“Para colocar de forma clara e inequívoca, nossos valores como funcionários não são refletidos com precisão nas palavras e ações de nossa liderança”, diz uma das primeiras linhas de uma carta dos funcionários da Activision Blizzard. A carta, agora assinada por quase 1.000 funcionários, de acordo com o site Bloomberg, denuncia declarações recentes feitas por executivos da Activision Blizzard após a notícia da semana passada de um processo explosivo alegando uma cultura discriminatória que prejudica ativamente as mulheres na empresa.

O processo, movido pelo Departamento de Fair Employment and Housing da Califórnia após uma investigação de mais de 2 anos, trouxe à luz uma série de alegações horríveis em toda a Activision Blizzard que vão desde discriminação ativa e desigualdade para funcionárias até assédio sexual e agressão, uma situação que resultou em suicídio. Os executivos da Activision Blizzard emitiram declarações que, na melhor das hipóteses, rejeitaram as alegações e foram abertamente combativos em outros casos.

Os funcionários da Activision Blizzard, tanto atuais quanto antigos, não ficaram satisfeitos com a resposta corporativa ao processo, e muitos emitiram declarações próprias por meio de vários canais sociais de que os comentários feitos pela empresa não refletem suas opiniões. No entanto, vários funcionários também se uniram em um esforço mais organizado, escrevendo e assinando uma carta chamando a atenção para a desconfiança na liderança da Activision Blizzard, bem como pedindo declarações que melhor “reconheçam a seriedade dessas alegações e demonstrem compaixão pelas vítimas de assédio e agressão”.

A carta diz que as declarações do executivo chamando o processo de “sem mérito” e “irresponsável” são inaceitáveis ​​em face de uma onda de funcionários da Activision Blizzard falando abertamente sobre a cultura da empresa alegada por meio do processo DFEH.

A atenção sobre o processo já está afetando a empresa, em que na semana passada uma revelação de um novo mapa Overwatch foi cancelada e todas as contas de mídia social da empresa – jogos e desenvolvedores – ficaram completamente silenciosas por mais de cinco dias.

Com quase 10.000 funcionários que trabalham para a empresa, a carta representa cerca de 10% da força de trabalho da Activision Blizzard (embora alguns sejam ex-funcionários) que assinaram publicamente a carta.

A carta na íntegra diz:

Para os líderes da Activision Blizzard,

Nós, abaixo assinados, concordamos que as declarações da Activision Blizzard, Inc. e seu consultor jurídico sobre o processo DFEH, bem como a declaração interna subsequente de Frances Townsend, são abomináveis ​​e insultuosas para tudo o que acreditamos que nossa empresa deveria representar. Para colocar de forma clara e inequívoca, nossos valores como funcionários não são refletidos com precisão nas palavras e ações de nossa liderança.

Acreditamos que essas declarações prejudicaram nossa busca contínua por igualdade dentro e fora de nosso setor. Categorizar as alegações feitas como “distorcidas e, em muitos casos, falsas” cria uma atmosfera empresarial que descrê as vítimas. Também lança dúvidas sobre a capacidade de nossas organizações de responsabilizar os agressores por suas ações e promover um ambiente seguro para que as vítimas se apresentem no futuro. Essas declarações deixam claro que nossa liderança não está colocando nossos valores em primeiro lugar. Correções imediatas são necessárias do mais alto nível de nossa organização.

Os executivos de nossa empresa alegaram que ações serão tomadas para nos proteger, mas em face das ações legais – e das respostas oficiais preocupantes que se seguiram – não confiamos mais que nossos líderes colocarão a segurança dos funcionários acima de seus próprios interesses. Afirmar que este é um “processo verdadeiramente sem mérito e irresponsável”, ao mesmo tempo que ver tantos funcionários atuais e ex-funcionários falarem sobre suas próprias experiências em relação a assédio e abuso, é simplesmente inaceitável.

Solicitamos declarações oficiais que reconheçam a seriedade dessas alegações e demonstrem compaixão pelas vítimas de assédio e agressão. Apelamos a Frances Townsend para cumprir sua palavra de renunciar como patrocinadora executiva da Rede de Mulheres Funcionárias da ABK como resultado da natureza prejudicial de sua declaração. Convocamos a equipe de liderança executiva para trabalhar conosco em esforços novos e significativos que garantam que os funcionários – assim como a nossa comunidade – tenham um lugar seguro para falar e se apresentar.

Apoiamos todos os nossos amigos, companheiros de equipe e colegas, bem como os membros de nossa comunidade dedicada, que sofreram maus-tratos ou assédio de qualquer tipo. Não seremos silenciados, não ficaremos de lado e não desistiremos até que a empresa que amamos seja um local de trabalho do qual todos possamos nos sentir orgulhosos de fazer parte novamente. Nós seremos a mudança.