Para os apreciadores e participantes da cultura “gamer” no Brasil e no mundo, guerras e conflitos armados não são novidade – afinal, os jogos de guerra, com teor histórico ou não, são alguns dos maiores sucessos de público, crítica e venda da história dos games há muitos anos. 

No entanto, a guerra iniciada com a invasão da Ucrânia pela Rússia, em 24 de fevereiro de 2022, está afetando o mundo dos games para muito além de se tornar, possível e provavelmente, um cenário para futuros jogos que tematizam confrontos armados em primeira pessoa. 

Entre declarações e manifestações, boicotes, sanções, doações e protestos, o mundo dos games já sofreu impactos desde o início da guerra, como não poderia deixar de ser em uma economia mundial cada vez mais interligada e globalizada. 

Seja você um apreciador de apostas esportivas ou de lançamentos slots online em cassinos digitais, um gamer que utiliza mais o PC ou o smartphone, não importa, os impactos da guerra são mundiais e, de um jeito de outro, também podem te afetar. Confira algumas das repercussões deste conflito armado no mundo dos games. 

Produtores de games manifestam apoio à Ucrânia

John Romero, um dos criadores do famoso e histórico jogo Doom II, lançou uma fase especial do game, anunciando que o dinheiro das vendas será revertido para civis ucranianos afetados pelo conflito. 

Mesmo tipo de iniciativa tomado pela produtora polonesa 11Bit, que além de se pronunciar nas redes sociais contra a guerra também anunciou que dedicará 100% do valor arrecadado nas vendas do jogo This War of Mine para os ucranianos. 

A produtora Bungie também arrecadou fundos para a Ucrânia ao criar um evento beneficente de 48h, destinando o valor das vendas do jogo Destiny 2 para as vítimas da guerra.

Já outra produtora polonesa, a CD Projekt Red, suspendeu a venda de seus jogos, como Cyberpunk 2077, na Rússia, e ainda anunciou a doação de cerca de R$ 1 milhão para instituições humanitárias que atuam na Ucrânia.

Quem também vetou a comercialização de seus jogos e produtos na Rússia em protesto contra a guerra foi a Microsoft, que suspendeu a venda do console e dos jogos de Xbox no país – a Ucrânia já chegou a requisitar que o mesmo fosse feito por outras fabricantes de videogames.

A Amazon Games, por meio de seu vice-presidente Chirstoph Harmann, é uma das que anunciaram medidas, como o cancelamento da localização do seu jogo New World para os jogadores do idioma russo. 

A empresa Blizzard também anunciou que fará doações para instituições humanitárias, já tendo sido arrecadados cerca de U$ 300 mil. Segundo a empresa, a cada dólar doado por seus funcionários a empresa colocará mais dois dólares nos esforços de solidariedade internacional.

Futebol russo sancionado

A invasão da Ucrânia sofreu condenações e sanções em uma escala global jamais vista anteriormente, com a Rússia sofrendo condenações no âmbito político, econômico e comercial mas também cultural e esportivo. 

Competições esportivas que seriam no país, como a Fórmula 1, foram canceladas, e as participações da seleção masculina de futebol na Copa do Mundo do Qatar e da seleção de futebol feminino na Eurocopa foram canceladas. 

Ainda no âmbito esportivo e do futebol, os torcedores russos sofreram outro baque com a fabricante de games EA anunciando a remoção da seleção russa e de todos os times do país do jogo FIFA 22. A empresa também utilizou suas redes sociais para protestar contra a invasão à Ucrânia e pedir a paz imediata.

eSports também se mobilizam 

Também no âmbito dos eSports houve sanções, como no cenário de competições do jogo Counter-Strike: Global Offensive, um dos mais famosos games do mundo. Torneios importantes como Blast, Elisa e WePlay já anunciaram o banimento de jogadores e times russos em protesto contra a guerra na Ucrânia.

Considerado o melhor jogador do mundo neste jogo, o ucraniano s1mple protestou veementemente nas redes sociais contra a invasão russa, recebendo bastante apoio e engajamento. O jogador voltou a se pronunciar contra a guerra na abertura dos playoffs da IEM Katowice de 2022, apontando que “todos queremos paz para a Ucrânia e para o mundo”. 

Outro ucraniano famoso no mundo dos games é Stormyrite, campeão europeu do jogo Fortnite Champion Series, que tem se pronunciado constantemente de forma crítica sobre o conflito em suas redes sociais. 

A Rússia é considerada uma potência nos e-sports, principalmente em modalidades como CS:GO e DotA, e ainda é possível que haja outras repercussões do conflito neste setor.