God of War é, sem sombra de dúvida, um dos principais títulos que vem à mente dos jogadores ao ouvirem o nome PlayStation. É praticamente impossível não associar Kratos, o espartano assassino de deuses, à marca. Sua jornada foi contada do início ao fim ao longo de 6 jogos, divididos em 3 consoles diferentes, e assim como toda tragédia grega parecia ter chegado ao fim. Eis que em 2018 tivemos a volta da franquia, não apenas para contar uma nova história, mas disposta a elevar a percepção e os conceitos dos jogadores sobre este personagem tão importante para a família PlayStation. Não é de se admirar que este seja o primeiro título da franquia a transcender (oficialmente) a barreira dos consoles para chegar ao PC.

O foco deste review se concentra nas características do jogo rodando em sua versão para PC, portanto caso deseje uma análise mais aprofundada em relação ao gameplay e enredo do título, você pode conferir a nossa análise de God of War.

God of War no PC entrega diversas melhorias visuais em relação à sua versão original, independente se você a jogou no PS4 ou com upgrades no PS5. Para que você possa ter alguma noção da diferença gráfica existente entre computador e console, a qualidade neste último seria o equivalente a jogar o título com todas as opções na qualidade média no PC. Isso apenas serve para mostrar que mesmo estando perto de seu quarto aniversário de lançamento, o título permanece tendo um visual estupendo, principalmente quando comparado aos títulos que têm saído na nova geração de games.

O jogo foi testado em 3 máquinas diferentes (veja as especificações de cada uma no fim do artigo) e os resultados em relação à performance do título foram bastante satisfatórios. No modo de qualidade “original”, as máquinas #1 e #2 foram capazes de manter um desempenho de cerca de 60 quadros por segundo, com quedas momentâneas para 50 fps. Já rodando no ultra, ambas mantêm uma média de 30 quadros a depender do que se encontra em tela, porém é comum a ocorrência de engasgos (principalmente na máquina #1 que não possui SSD). As duas máquinas apresentaram alguns atrasos de renderização em áreas mais abertas do jogo.

A máquina #3 mantém estáveis 90 quadros por segundo na qualidade “original” e 60 quadros no Ultra, com quedas bruscas em momentos com muitos efeitos. Por exemplo, na luta contra o troll nos arredores da casa de Kratos, é muito comum presenciar essas quedas, no momento em que o inimigo realiza um ataque envolvendo lava. Com exceção disso, o título roda muito bem.

Os registros foram feitos sem alterar a escala de renderização do jogo, porém é completamente possível obter números melhores ao reduzir-se essa opção. A resolução utilizada foi de 1920×1080, porém é possível renderizar o título em 4K caso você possua uma máquina boa o suficiente para tal. O título também oferece suporte para monitores UltraWide, além da tecnologia de HDR.

Existem quatro pré-definições gráficas disponíveis: baixa, original, alta e ultra, sendo possível personalizar individualmente desde a qualidade desejada das texturas de objetos, ao nível de complexidade dos modelos dos personagens para obter uma experiência mais estável e adequada aos requisitos de sua máquina.

A qualidade das texturas no modo ultra é assustadora, tornando nítidos detalhes nos personagens que normalmente são imperceptíveis na versão base do jogo. Desde as pequenas veias saltando do pescoço de Kratos, aos complexos entalhes rúnicos em seu machado Leviatã. Os efeitos de iluminação, sombras e reflexos alcançaram um nível absurdo de definição, e funcionam de forma bastante realista, ainda que esta versão não tenha recebido a tecnologia de ray tracing. Olhar para God of War no PS4 depois de jogá-lo no PC é como tentar enxergar sem óculos.

A versão de PC de God of War traz algumas novidades exclusivas para os detentores de placas gráficas da NVIDIA e que certamente elevarão ainda mais a experiência. A primeira delas é a tecnologia NVIDIA DLSS, um método de renderização em tempo real por meio de uma Inteligência Artificial. Com isso, você será capaz de gerar imagens de alta fidelidade visual com menos carga de trabalho, impulsionando o desempenho do jogo no processo. Além do DLSS, esta versão conta com a tecnologia NVIDIA Reflex, que reduz a latência dos comandos inseridos, permitindo um melhor tempo de resposta por parte do jogador. Vale lembrar que esta opções só podem ser utilizadas por placas de vídeo da linha RTX.

