Shuhei Yoshida

Em uma entrevista com o The Guardian, Shuhei Yoshida, chefe da iniciativa de indies na PlayStation, comentou sobre os jogos indie, jogos como serviço (GaaS) e mais.

Em relação ao potencial dos jogos indie, Yoshida disse:

“Quando [Journey] recebeu todos os seus prêmios de jogo do ano – não apenas o melhor jogo indie, mas o melhor jogo, contra todos esses títulos AAA, começou algo […] Teve tanto impacto nas pessoas que jogou. Você poderia terminar em quatro horas, mas é sobre a vida ou a morte, e as pessoas que passaram por familiares ou amigos próximos que faleceram podem refletir sobre as coisas que vivenciaram enquanto jogavam. Estou muito feliz por ter estado envolvido com isso”.

Sobre GaaS e jogos convencionais, Yoshida falou:

“Você não quer ver os 10 melhores jogos todos os anos quase iguais, todos os jogos se tornando jogos de serviço… Isso seria um pouco chato para mim”.

Como nota sobre o assunto, o The Guardian adiciona que jogos AAA podem ter gastos muito altos e por isso os indies são importantes:

“As coisas se tornaram mais difíceis para os desenvolvedores de jogos nos mais de 25 anos em que Yoshida trabalha na indústria. Os custos de desenvolvimento dispararam: God of War III de 2010, um jogo extremamente caro para a época, custou US$ 44 milhões para ser produzido. Os jogos modernos do PlayStation 5, como God of War: Ragnarok, podem custar cerca de US$ 200 milhões. No outro extremo da escala, os desenvolvedores independentes estão lançando jogos melhores com orçamentos menores, o que significa que ser notado é mais difícil”.

cassino online Netbet