A Activision Blizzard está enfrentando mais um processo, conforme relatado pelo Axios. (via Kotaku). Desta vez, é a cidade de Nova York e alega que o CEO Bobby Kotick correu para encontrar um comprador para a mega-editora que ele lidera há 30 anos para evitar explicitamente as consequências das alegações de casos generalizados de assédio na empresa.

No inverno passado, o Departamento de Emprego Justo e Habitação da Califórnia (DFEH) entrou com uma ação contra a companhia, alegando uma cultura arraigada de abuso, assédio e discriminação, cujos relatos foram detalhados em uma série de investigações da imprensa.

Este último processo, que foi aberto pelo Sistema de Aposentadoria dos Funcionários de Nova York no tribunal de Delaware no final do mês passado, essencialmente estipula que a Activision Blizzard abra seus livros e prove que o acordo que abala a indústria não foi projetado para fornecer cobertura para Kotick.

“Com a fusão anunciada, Kotick poderá escapar completamente da responsabilidade e, em vez disso, continuará a atuar como executivo após o fechamento da fusão”, escrevem os demandantes na queixa. “Pior, apesar de sua potencial responsabilidade por violações do dever fiduciário, o conselho [da empresa] permitiu que o próprio Kotick negociasse a transação com a Microsoft. A decisão do Conselho de confiar a Kotick o processo de negociação é imperdoável pelo motivo adicional de que Kotick recebe pessoalmente benefícios materiais substanciais cujo valor não está diretamente alinhado com o preço da fusão”.

Quando procurada para comentar, um representante da Activision Blizzard enviou ao Kotaku a seguinte declaração: “discordamos das alegações feitas nesta queixa e esperamos apresentar nossos argumentos ao Tribunal”.