Em entrevista ao site GamesIndustry.biz, o presidente e CEO da Sony Interactive Entertainment, Jim Ryan, comentou sobre o novo plano PS Plus.

“Sentimos que estamos em um bom ciclo virtuoso com os estúdios”, explica Ryan, “onde o investimento gera sucesso, o que permite ainda mais investimento, o que gera ainda mais sucesso. Gostamos desse ciclo e achamos que nossos jogadores como aquele ciclo”.

Ele continua: “[Em termos de] colocar nossos próprios jogos neste serviço, ou qualquer um de nossos serviços, após o lançamento… não é um caminho que vamos seguir com este novo serviço. Achamos que se fizermos isso com os jogos que fazemos no PlayStation Studios, esse ciclo virtuoso será quebrado. O nível de investimento que precisamos fazer em nossos estúdios não seria possível, e achamos que o efeito indireto na qualidade dos jogos que fazemos não seria algo que os jogadores desejam”.

A perspectiva de Ryan é pragmática, e a posição atual da PlayStation sobre isso está totalmente sujeita a mudanças.

“A maneira como o mundo está mudando tão rapidamente no momento, nada é para sempre”, ele nos diz. “Quem diria mesmo quatro anos atrás que você veria o AAA PlayStation IP sendo publicado no PC? Começamos no ano passado com Horizon Zero Dawn, depois Days Gone e agora God of War – uma versão para PC extremamente polida e bem-sucedida de esse jogo. [Tivemos] grande sucesso crítico e grande sucesso comercial, e todo mundo fez as pazes com isso acontecendo e está completamente à vontade com isso. Eu olho para trás quatro anos e acho que ninguém teria visto isso acontecer. Então, não quero colocar nada em pedra neste estágio. Tudo o que estou falando hoje é a abordagem que estamos adotando no curto prazo. A maneira como nosso modelo de publicação funciona agora, não faz nenhum Mas as coisas podem mudar muito rapidamente nesta indústria, como todos sabemos”.

“É um fato – pelo menos para nossos serviços – que a grande maioria das pessoas assina por meio de uma assinatura de 12 meses”, explica Ryan. “São mais de dois terços que assinam dessa forma. Essa é uma área de proposta de valor que analisamos muito. O que estamos entregando é que, para um assinante de 12 meses, e essa é a grande maioria das pessoas, o a taxa de assinatura mensal para o PlayStation Plus Extra será de US$ 8,33. E para o PlayStation Plus Premium será de US$ 9,99. Achamos que, para o que as pessoas receberão, essa é uma proposta de valor incrível. E uma que simplesmente não seria possível se colocar os jogos de nossos estúdios no serviço após o lançamento”.

A Sony diz que “todas as grandes companhias” estão presentes no serviço, e as conversas continuam indo bem. “Sejam indies, sejam grandes jogos, ou coisas que celebram nossa herança… todos os tipos de jogos”, diz Ryan.

“Mas o meio dos jogos é tão diferente da música e do entretenimento linear, que não acho que o veremos chegar aos níveis que vemos com Spotify e Netflix. Alguns [jogos de] serviço ao vivo que estão se mostrando muito bem-sucedidos hoje em dia, e não estou restringindo este comentário ao console, eles são efetivamente serviços de assinatura em si. E são muito adaptados às necessidades do jogador que ama qualquer jogo com o qual passe horas e horas, mês após mês após mês. Esse fenômeno do jogo de serviço ao vivo… que, em grande parte, alimentou o enorme crescimento na indústria de jogos que vimos nos últimos dez anos. Acho que a tendência para serviços ao vivo continuará, e se você procurar um modelo em nossa categoria de entretenimento, que suporte o engajamento sustentado por um longo período de tempo, os jogos de serviços ao vivo se encaixam melhor nessa conta do que um serviço de assinatura”, comenta.

“Mas é tudo uma questão de escolha. Obviamente, existem muitos milhões de pessoas que estão felizes em assinar o PlayStation Plus. Oferecemos a eles essa opção na plataforma e achamos que estamos oferecendo uma opção significativamente melhorada com as alterações que fizemos. Da mesma forma, se as pessoas quiserem jogar Fornite, Call of Duty ou FIFA, e manter seu engajamento dessa forma, tudo bem também. Ninguém é obrigado a fazer nada”, finaliza.