versão de PS5 sem custos, a Director’s Cut de Ghost of Tsushima é um pacote de grande valia. A promessa de mais conteúdo para o Lendas, agora com um novo modo Rivals, incrementa ainda mais a experiência, principalmente para os que gostaram do modo cooperativo.

Por fim, se você se divertiu e aproveitou cada minuto da versão original de Ghost of Tsushima, a expansão Ilha Iki é imprescindível e garante mais algumas boas horas de conteúdo adicional. Ainda que tenha muito “mais do mesmo”, nada disso fica abaixo do que já tivemos antes e as novidades apresentadas valem o investimento. Como algo na história de Jin Sakai e do fantasma de Tsushima, a expansão é um bom complemento e serve de explicação para alguns pontos interessantes, mas não se arrisca em preparar o terreno para o futuro do personagem.

Jogo analisado no PS5 com código fornecido pela Sony Interactive Entertainment.

Veredito

Ilha Iki é uma expansão que complementa a história de Ghost of Tsushima, mas ao custo de uma campanha mais curta e com apenas algumas novidades na jogabilidade. Entretanto, tudo é da mesma qualidade do jogo base e, só isso, já é suficiente para garantir mais algumas horas de diversão num dos melhores títulos do último ano, agora com melhorias significativas no PlayStation 5.

85
Ghost of Tsushima: Versão do Diretor
Fabricante: Sucker Punch
Plataforma: PS4 / PS5
Gênero: Ação / Aventura
Distribuidora: Sony Interactive Entertainment
Lançamento: 20/08/2021
Dublado: Sim
Legendado: Sim
Troféus: Sim (inclusive Platina)
Comprar na

Iki Island is an expansion that complements the story of Ghost of Tsushima, but at the cost of a shorter campaign and with only a few updates in gameplay. However, everything is of the same quality as the base game, and that alone is enough to guarantee a few more hours of fun in one of the best titles of the last year, now with significant improvements in PlayStation 5.