PUBLICIDADE

Durante o evento BIG Festlval 2019, maior evento de games independentes da América Latina, foi revelado que o número de companhias de jogos no Brasil mais do que duplicou entre 2014 e 2018.

A informação foi dada por Sandro Manfredini, presidente da Abragames. Ele disse que o setor começou há cerca de 25 anos, com estúdios como Southlogic (1996) e LocZ (1997). A Abragames foi fundada em 2004 para fornecer suporte a esse setor em crescimento.

Em 2014, a indústria brasileira tinha 133 companhias de jogos com 1.133 pessoas trabalhando. Em 2018, esse número chegou a 276 companhias com 2.731 pessoas.

Os consumidores brasileiros gastaram cerca de 1,5 bilhão de dólares em jogos em 2018, tornando o Brasil o 13º maior mercado segundo o Newzoo. O país possui 211 milhões de habitantes, sendo que 142 milhões estão online e 75,7 milhões são considerados gamers.

PUBLICIDADE

Paralelo a isso, os ganhadores do BIG Festival 2019 foram divulgados. Gris (Nomada Studio, da Espanha) é o grande vencedor, levando dois prêmios: Melhor Jogo e Melhor Arte. O júri selecionou Adore (da Cadabra Games) como o Melhor Jogo Brasileiro e Moss (da Polyarc Games, dos Estados Unidos) como Melhor Jogo VR. O público também votou e escolheu o Spaceline Crew (Coffeenauts, Brasil) na categoria Melhor Jogo pelo Voto Popular.

Participaram da competição 54 jogos de 22 países: África do Sul, Alemanha, Argentina, Austrália, Áustria, Bélgica, Brasil, Canadá, Chile, China, Colômbia, Costa Rica, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, França, Japão, Malásia, Noruega, Reino Unido, República Checa e Suíça. Eles disputaram em 18 categorias, além de duas competições paralelas. O game Space Routine (Menic Games, Argentina) levou o Humble BIG New Talent Award. E o Grashers (Pink Array, Brasil) ganhou o Nordic Game Discovery Contest e está automaticamente selecionado para participar da rodada classificatória do NG20, em maio de 2020, na Suécia.

Veja a lista completa de ganhadores:

  • Melhor Jogo

GRIS (Nomada Studio), da Espanha

Justificativa do júri: “Completo em todos os aspectos, este jogo proporciona uma experiência emocional singular”.

  • Melhor Jogo Brasileiro

Adore (Cadabra Games), do Brasil

Justificativa do júri: “Contando com uma direção de arte interessante e jogabilidade fluida, o jogo representa bem o crescimento do cenário de desenvolvimento de games brasileiros”.

  • Melhor Jogo da América Latina

Quantum League (NGD Studios), da Argentina

Justificativa do júri: “Com produção criativa e muito bem executada, o game promove uma releitura interessante do gênero FPS”.

  • Melhor Arte 

GRIS (Nomada Studios), da Espanha
Justificativa do júri: “O jogo é, em si mesmo, uma obra de arte”.

  • Melhor Narrativa 

Forgotton Anne (ThroughLine Games), da Dinamarca
Justificativa do júri: “Com um mundo imersivo e um voice acting emocionante, o game trabalha de maneira completa os aspectos narrativos de um jogo”.

  • Melhor Gameplay

JUMPGRID (Ian MacLarty), da Austrália

Justificativa do júri: “Ele é super divertido, fácil de aprender, com uma curva de dificuldade progressiva, que torna o jogo tão desafiador quanto viciante”.

  • Melhor Som 

Unheard (NEXT Studios), da China
Justificativa do júri: “Tem sólido conceito de criação, utilizando os elementos sonoros como parte essencial das mecânicas do jogo.”

  • Inovação

Pixel Ripped 1989 (ARVORE Immersive Experiences), do Brasil
Justificativa do júri: “Interessante proposta de metagame, que aproveita ao máximo as potencialidades espaciais e mecânicas da realidade virtual”.

  • BIG Impact: Educacional 

Cidade em Jogo (Fundação Brava e Flux Games), do Brasil

Justificativa do júri: “Proposta bastante relevante para a educação política. Destaca-se ao exigir do jogador competências como reflexão sobre os desafios e priorização de tarefas”.

  • BIG Impact: Questões Sociais

Marie’s Room (like Charlie), da Bélgica
Justificativa do júri: “Uma narrativa muito bem construída, aliada ao impressionante voice acting, garantem a este jogo um potencial de impactar e discutir questões relevantes a partir de uma perspectiva feminina e atual”.

  • BIG Impact: Melhor Jogo de Diversidade

Huni Kuin: Yube Baitana (Bobware/Beya Xinã Bena), do Brasil

Justificativa do júri: “Destaca-se ao promover o povo Kaxinawá, trazendo elementos de sua cultura para a construção do jogo. Visibilidade fundamental no cenário contemporâneo”.

  • Melhor Jogo de Estudante 

Burning Daylight (The Animation Workshop), da Dinamarca
Justificativa do júri: “Com uma atmosfera imersiva aliada com incrível direção de arte e narrativa, este jogo revela que a criatividade e a vitalidade dos games de estudantes estão atingindo um patamar cada vez maior”.

  • Melhor Jogo Mobile 

Starlit On Wheels (Rockhead Studios), do Brasil

Justificativa do júri: “Bem desenvolvido e otimizado para plataformas mobile, o game se destaca pelas personagens carismáticas e excelente sistema de customização”.

  • Melhor Multiplayer

Spitlings (Massive Miniteam GmbH), da Alemanha

Justificativa do júri: “Com uma produção cuidadosamente executada, o jogo garante uma divertida experiência couch fun com os amigos”.

  • Melhor Jogo Infantil

It’s Paper Guy! (The Paper Team), da França

Justificativa do júri: “Divertido e cheio de personalidade, o jogo cativa crianças de todas as idades”.

  • Melhor Jogo XR/ VR

Moss (POLYARC GAMES), dos Estados Unidos
Justificativa do júri: “Com personagens carismáticos, gráficos surpreendentes e desafios interessantes, Moss expande os conceitos de desenvolvimento para realidade virtual”.

  • BIG Brands 

Authentic Game Oficial (Little Giants Studio), do Brasil

Justificativa do júri: “Agrega grande valor ao cliente por meio de um jogo divertido, completo e cativante”.

  • Humble BIG New Talent Award

Space Routine (Menic Games), da Argentina

  • Nordic Game Discovery Contest

Grashers (Pink Array), do Brasil

  • Melhor Jogo pelo Voto Popular

Spaceline Crew (Coffeenauts), do Brasil