AnálisesPS3

[PSN] Sonic Adventure

Análise

NOME: [PSN] Sonic Adventure
FABRICANTE: Sonic Team
PLATAFORMA: ps3
GENERO: Ação / Aventura
DISTRIBUIDORA: SEGA


LANÇAMENTOS
22/09/2010 22/09/2010 25/09/2010


INFORMAÇÕES ADICIONAIS E SUPORTE
Nº de Jogadores: 1

Definição HD: 720p

Troféus


Sonic Adventure é o primeiro título de uma linha de jogos do finado Dreamcast que a SEGA prometeu para a PlayStation Network. Nada melhor como começar com o primeiro título lançado para o sistema.

Porém, existem dois problemas graves na recomendação desse game. O primeiro é que este é um dos títulos que não envelhecem bem. Ao contrário do infinitamente superior Sonic Adventure 2, o primeiro da série jogado novamente após 11 anos pode não ser uma experiência agradável. Em 1999, Sonic Adventure foi interessante e bem aceito, mas hoje em dia a situação é bastante diferente. Já o segundo motivo é que este não é o título original de Dreamcast.

Sonic Adventure possui seis personagens jogáveis: Sonic, Tails, Knuckles, Amy, E-102 “Gamma” e Big, cada qual com seu estilo diferente de gameplay. Sonic possui 10 fases focadas na ação; Tails possui 5 e consiste sempre em vencer Sonic ou outro personagem em uma corrida até o fim da fase; Knuckles é exploração em 5 fases: ache os 3 pedaços da Master Emerald; Amy é no estilo ação também como Sonic, mas com um gameplay infinitamente mais lerdo e com o robô Zero a perseguindo em 3 fases; E-102 é um gameplay de ação e tiro em 5 fases e, por fim, Big é um jogo de pesca, sendo necessário pescar o sapo Froggy em 4 fases.

Entre as fases, existe um Adventure Field que é um mundo aberto que pode ser explorado, além de diversas cutscenes. Em 1999, tais cutscenes eram interessantes – hoje são tristes. Não se engane – existem jogos antigos que possuem cutscenes que são excelentes até hoje, mas o caso de Sonic Adventure é o que foi dito no início: estamos falando de um game que não envelheceu muito bem.

O gameplay é complicado mencionar, pois em 1999 era algo agradável. As fases de Sonic e Tails continuam sendo bacanas (cerca de 50% do jogo), mas o resto dos personagens é sofrível.

Mas a maior enganação ao consumidor é que não estamos comprando um jogo de Dreamcast, mas sim um de GameCube e PC. Em 2003, Sonic Adventure DX foi lançado para esses sistemas mencionados e trazia gráficos bem melhores que o jogo original, assim como a opção de jogar com Metal Sonic (após coletar os 130 emblemas) e 60 missões específicas, além da ótima adição de jogos completos de Game Gear do ouriço.

Portanto, mesmo que você esteja comprando na PSN o “Sonic Adventure de Dreamcast”, você está recebendo a versão DX e não o título original. Basicamente, não há diferenças, mas a SEGA lançou um DLC de 5 dólares que supostamente “transforma” o jogo na versão DX, adicionando Metal Sonic e as 60 missões (infelizmente, os jogos de Game Gear devem ter ficado de fora, pois não comprei o DLC mas não há menção na descrição do produto). Aí que se encontra a enganação: teoricamente, sua versão já é a DX, tanto que nos créditos é mencionada a staff dessa edição.

O maior problema aqui não é o fato de ser a versão DX. A versão de PC é mais fácil de ser portada para o PS3 – provavelmente – e tal edição é superior ao original, o que deixa o consumidor em vantagem. Porém, vejo como uma enganação vender o título como sendo o mesmo de Dreamcast, coisa que não é. Pessoalmente, isso me preocupa com os futuros lançamentos dessa linha de jogos de Dreamcast, pois se sempre buscarão uma versão melhor que talvez nem seja do console de 128 bits, jogos como Shenmue levarão anos para serem lançados. Em contrapartida, Sonic Adventure 2 deve sair muito em breve, considerando que existe uma versão melhorada: a “Battle”, lançada no GameCube.

Outra crítica é que o jogo só roda em 4:3, ou seja, não existe uma opção widescreen. Em televisores de alta definição, duas barras laterais azuis aparecem na tela como as imagens desta análise mostram. É algo estranho à primeira vista, mas conforme vai se jogando, se esquece desse detalhe, portanto não pode ser visto como uma crítica muito negativa.

Sonic Adventure, apesar das críticas nesta análise, merece ser conferido. O preço de 10 dólares é aceitável (apesar do DLC que “transforma” em DX não ser: 5 dólares) e os que se divertiram com o título no passado, vão relembrar tudo novamente enquanto coletam os troféus necessários (deveria existir uma platina, mas infelizmente não há). As pessoas que não conheceram o jogo em 1999 podem ter uma impressão negativa. Para esses casos, aguarde por Sonic Adventure 2 e principalmente pelos outros títulos de Dreamcast que estão por vir. O console possui uma bela coleção de jogos que devem aparecer em breve na PSN.

70%