A série Assassin’s Creed sempre combinou explorar períodos históricos com tecnologia e histórias modernas, mas parece que o plano original para Assassin’s Creed 3 quase levou esse conceito ao espaço – literalmente.

Conforme relatado pela Eurogamer (via IGN), os detalhes do final original da franquia foram publicados por um estudante de uma universidade de pesquisa belga. Em um trabalho examinando o uso da religião pela Ubisoft, Lars de Wildt escreveu que os personagens modernos Desmond Miles e Lucy Stillman escapariam da Terra em uma nave espacial, partindo para iniciar a civilização humana em outro lugar.

Segundo de Wildt, a informação veio do criador de Assassin’s Creed, Patrice Désilets, e o diretor criativo de Assassin’s Creed 3, Alex Hutchinson.

“Resumidamente, o terceiro jogo terminaria com uma resolução do conflito nos dias atuais, com Desmond Miles – dublado por [Nolan] North – derrubando a Abstergo usando o conhecimento e as habilidades combinadas de todos os seus ancestrais, incluindo Altair e Ezio”, escreveu de Wildt. “Além disso, é o fim do mundo em 2012, e Desmond Miles e Lucy estão começando uma nova civilização em outro lugar – como Adão e Eva”. Quando de Wildt perguntou a Désilets para onde eles estavam indo, Désilets disse: “Boom! É uma nave espacial maldita!”

No fim, em vez de se concentrar fortemente nos tempos atuais, o jogo estrelou Ratonhnhaké:ton, também conhecido como Connor Kenway, um assassino durante a época da Guerra Revolucionária Americana. A história moderna ainda se concentrava em Desmond lidando com o fim do mundo, mas os resultados foram bem diferentes, principalmente os destinos de Lucy, Desmond e da própria Abstergo.