AnálisesPS3

[PSN] Sonic the Hedgehog 4: Episode II

Análise

NOME: [PSN] Sonic the Hedgehog 4: Episode II
FABRICANTE: Sonic Team / Dimps
PLATAFORMA: ps3
GENERO: Ação / Plataforma
DISTRIBUIDORA: SEGA


LANÇAMENTOS
16/05/2012 16/05/2012 16/05/2012


INFORMAÇÕES ADICIONAIS E SUPORTE
Disponível na PlayStation Store

Nº de Jogadores: 1-2 (online e offline)

Definição: 720p

Troféus

Tamanho: 422 MB


Sonic the Hedgehog 4: Episode II é um bom título. Você provavelmente já desceu a análise para ver a nota final e deve ter pensado “só isso?”. Não é “só isso”,

mas “tudo isso”. Entraremos em maiores detalhes sobre os aspectos do game, mas saiba que ele é curto e fácil. Isso é imperdoável em qualquer jogo de

plataforma.

A primeira coisa que se nota neste segundo capítulo é a melhora da engine em relação ao primeiro. Ela está bem melhor e a presença de Tails faz com que existam

diversas novas mecânicas bastante interessantes. No entanto, o Spin Dash (para baixo e o botão de pulo) ainda não existe. Se você pular e fizer o Homing Attack “no

seco”, ainda é mais útil que uma técnica que teoricamente deveria servir para adquirir velocidade.

Como dito, a presença de Tails neste jogo não é a de mera “parte do cenário”. Se você apertar quadrado, Tails poderá realizar três atividades diferentes, dependendo de

onde você está. Se estiver no ar, Tails pode carregá-lo por alguns instantes. Se estiver no chão, um golpe devastador com os dois personagens é realizado (você sai

rolando pela fase de forma invencível). E, se estiver na água, Tails pode nadar e carregar Sonic.

Esse sistema de parceria, exceto pelo golpe de rolar, já existia em Sonic the Hedgehog 3. Porém, aqui, é algo que está incorporado nas fases. Você precisará

fazer essas ações para poder avançar nelas. Não é algo opcional. E, apertando quadrado a qualquer momento, Tails surgirá para realizar o que você deseja. Isso

permite, por exemplo, que Sonic jamais caia em um abismo – basta você perceber que vai morrer e apertar quadrado que Tails salvará o seu traseiro.

Essa nova mecânica merece elogios e é algo bastante funcional. Com ela, você sente um ar de novidade em um Sonic. Somado aos cenários de fundo belíssimos (há

momentos que você deseja parar apenas para observá-los), temos os dois melhores pontos do jogo.

Porém, o som continua um tanto quanto estranho. Ele busca inspiração nos jogos clássicos, mas ainda assim não consegue reproduzi-los com a mesma essência. Mas

o fato mais complicado é a dificuldade. Sonic 4.2 é curto, possui apenas 4 zonas (3 atos em cada uma delas e o chefe) e mais outra zona com o chefe final, além

das 7 fases especiais. Se você possuir um save do primeiro Sonic 4, poderá jogar quatro fases novas com Metal Sonic (imagine como um ato novo para cada zona das

fases do primeiro jogo). Mas além de ser curto, as fases são extremamente fáceis.

O desafio de qualquer Sonic sempre foi seguir a parte superior do cenário. Se você se manter lá em cima, sua recompensa seria maior – seja em tempo ou em anéis.

Aqui, quase não há esse desafio e, quando há, você seguiu a parte inferior porque assim desejou.

As fases são bacanas, possuem inspiração nos jogos anteriores. Mas são fáceis. Se você não busca algo desafiador, não entenderá nossa crítica.

Os Special Stages, por outro lado, são desafiadores. Por sorte, não fique assustado – Tails não é tão burro quanto ele era em Sonic 2. Mas existem soluções para

as fases também que as tornam bastante fáceis – ou seja, é só “pegar o jeito da coisa”. Provavelmente, o troféu mais difícil do jogo não é vencer todos os chefes como

Super Sonic (pense em guardar os seus 50 aneis até que ele esteja morrendo), o que é bastante fácil, mas sim coletar todos os aneis da primeira fase especial. Quando

uma coisa assim é a parte mais difícil do jogo, há algo errado.

Sonic the Hedgehog 4: Episode II possui um modo cooperativo que pode ser jogado online ou offline. Quem controlar Sonic, é a mesma situação da campanha

principal. Já Tails poderá voar, ao invés de realizar um Homing Attack. Se um dos jogadores avançar demais na fase, o outro será levado de forma “flutuante” ao que

está na frente para que não fique para trás. É um modo divertido e que adiciona ao fator replay do jogo.

Fora isso, Sonic 4.2 não apresenta muitas outras opções. Não se engane – as novidades com as mecânicas de gameplay com Tails são ótimas, as fases são lindas, a

jogabilidade está melhor mas longe do ideal e apesar de fáceis e curtas, as fases merecem ser jogadas. Elas possuem bastante variedade (você nunca estará apenas

correndo nelas, sempre estará fazendo algo diferente em cada trecho), mas não possuem muitos caminhos opcionais como nos jogos clássicos.

Se você é fã de

Sonic, provavelmente pegará o jogo sem depender de análise alguma. Se você está indeciso, compre somente se você não espera por um desafio – Sonic CD está na

loja para quem não quer errar.



— Resumo —


+
Mecânica com Tails


+
Cenários lindos


+
Modo cooperativo


+
Fases com bastante variedade





Curto





Fácil





Gameplay bom, mas longe do ideal





Fases com poucos caminhos opcionais

70%