Final Fantasy VII Remake Intergrade – Review

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Final Fantasy VII Remake no PS4 é um dos melhores jogos do console. Nossa análise deixou isso claro e o prêmio de melhor de 2020 do PSX Brasil apenas consolidou isso. No entanto, mesmo sendo um excelente título, uma das críticas que existiam no lançamento girava em torno do seu aspecto técnico.

As texturas do jogo não carregavam em determinados momentos (como a famosa porta) e a taxa de quadros por segundo era limitada a 30 tanto no PS4 quanto no PS4 Pro. Dito isso, Final Fantasy VII Remake Intergrade no PS5 chega justamente para consertar esses pontos.

Final Fantasy VII Remake Intergrade

Agora, no PS5, FF7 Remake pode rodar a 60 fps, porém se seu desejo é 4K, ele rodará a 30 fps como no PS4 e a 4K nativo. Em ambos os casos há algumas quedas na resolução dependendo dos locais e momentos do jogo, mas acontecem de forma isolada e não são frequentes (leia a análise do Digital Foundry para mais informações nesse aspecto).

Também temos um Photo Mode, mas de certa forma limitado (os personagens não possuem poses por exemplo). Mas há filtros e você pode controlar a câmera.

Dito isso, FF7R no PS5 basicamente corrige o maior problema que existia no PS4. Ele está perfeito agora? Bom, tecnicamente sim, mas considerando que já passou mais de 1 ano do lançamento no PS4, o conteúdo inédito Episode INTERmission – exclusivo de PS5 – precisa ser levado em conta, principalmente por ser pago em qualquer situação (o upgrade do jogo base é gratuito se você tem o jogo – exceto a versão que foi dada no plano PS Plus).

Final Fantasy VII Remake Intergrade
Foto no PS5 via Photo Mode. Note a qualidade gráfica e as iluminações.

Episode INTERmission conta uma história paralela à principal com Yuffie. Personagem já conhecida pelos fãs, Yuffie chega a Midgar em busca da “Matéria definitiva” que, segundo ela, está com a Shinra. Para obtê-la, Yuffie conta com a ajuda de Sonon e determinados membros da Avalanche.

A história é composta de dois capítulos e acontece realmente de forma paralela. Você notará várias coisas que Cloud e seus amigos estão fazendo por Midgar através das pessoas comentando sobre o assunto ou realmente vendo com os próprios olhos de Yuffie. Por conta de coisas assim, é recomendado terminar a campanha principal primeiro, mas não é obrigatório.

Final Fantasy VII Remake Intergrade

Apesar de serem apenas dois capítulos, ambos são longos. Pense nos capítulos 9 ou 14 do jogo base – é uma duração similar. Se você se focar somente na história e ignorar todo o conteúdo paralelo, é possível que consiga finalizar em torno de 4 a 5 horas. Com o conteúdo paralelo, como sidequests e Fort Condor, a duração praticamente dobra. Depois de terminar, o modo Difícil é aberto para os dois capítulos e funciona como no jogo base (você pode evoluir Yuffie e Sonon até o nível 50 e usá-los para isso).

A história do Episode INTERmission se desenvolve um pouco devagar. Além disso, ela por si só é bastante previsível. Porém, o final compensa e talvez é até recomendado que jogue o DLC apenas por isso – vê-lo só fará a espera por um Final Fantasy VII Remake Part 2 mais dolorosa. Não podemos também deixar de mencionar as referências que existem a Dirge of Cerberus: Final Fantasy VII, mas não vou estragar a surpresa de ninguém.

Final Fantasy VII Remake Intergrade

Um dos destaques de Episode INTERmission é o sistema de batalha. É basicamente o mesmo do jogo base, mas há uma adição que talvez esteja presente também no futuro Final Fantasy VII Remake Part 2: a possibilidade de se conectar ao seu parceiro para realizar ataques sincronizados.

Ao pressionar L2, você entra nesse modo de sinergia e a barra de ATB do parceiro (no caso, de Sonon) enche mais devagar. Portanto, o esquema é deixar preencher sem essa sincronização, depois pressionar L2 e realizar o ataque sincronizado. Quando você ativa o sistema, o menu de comandos abre novas opções de ataque. Você gasta 1 barra de ATB para cada personagem, mas normalmente compensa mais fazer isso do que usar o ataque isolado – claro que tudo depende das situações em que você se encontra.

