AnálisesPS4

Street Fighter V: Arcade Edition

Análise

NOME: Street Fighter V: Arcade Edition
FABRICANTE: Capcom / Dimps
PLATAFORMA: ps4
GENERO: Luta
DISTRIBUIDORA: Capcom

LANÇAMENTOS
19/01/2018 19/01/2018 18/01/2018


INFORMAÇÕES ADICIONAIS E SUPORTE
Resolução Máxima: 1080p

Nº de Jogadores: 1-2

Troféus (inclusive Platina)

DLC

Leaderboards

Espaço necessário: 37,8 GB

Disponível na PlayStation Store

Legendas em PT-BR: Sim

Dublagem em PT-BR: Não


Nota: esta análise será focada nas novidades que Street Fighter V recebeu desde o seu lançamento, principalmente com a Arcade Edition. Para saber mais sobre o jogo em si (como seu gameplay), leia a nossa análise original clicando aqui.

Street Fighter V foi, facilmente, o jogo mais complicado que eu tive que analisar quando foi lançado no início de 2016. Apesar de ter gostado bastante (afinal, dei 90% e foi o jogo que mais joguei nesta geração, segundo a própria PSN), muitas das coisas na época eram apenas promessas, como novos personagens e modos (como a história cinematográfica).

Agora, dois anos depois, Street Fighter V recebe uma grande revisão batizada de Arcade Edition e posso afirmar, sem medo e sem precisar me basear em previsões, que a hora é essa para você jogá-lo.

No ano de 2016, Street Fighter V basicamente recebeu os 6 personagens prometidos, assim como o modo história cinematográfico e as Provas (as Trials). Os personagens foram adições sólidas, como Guile e Urien, agradando a todo tipo de fã. Já o modo história… bem, eu realmente não sabia o que esperar dele. Mas a história é bem sem sal. Na ocasião, diria que valia a pena jogar para ganhar os Fight Money, mas isso não é mais válido atualmente, então jogue apenas se tiver curiosidade.

2017 foi o pior ano disparado para Street Fighter V. O jogo estava com uma má fama (apesar de ter entregue o que tinha sido prometido para a primeira temporada, o game ainda passava uma sensação de estar faltando coisas – como o próprio Arcade) e oferecer cinco personagens completamente inéditos não foi uma boa estratégia. Claro, todos foram adições sólidas: Abigail, Menat e Zeku possuem gameplays incrivelmente únicos, enquanto que Ed e Kolin também foram bacanas (mas não tanto quanto os outros três). Isso sem contar o desejado Akuma. Mas não era isso que os fãs queriam naquela hora (exceto Akuma). Eles queriam mais personagens clássicos, mais modos de jogo e uma melhora na CFN (o online). Nada disso veio, exceto a CFN, que sofreu uma renovação e acabou melhorando (particularmente, continuou igual para mim nas lutas online, mas vejo que os feeds com informações finalmente funcionaram como deveriam).

Tanto em 2016 quanto em 2017 tivemos cenários sendo adicionados ao game, sejam completamente inéditos ou clássicos refeitos. Apesar da maioria ser excelente, há cenários pagos com Fight Money que são apenas variações dos existentes (um é de dia e o outro é à noite, por exemplo) e que são completamente dispensáveis.

E, finalmente, chegamos em 2018 com a Arcade Edition. Como o próprio nome destaca, a principal novidade é o modo Arcade e ele chegou melhor do que esperávamos. Basicamente, você escolhe um "Street Fighter" e os oponentes que enfrentará, assim como usará, serão daquele jogo. Ao terminar, você destrava uma ilustração que aparecerá em uma galeria. São centenas de imagens, o que incentiva o jogador a fazer o modo várias vezes e seguindo o que se pede para destravar.

Outra novidade de modo de jogo é o Team Versus offline (Batalha em Equipe), que possibilita várias opções de batalhas em equipe. É uma adição que ninguém esperava, mas também é bem-vinda para quem possui muitos amigos.

Outra novidade de modo de jogo, e que fará os jogadores retornarem semanalmente a SFV, é o Batalha Extra. Nesse modo, há inimigos que são alterados semanalmente. Um deles oferece uma de quatro partes de uma roupa especial que é crossover com outro jogo da Capcom. O primeiro, por exemplo, foi uma roupa de Viewtiful Joe para Rashid. Você gasta 2.500 Fight Money para tentar obter a peça, ou seja, acaba gastando 10.000 FM para obter a roupa por inteira ao longo do mês.

O outro oponente pode ser algo desafiador ou um soldado da Shadaloo. O "desafiador" pode ser um Shin Akuma, por exemplo, que oferece um título ao ser vencido. Já o soldado é mais fácil e pode gerar mais Fight Money ou XP para o personagem usado. Você também gasta Fight Money para participar de cada tentativa, então é uma aposta que pode gerar muito Fight Money ou fazer você pobre.

Achei o modo Batalha Extra completamente desnecessário no começo, mas admito que toda sexta-feira estou com o ritual de ligar o jogo e conferir qual é o desafio da vez. É uma maneira sólida de fazer o jogador retornar ao game em busca de novidades. Só vamos torcer para que os desafios continuem variados e que não comecem a se repetir tão cedo.

Falando em Fight Money… isso foi um problema com a chegada da Arcade Edition. Nos dois primeiros anos de SFV, o jogador ganhava FM por completar os diferentes modos, além dos níveis evoluídos dos personagens (a cada nível, 1.000 FM). Ou seja, se você completava o modo história individual, recebia tanto o FM por tê-la completado, quanto o dado pela evolução do personagem. O mesmo ocorria com as Provas e o modo história cinematográfico. Hoje, infelizmente, isso não ocorre mais. Não sabemos o motivo da Capcom ter tirado essa opção, mas é algo triste. Ainda há bastante opção para obter Fight Money (evoluir de nível do personagem ainda gera FM), principalmente com as Batalhas Extras semanais e as missões também semanais (que foram adicionadas em algum momento desses dois últimos anos e ainda continuam ativas, mas também geram menos FM).

Em relação ao gameplay, Street Fighter V sofreu muitos balanceamentos em seus dois anos de vida. No entanto, somente com a Arcade Edition é que tivemos uma alteração significativa com a adição de um segundo V-Trigger para todos os lutadores. Alguns se mostraram completamente inúteis, como o de Juri e Ken. Mas outros, como o de M.Bison, se destacam. Ou seja, ainda há um balanceamento que precisa ser feito nesse sentido para o futuro.

E é basicamente isso. Street Fighter V pode não ter sido um jogo completo no lançamento e havia uma promessa de que isso aconteceria com o tempo. Confiei na palavra da Capcom e, após dois anos, o jogo está mais do que completo: além do conteúdo, aspectos técnicos como o loading e online estão melhores. Entendo que o jogador que aproveitou o título no início talvez já esteja enjoado do game e pouco aproveitará as novidades da Arcade Edition. Mas se você ainda não jogou, não há melhor hora para isso do que agora. E os personagens que estão por vir só tendem a melhorar ainda mais o pacote.

Veredito

Quando foi lançado, Street Fighter V apresentava um gameplay interessante e prometia receber muito conteúdo. O primeiro ano se mostrou sólido nesse sentido, enquanto que o segundo é discutível. Porém, a terceira temporada já começou com o pé direito com o lançamento da Arcade Edition. O que já era bom ficou ainda melhor com os novos modos e opções no gameplay. Para os que tinham receio de conferir o game, já está mais do que na hora de fazê-lo. A única crítica, por ora, são as mudanças na obtenção de Fight Money.

Jogo analisado com código fornecido pela Capcom.


 

90%