O presidente da CD Projekt RED acredita que Cyberpunk 2077 será considerado um “jogo muito bom” no futuro, assim que seus problemas forem finalmente resolvidos.

Em uma entrevista para o jornal econômico polonês Rzeczpospolita (via VGC), Adam Kiciński argumentou que o reconhecimento da marca gerado pelo jogo significa que ele acabará sendo visto como um sucesso, apesar de seu lançamento difícil em dezembro passado.

Cyberpunk 2077 é o maior, mais ambicioso e definitivamente o projeto mais complicado em nossos 27 anos de história”, disse Kiciński. “Em quase todos os aspectos, tentamos dar um passo adiante, assim como fizemos com todos os jogos Witcher que lançamos”. “Lançar um jogo em uma nova franquia traz muitos desafios e riscos, principalmente quando o conceito é tão complexo. Damos vida a uma enorme e vibrante cidade futurística chamada Night City, onde as histórias não lineares dos personagens acontecem”, diz.

“Estamos orgulhosos de muitos aspectos do jogo, mas como sabemos, nem tudo saiu do nosso jeito. No entanto, o reconhecimento da marca Cyberpunk que conseguimos construir é enorme, e o universo do jogo, seus personagens e detalhes têm fãs em todo o mundo. Acreditamos que, a longo prazo, Cyberpunk 2077 será visto como um jogo muito bom e, como nossos outros títulos, vai vender por anos – especialmente à medida que o hardware fica mais poderoso com o tempo e nós melhoramos o jogo”, comenta.

“Estamos trabalhando em atualizações o tempo todo e também em uma versão para a última geração de consoles. Claro, o lançamento original nos ensinou muito. Isso nos deu um impulso e nos motivou a fazer mudanças que nos tornarão melhores no futuro”. Kiciński também reiterou que o jogo não receberá mais atualizações em 2021 e que a versão de próxima geração será lançada no primeiro trimestre de 2022 junto com um grande patch da Versão 1.5.

“A decisão de adiar a versão de próxima geração do Cyberpunk foi difícil, mas estamos confiantes de que foi a certa, especialmente porque foi claramente recomendada por nossa equipe de desenvolvimento”, disse ele.

Adam Kiciński também foi questionado nessa mesma entrevista (via VGC) se a empresa estava considerando encontrar um investidor ou anunciar opções estratégicas.

“Há anos que dizemos que pretendemos permanecer independentes e não pretendemos tornar-nos parte de uma entidade maior”, afirmou Kiciński. “Também não estamos procurando um investidor estratégico”.

Kiciński foi então questionado se seria possível para outra empresa realizar uma aquisição hostil da CD Projekt RED comprando ações, mas ele explicou que os estatutos da empresa protegiam contra isso. “Existem disposições que dificultam significativamente as aquisições hostis”, confirmou.