Em relação ao tempo de loading, há uma diferença considerável ao executar o jogo por meio de um SSD ao invés de um HD. Nesse último teremos um loading inicial de cerca de 20 a 30 segundos, seguido de tempos que variam entre 10 e 13 segundos para reiniciar o último ponto de controle. Já com o uso de um SSD convencional, os tempos raramente ultrapassarão 8 segundos.

God of War oferece suporte para controles da Sony, como o DualShock 4 e o DualSense (sem suporte ao feedback tátil e gatilhos adaptáveis), bastando conectá-los via qualquer porta USB do computador para que seja reconhecido automaticamente. Algo que foi criticado na versão para PC de Days Gone e que se repete aqui é o péssimo layout dos botões ao se jogar com teclado e mouse. Atacar, bloquear, arremessar o machado leviatã e dar comandos a Atreus, são ações que normalmente são feitas de maneira simultânea ou em um curtíssimo intervalo de tempo graças ao calor da batalha, porém executá-las via teclado é sofrível e em alguns momentos frustrante.

Por fim, alguns problemas foram registrados durante o nosso gameplay do título. A animação de determinados objetos durante cutscenes podem parar de funcionar, fazendo com que fiquem flutuando no ar em raras ocasiões (assista à cena inicial de nosso gameplay com Kratos carregando um tronco de árvore abaixo). O jogo também travou sem motivo aparente na máquina #2 no momento em que tenta executar determinadas cutscenes. Isso ocorreu mais de uma vez e, após uma nova instalação o problema se tornou menos frequente. Dito isso, com base na data em que você está lendo este artigo, é possível que os problemas aqui citados tenham sido solucionados por meio de atualizações.

Veredito

A chegada de God of War ao PC marca a oportunidade ideal para quem não conhece a franquia e de ter acesso a um dos maiores e melhores títulos da PlayStation. Ele é uma excelente porta de entrada para iniciantes e certamente aumentará o número daqueles que aguardam pela sua próxima sequência.


Configurações dos Computadores Utilizados

Máquina #01

  • Placa-Mãe: ASRock H310CM-HG4
  • CPU: Intel i5-9400F 2.9ghz
  • GPU: Radeon RX 580 Armor 8gb
  • RAM: 16 gb DDR4 2666 MHZ
  • Armazenamento: HD Toshiba 1TB Sata III 3.5″ 7200RPM
  • Sistema Operacional: Windows 10

Máquina #02

  • Placa-Mãe: ASRock H320CM-HG4
  • CPU: Ryzen 5 2400G 3.6hgz
  • GPU: GTX 1060 6gb
  • RAM: 16 gb DDR4 2666 MHZ
  • ‎Armazenamento: SSD KINGSTON 2.5  240GB 350MBS
  • Sistema Operacional: Windows 10

Máquina #03

  • Placa-Mãe: ASRock B450M Steel Legend
  • CPU: AMD Ryzen 3600 4.2 GHZ
  • GPU: NVIDIA RTX 2060 6GB
  • RAM: 16 gb DDR4 3200 MHZ
  • Armazenamento: SSD Crucial 960Gb
  • Sistema Operacional: Windows 10

Configurações Mínima e Recomendada

Mínima

  • Sistema operacional e processador de 64 bits
  • OS: Windows 10 64-bits
  • Processador: Intel i5-2500k (4 core 3.3 GHz) or AMD Ryzen 3 1200 (4 core 3.1 GHz)
  • Memória: 8 GB RAM
  • Gráficos: NVIDIA GTX 960 (4 GB) or AMD R9 290X (4 GB)
  • DirectX: Version 11
  • Armazenamento: 70 GB

Recomendada

  • Sistema operacional e processador de 64 bits
  • OS: Windows 10 64-bits
  • Processador: Intel i5-6600k (4 core 3.5 GHz) or AMD Ryzen 5 2400 G (4 core 3.6 GHz)
  • Memória: 16 GB RAM
  • Gráficos: NVIDIA GTX 1060 (6 GB) or AMD RX 570 (4 GB)
  • DirectX: Version 11
  • Armazenamento: 70 GB

Onde Comprar

Este artigo de impressões foi possível graças a uma cópia digital da Steam gentilmente cedida pela Sony Interactive Entertainment.