Jade Raymond comentou um pouco sobre o jogo de seu novo estúdio, Haven, que será lançado para PlayStation. Em uma entrevista para o site GI.biz, Raymond falou sobre as ambições de Haven para seu primeiro jogo, que é uma nova IP, e ela também falou sobre por que se alinhar com a Sony era a escolha certa.

Raymond disse que o primeiro jogo de Haven será “realmente ambicioso” e mostrará do que o PS5 é capaz. Ela também brincou que o tamanho do arquivo do jogo pode ser realmente grande e que a tecnologia de streaming pode desempenhar um papel em sua execução. Raymond está pegando os aprendizados de seu tempo no Google na equipe do Stadia e aplicando-os a Haven, aparentemente.

“O que significa oferecer suporte ao primeiro jogo de terabyte? O que significa oferecer suporte a esse nível de dados? Todas essas coisas que aprendemos para tornar possível o streaming de jogos desta geração são interessantes para atingir o próximo nível de qualidade”, ela disse. “Portanto, há algumas coisas que aprendemos e que estamos aplicando em nossa pilha de tecnologia”.

Raymond não está pronta para compartilhar detalhes sobre o primeiro jogo de Haven, mas ela brincou que terá um elemento social significativo. “A pandemia provou que a jogabilidade é a cola social que une as comunidades. Especialmente para a geração mais jovem, é isso que você faz e como você faz amigos e sai com eles. Isso é algo que realmente queremos construir e projetar”, ela disse.

Raymond acrescentou que Haven está observando de perto a “geração do remix” e construindo seu novo jogo para esse público. “Tudo começou há pouco tempo, há uma era de autoexpressão em que projetamos nossos tênis NikeID, estamos lendo blogs de amigos em vez do que nossos jornalistas profissionais estão escrevendo”, disse ela. “E acho que isso continuou a avançar com coisas como o TikTok. Essa é outra coisa em que estamos pensando no cerne deste IP. Vai além do conteúdo gerado pelo usuário, é sobre pegar aquela autoexpressão e conceito de remix para o próximo nível”.

O primeiro jogo de Haven, segundo Raymond, tem como objetivo criar um mundo que possa “durar por gerações e se tornar significativo para as pessoas em um nível mais profundo”.

“Mas como criamos um IP com essa profundidade, mas projetado para pertencer aos fãs desde o início? Quando criamos Assassin’s Creed, estávamos realmente pensando em criar uma IP que pudesse ser propriedade de equipes criativas no futuro”, disse ela. “Achamos que se criarmos uma estrutura de qualquer coisa que aconteça em um momento da história e tiver os Assassinos por trás disso, [isso] será consistente com a marca para que as equipes possam evoluí-la e possuí-la”.

Em termos de fechar parceria com a PlayStation para o primeiro jogo de Haven, Raymond disse que a Sony se destacou como uma empresa que “realmente entende o processo criativo”. Ela também mencionou como a Sony é conhecida por dar autonomia aos seus estúdios de jogos, o que era um “grande atrativo”.

“Além disso, todos nós somos grandes fãs desde que éramos crianças da Sony. Há algo muito legal em começar a trabalhar em um jogo de PlayStation original. Para muitas pessoas, isso é um sonho do que eles queriam fazer”, disse ela.