Uma das desenvolvedoras da Sony Worldwide Studios quase não teve conhecimento do público. Agora, de acordo com o site Polygon, houve um período conturbado para uma desenvolvedora sob a tutela da Sony e que estaria desenvolvendo um título para o PS VR. Situado em Manchester, Inglaterra, a desenvolvedora começou como Sony Interactive Entertainment Europe’s Creative Development Group, responsável por testes, pesquisa e desenvolvimento de títulos futuros.

Sam Coates, já gerente da SIEECDG, foi integrado como diretor do estúdio, que passou a ter a supervisão de Eric Matthews e Mark Green, vice-presidente da Sony Worldwide Studios e Diretor de Pesquisas da Sony, respectivamente. A desenvolvedora então estaria com a direção formada em 2015 e teria o nome de Sony Manchester, mas com Coates situado em Manchester e Matthews e Green em Londres.

O primeiro projeto seria um jogo para PS VR similar a Desert Strike e teria o nome de CSAR: Combat, Search, and Rescue. O jogador controlaria um helicóptero, eliminaria inimigos em diversos locais e resgataria pessoas de zonas de guerra. Seria possível partir de um porta-aviões para diversas localizações e completar várias missões.

Nos primeiros anos, e por boa parte do tempo de desenvolvimento, o título foi bastante experimental e teve diversos protótipos sem entrar em produção total. Matthews e Green precisavam aprovar pessoalmente as várias decisões do projeto, mas só estavam em Manchester uma vez por mês. Em geral, a comunicação não era efetiva e muito do trabalho já feito quase sempre era descartado ou precisaria ter outra direção quando os líderes tomavam decisões. Por exemplo, desenvolver e aprovar um novo tipo de inimigo era um processo de diversos meses.

Devido ao baixo custo de manutenção do estúdio, a Sony nunca fez pressão sobre o trabalho e a desenvolvedora acabou ficando livre por bastante tempo. Sem muita direção e com um enorme tempo em pré-produção, desenvolvedores começaram a perceber que o projeto não iria sai do lugar e muitos se sentiam incomodados. Mesmo uma mudança para um local próprio foi postergado diversas vezes e os funcionários continuavam em um local temporário.

Em Julho de 2016, Sam Coates deixou a Sony Manchester. Vários outros funcionários já haviam saído do estúdio antes. Matthews e Green assumiram outras funções, mas ainda se mantinham em Londres. Em 2018, toda a equipe de design foi levada para Londres a fim de facilitar o processo de comunicação, o que se mostrou sem sucesso depois.

Quando Hermen Hulst assumiu a liderança da Sony Worldwide Studios em 2019 e posteriormente acontecendo um processo de avaliação e reestruturação, a Sony começou a demandar mais retorno do estúdio de Manchester.

Apesar de alguma evolução, havia o sentimento dentre os desenvolvedores que o projeto demorou demais a engrenar e que talvez teria sido tarde para isso. Em fevereiro de 2020 a Sony Manchester foi fechada, assim como a parte de design de Londres. Desenvolvedores então se alocaram em demais estúdios da Inglaterra, como a Lucid Games ou a Firesprite. Com isso, e muito provavelmente, CSAR: Combat, Search, and Rescue foi enterrado junto com a Sony Manchester.