O canal Digital Foundry divulgou uma análise técnica de Chrono Cross: The Radical Dreamers Edition, remaster do clássico de PS1 que foi lançado nesta semana.

Resumidamente, o canal aponta para essas características em sua análise (compilado no ResetEra):

  • Nova música para a tela inicial;
  • Nova arte de personagem;
  • Fundos aprimorados via IA, também tem fundos originais;
  • Não parece que a IA foi treinada para lidar com os antecedentes de CC, resultando em um upscale ruim;
  • Os elementos 3D estão em torno de 900p a 936p, mesmo no modo clássico;
  • Há novos modelos no novo modo, com bom aspecto;
  • Menu é 1080p para PS4/Switch;
  • O texto no modo clássico é uma fonte mais pixelizada;
  • O modo clássico tem ilustrações antigas, o modo novo tem ilustrações novas;
  • A nova arte é boa, mas os fundos são pobres, há uma incompatibilidade;
  • A intro em FMV é upscaled, mas é boa;
  • Algumas das músicas do FMV estão compactadas;
  • A música do jogo parece ser mais clara devido à emulação;
  • O desempenho é ruim: taxa de quadros é dinâmica;
  • Exploração/batalhas a 30fps, menus a 60fps;
  • No novo modo, que cai muito, pode chegar a 10fps na batalha durante grandes momentos;
  • PS1 roda melhor que PS4 rodando no PS5;
  • Tela de título roda a 12/13 fps, PS1 roda a 10 fps;
  • Os visuais clássicos funcionam melhor do que os novos visuais, são semelhantes ao PS1;
  • O jogo no Switch possui basicamente o mesmo comportamento, sendo que no modo portátil parece rodar melhor.

Veja a análise na íntegra no vídeo abaixo ou no site Eurogamer.