O texto abaixo foi publicado no PlayStation.Blog brasileiro.


Após um desastre sobrenatural que mergulhou Tóquio em um mundo de lendas urbanas e conspirações da vida real, os jogadores pegam em armas para lutar contra Visitantes sobrenaturais que tomaram conta da cidade… literalmente! Em Ghostwire: Tokyo, os jogadores combinam equipamentos convencionais com uma técnica especial chamada Onda Etérea – misturando energia espiritual com os elementos do vento, água e fogo – para afastar os inimigos e salvar a cidade.

Prática

Em vez de uma arma ou artefato especial, a Onda Etérea utiliza apenas as duas mãos, tecendo movimentos hipnóticos no jogo para liberar seu poder sobre as aparições hostis de Tóquio. “Os espíritos malignos que aparecem em Tóquio são seres sobrenaturais, não físicos, então tentamos pensar em qual seria a maneira mais intuitiva de combatê-los”, explica Kenji Kimura, Diretor de Jogo de Ghostwire: Tokyo na Tango Gameworks.

“O Japão tem uma longa história sobre como afastar eventos ruins, como desastres naturais ou doenças, por meio de orações em santuários e templos. Se uma criança se machucava na vizinhança, os pais acenavam com as mãos sobre a ferida enquanto diziam palavras de encantamento, como se fosse para aliviar a dor de forma mágica. É essa confiança histórica na natureza e outras forças invisíveis controladas por movimentos das mãos que inspiraram o seu uso no jogo.”

A razão de usar a “tradição encontra modernidade” é comum em Ghostwire, criando a visão de uma Tóquio contemporânea encontrando o mundo espiritual em um mundo híbrido único que se destaca por si só, até suas habilidades de combate. “É claro que conhecíamos o ‘kuji-kiri’ ou ‘nove cortes simbólicos’, e os gestos usados ​​em ninjutsu e outras práticas”, explica Kimura, “mas não estávamos realmente indo para vibrações explícitas de um mago ou ninja. Queríamos focar em como uma pessoa vivendo em um Japão moderno com traços de elementos tradicionais únicos cresceria e se adaptaria. Então, partimos para gestos mais originais com base nos do passado.”

A regra do legal

O que realmente impulsionou a Tango no desenvolvimento e animação de Onda Etérea foi a sua ‘sensação’ – ou seja, ter os movimentos das mãos fazendo sentido no cenário e as habilidades que estão sendo usadas. “Tentamos imaginar que tipo de movimento, por exemplo, seria melhor para aproveitar o vento (e parecer o mais legal possível) antes de chegar a um gesto concreto”, diz Kimura. “Animar esses gestos era o foco principal, assim nós os representamos, perguntando uns aos outros coisas como ‘isso parece legal?’ ou ‘isso é muito ridículo?’ O processo foi muito divertido.”

 

Claro, os jogadores também podem usar suas próprias mãos para experimentar a bela visão assombrada do Tango em Ghostwire: Tokyo, agora exclusivamente para PlayStation 5. Dobrando-se para aproximar ainda mais os jogadores da ação, Ghostwire: Tokyo usa o controle DualSense não só para mostrar aos jogadores a ação, mas deixá-los sentir. “Uma vez que estabelecemos os gestos, trabalhamos nos VFX e SFX, bem como na resposta tátil e nos gatilhos adaptáveis ​​[no controle DualSense]”, diz Kimura. “Todos os elementos estavam conectados, e, na minha opinião, é essa interconexão que cria uma experiência totalmente imersiva.”

Ghostwire: Tokyo já está disponível para consoles PlayStation 5. Baixe e jogue hoje ou atualize para o Ghostwire: Tokyo, Edição de Luxo para conteúdo exclusivo e muito mais. Para mais informações, visite ghostwire.com.