AnálisesPS Vita

Rabi-Ribi

Análise

NOME: Rabi-Ribi
FABRICANTE: CreSpirit
PLATAFORMA: psvita
GENERO: Aventura / Ação
DISTRIBUIDORA: Sekai Project


LANÇAMENTOS
01/09/2017 01/09/2017 Não disponivel


INFORMAÇÕES ADICIONAIS E SUPORTE
Resolução Máxima: qHD

Nº de Jogadores: 1

Troféus (inclusive Platina)

DLC

Espaço necessário: 643 MB

Disponível na PlayStation Store

Legendas em PT-BR: Não

Dublagem em PT-BR: Não


Rabi-Ribi é um indie de aventura no estilo “metroidvania” lançado originalmente para PC e que ganhou versões de PlayStation 4 e PlayStation Vita ao final de 2017. Desenvolvido pela equipe de Taiwan, CreSpirit, e sendo o primeiro jogo publicado pela Sekai Project em consoles, publisher esta que tem vários outros jogos anunciados para as plataformas PlayStation, Rabi-Ribi marca a estreia para a empresa neste mercado.

O jogo te coloca no controle de Erina, uma coelhinha que é misteriosamente transformada em humana e separada de sua dona. Sem saber o que está acontecendo e sem explicação para a tamanha transformação de coelha para humana, cabe a ela e à fada Ribbon, que conhece durante a sua jornada, encontrar sua dona e descobrir o motivo por trás do desaparecimento de uma amiga próxima das duas.

Rabi-Ribi é um tradicional jogo de aventura no estilo “metroidvania”, em que o jogador explora seções separadas de um grande mapa, a fim de achar novos poderes, enfrentar novos inimigos e derrotar chefes, os quais, neste jogo, costumam ser encontros com outras garotas e que, por conta de algum desentendimento, acabam sempre em porrada.

Controlando Erina, você tem à sua disposição algumas ferramentas para o combate, inclusive usar sua companheira Ribbon para desferir projéteis de magia. O grande diferencial deste jogo para outros do mesmo gênero é a adaptação de seções de tiro estilo “shmup” ou “bullet hell” contra os chefes. Muitas vezes, você precisa parar de atacar e simplesmente focar em desviar dos projéteis de magia que te atacam de todos os lados.

A estética do jogo, como os desenvolvedores são de Taiwan, é bem oriental. Traços estilo anime, com designs de personagens até bastante genéricos, nada que você já não vá encontrar em vários outros jogos. A performance do jogo, na versão de PlayStation Vita, também não é impecável, mas nada que atrapalhasse durante a jogada. Talvez o único ponto negativo desta versão seria o texto aparecer muito pequeno na tela do portátil.

Assim como a arte, a trilha sonora também é bem genérica. As músicas são facilmente esquecíveis depois de jogar e focam no estilo “fofo” do jogo, como todas as personagens e cenários. O jogo não possui qualquer dublagem, porém conta com várias opções de idiomas, incluindo o espanhol.

Talvez no começo, com acesso limitado aos poderes e mesmo aos mapas, o jogo não chame tanto a atenção do jogador, mas com o passar do tempo, comece a ficar mais interessante explorar locais passados com novos poderes. O jogo conta também com modos em que você enfrenta um chefe atrás do outro e até mesmo um modo “new game +” para o jogador experimentar dificuldades mais desafiadoras com os equipamentos já obtidos.

Veredito

Genérico na apresentação e premissa, mas inspirado na jogabilidade e exploração, Rabi-Ribi marca uma interessante adição ao gênero “metroidvania” nos consoles PlayStation.

Jogo analisado com código fornecido pela Sekai Project.
 

75%