A SEGA publicou uma entrevista em seu site japonês sobre o conceito de “Super Game” que anunciou há quase um ano.

A entrevista (via Twinfinite) com o vice-presidente executivo Shuji Utsumi, o produtor Masayoshi Kikuchi e o gerente geral Katsuya Hisai fornece mais detalhes sobre o conceito e o que podemos esperar.

O plano foi colocado em prática em 2019 e envolve o fortalecimento do valor das IPs da SEGA, incluindo as mais antigas para criar novos jogos.

Na verdade, existem vários jogos em desenvolvimento dentro dessa estrutura de “Super Game” e a ideia é criar títulos que vão além da estrutura convencional, por exemplo, criando novos entretenimentos focando na relação entre os jogadores e o público que os assiste jogar.

São necessários quatro pontos para que um título seja classificado como “Super Game” e são multiplataforma, suporte multilíngue global, lançamento mundial simultâneo e escala AAA. Basicamente, são jogos que pretendem se tornar blockbusters globais.

Cerca de 50 desenvolvedores estão envolvidos na fase inicial do projeto, mas a expectativa é crescer para envolver centenas de pessoas. Aqueles que trabalham no projeto formam uma equipe híbrida de desenvolvedores que trabalham em jogos de console, celular e arcade, combinando seu conhecimento.

Novas tecnologias externas estão sendo incluídas. Por exemplo, isso inclui a parceria com a Microsoft para o uso do Azure em desenvolvimento. A Unreal Engine 5 está sendo usada para desenvolvimento e a SEGA também está colaborando com empresas iniciantes que trabalham no campo da tecnologia de IA.

Curiosamente, ouvimos que a equipe acredita que a chave para desafiar o mercado global é o “japonês”, como em jogos exclusivamente japoneses, criados por pessoas que vivem no Japão ou que amam conteúdo japonês. Isso não significa que apenas desenvolvedores japoneses estejam envolvidos, pois um conjunto diversificado de valores cultivados por meio da experiência no exterior também é importante.