AnálisesPS3

[PSN] Proteus

Análise

NOME: [PSN] Proteus
FABRICANTE: Twisted Tree e Curve Studios
PLATAFORMA: ps3
GENERO: Exploração, Open world
DISTRIBUIDORA: Curve Digital


LANÇAMENTOS
30/10/2013 30/10/2013 Não disponivel


INFORMAÇÕES ADICIONAIS E SUPORTE
Número de jogadores: 1

Resolução: 720p

Troféus (sem platina)

Também disponível para o Vita

Cross-buy

Preço no lançamento: U$ 13,99 (ou R$ 25,99)

Tamanho: 94 MB


Proteus não é o que você pensa. Se você não sabe nada sobre o jogo, você está o mais próximo possível de entendê-lo. Chamar Proteus de jogo por si só já é um certo equívoco, pois dificilmente ele se encaixaria no que uma pessoa comum esperaria de um videogame. Proteus é diferente. Proteus é misterioso. Proteus é lindo.
 
Proteus é uma experiência audio-visual única e é difícil de ser explicado. Nele, você explora em primeira pessoa ilhas geradas aleatoriamente, sem nenhuma instrução ou direção. Você começa sobre a água, de frente para a primeira ilha, e pode fazer o que quiser. Não há objetivos, nem metas, nem itens para coletar ou objetos com os quais interagir. Proteus é uma jornada, e você deve estar preparado para encará-la.
 
 
 
A cada vez que você experimenta Proteus irá encontrar uma ilha diferente. Nenhuma é igual à outra, e cada uma possui suas peculiaridades. Você irá encontrar vegetação e animais semelhantes nelas, mas uma rodada nunca será igual à outra. As ilhas passam por um ciclo de dia e noite, e é durante as noites que a única forma de “progressão” de Proteus se manifesta.
 
Você inicia Proteus durante a primavera, e a cada vez que anoitece na ilha onde você está surge um conjunto de luzes em um local especial. Ao se aproximar destas luzes, o mundo ao seu redor começa a girar, e você pode adentrar um círculo de luz que o levará para a próxima estação do ano. Cada estação possui o seu diferencial, com o outono cheio de árvores vermelhas e alaranjadas e o inverno com neve no chão e caindo do céu. Ao completar o ciclo das estações, algo muito fantástico acontece, algo que não merece ser descrito aqui e que deve ser experimentado por cada um.
 
 
 
A experiência visual de Proteus se dá com seus gráficos 3D estilizados como pixel-art e em suas cores em tons pastéis, mas ela é secundária em comparação com a experiência sonora. Todas as “músicas” de Proteus são geradas dinamicamente e dependem de onde você está na ilha, o que está ao seu redor e o que você está fazendo. Isso faz com que cada segundo que você passa em Proteus soe diferente. Você cria a trilha sonora de sua jornada, e isso é muito legal.
 
Proteus é realmente difícil de descrever. Este trailer live-action pode ser uma boa forma de mostrar, em um nível abstrato, o que é Proteus. Ele é uma experiência que certamente não é para todos. Se você é do tipo de pessoa que precisa de ação e adrenalina para se divertir, Proteus não vai lhe agradar. Porém, se você gosta de experiências diferentes, inovadoras e criativas, e se está disposto a encará-las de mente aberta, certamente pode ver o valor do que Proteus tem a oferecer.
 
 
 
O maior problema de Proteus, para mim, é que ele é caro. Mesmo havendo Cross-Buy com a versão de Vita, ele foi lançado por U$ 13,99 (com alguns descontos na semana do lançamento e para quem é Plus; R$ 25,99 na PSN brasileira) e esse é um preço alto para a maioria dos jogadores. Não é que Proteus não mereça custar isso, pois com certeza ele vale o investimento, mas eu penso que muito mais gente estaria disposta a experimentá-lo se ele custasse menos de 10 dólares.
 
Custos altos à parte, para mim Proteus foi maravilhoso porque, enquanto eu jogava, eu me sentia bem. Eu me sentia feliz. O simples ato de explorar uma nova ilha, conhecer os seus espaços e tentar encontrar os seus segredos, sem me preocupar em cumprir este ou aquele objetivo ou realizar algum tipo de “missão”, me fazia esquecer os problemas do dia-a-dia e apenas aproveitar o que estava ali diante de mim.
 
 
 
Proteus é algo único. Ele transcende o que comumente se espera de um videogame e traz à tona o debate do que é ou não um jogo, e o que é ou não arte. Eu não pretendo entrar no mérito dessa discussão porque, sinceramente, ela não leva a lugar nenhum. O que importa é se você gosta ou não de algo, se aquele algo faz você sentir alguma emoção e se ele deixa alguma marca em você. Eu adorei Proteus, e eu ficaria muito contente se você também gostasse.
 
 
Proteus foi analisado com código fornecido pela produtora.
90%