No combate, Yuffie também é outro destaque. A personagem possui um gameplay único como todos os outros personagens do jogo base. Tudo gira em torno da shuriken: se Yuffie tiver ela em mãos, o ataque com quadrado realiza combos com a estrela ninja. Se você a arremessar com triângulo, Yuffie usa seu Ninjutsu ao pressionar quadrado para causar dano de magia (você pode alterar o tipo, como vento ou fogo, gastando uma barra de ATB). E isso é apenas o básico, conforme você vai usando a personagem, descobre que há diversos combos e possibilidades de ataques.

Final Fantasy VII Remake Intergrade

Um dos minigames presentes em Episode INTERmission é o Fort Condor. Ele é basicamente uma sidequest, mas envolve muita coisa. Pense na complexidade de Gwent em The Witcher 3: é algo que você pode ignorar completamente, mas se der uma chance verá que é bem profundo.

No Fort Condor, você precisa destruir as três torres da base inimiga. Para chegar lá, é preciso avaliar o tipo de unidade que o seu oponente tem e usar as que são boas contra isso num sistema de pedra, papel e tesoura, além de ser baseado no ATB. O jogo acaba quando as três torres são destruídas ou quando o tempo terminar – vence quem tem mais torres intactas.

É bem divertido e você pode evoluir suas unidades comprando novas peças e tabuleiros conforme avança no jogo. Ou seja, apesar de ser uma sidequest que surge na primeira hora de gameplay, você meio que será obrigado a retornar a esse ponto se deseja usar todo o potencial adquirido em sua jornada.

Final Fantasy VII Remake Intergrade

A trilha sonora de Episode INTERmission continua tão boa quanto a do jogo base, com um toque de jazz em algumas músicas. Em uma determinada sidequest, você precisa pegar os pôsteres da Happy Turtle e acredite – as músicas envolvidas em cada pôster são muito boas.

Tudo o que foi citado aqui encontra-se no Episode INTERmission, o qual você acessa no menu principal. No jogo base só há apenas uma novidade que o DLC adiciona: a batalha contra Weiss no VR de Chadley. Como pode imaginar, é uma batalha desafiadora da mesma forma que o jogo base já oferecia nessas opções de VR.

Final Fantasy VII Remake Intergrade

No fim, Episode INTERmission é um bom DLC. Apresenta novidades interessantes, há uma duração razoável e a história vale pelo seu final. Porém, mesmo com tudo isso, o preço é muito caro pelo que é oferecido – seja em dólares (19,99) ou reais (R$ 104,90). Sendo justo, o valor deveria ser 25 ou 50% a menos do que está sendo cobrado. De qualquer forma, o DLC é altamente recomendado para fãs de Final Fantasy e qualquer um que tenha gostado de FF7 Remake.

Jogo analisado no PS5 com código fornecido pela Square Enix.

Veredito

Final Fantasy VII Remake é um título obrigatório para qualquer jogador. Intergrade aprimora ainda mais esse pacote, oferecendo um aspecto técnico muito polido e com gráficos lindos. A novidade fica por conta do Episode INTERmission que, apesar de não ser exatamente obrigatório, oferece uma nova história, elementos inéditos no combate e desafio de sobra. Não é um conteúdo exatamente curto, mas seu preço está um pouco acima do que oferece.

[Obs: a nota final considera o pacote JOGO + DLC]

95
Final Fantasy VII Remake Intergrade
Fabricante: Square Enix
Plataforma: PS5
Gênero: RPG
Distribuidora: Square Enix
Lançamento: 10/06/2021
Dublado: Não
Legendado: Sim
Troféus: Sim (inclusive Platina)
Comprar na

Final Fantasy VII Remake is a must-have game for any player. Intergrade further enhances this package, offering a very polished technical look with beautiful graphics. The novelty is the Episode INTERmission which, despite not being exactly mandatory, offers a new story, some new elements in combat and plenty of challenges. It’s not exactly short in content, but its price is slightly above what it offers.