AnálisesDLCPS4

The Frozen Wilds (Horizon Zero Dawn)

Análise

NOME: Não disponivel
FABRICANTE: Não disponivel
PLATAFORMA: ps4
GENERO: Não disponivel
DISTRIBUIDORA: Não disponivel


LANÇAMENTOS
Não disponivel Não disponivel Não disponivel


INFORMAÇÕES ADICIONAIS E SUPORTE
Não disponivel


Horizon Zero Dawn foi, indiscutivelmente, um dos melhores jogos de 2017. Após vários meses, a Guerrilla Games nos entrega uma expansão digna do nome que carrega, e não apenas um mero DLC. The Frozen Wilds adiciona tudo o que você estava esperando: uma nova área, equipamentos, máquinas, missões, colecionáveis e mais.

Apesar do conteúdo extra estar acessível a partir de um determinado momento da história, sua dificuldade, principalmente nas missões finais, é um pouco elevada. Além disso, muitos diálogos são aproveitados melhor se você já conferiu o fim da aventura de Aloy. Por isso, recomendamos que você jogue o DLC após, no mínimo, encerrar a história (o ideal seria ter atingido nível 50 também, mas não é obrigatório).

The Frozen Wilds introduz os jogadores a uma nova área conhecida como O Corte. Nela reside a tribo Banuk, que tem como lema caçar e sobreviver. Sem entregar muito o enredo, Aloy acaba ajudando a tribo, principalmente uma xamã, a solucionar um problema de corrupção das máquinas por algo chamado de Daemon.

O início da expansão é lento e não atiça o jogador. Porém, quando engrena, a história fica interessante e inclusive deixa uma ponta para um possível Horizon Zero Dawn 2. Portanto, se você gostou da história do jogo base, gostará facilmente da expansão também, apesar do início lento.

The Frozen Wilds oferece novidades em praticamente tudo no jogo base. Vamos lá, por partes: você ganha missões secundárias que funcionam, na verdade, como as principais na expansão (são secundárias para o jogo base, mas são nelas que a história do DLC avança) e somente elas levam cerca de quatro horas para serem finalizadas. Há também novas atividades e tarefas (pescoção, campo de caça, acampamento de bandidos e um número considerável de tarefas).

Como se não bastasse, a expansão introduz cinco máquinas novas. Dentre elas, temos o Incinerante, por exemplo, e a Torre de Controle, que não funciona exatamente como uma máquina inimiga. Essas torres ficam espalhadas pelo mapa e possuem máquinas ao seu redor. O objetivo é destruí-las ou convertê-las – e as máquinas ao seu redor são mais fortes que o normal. Em outras palavras, essas torres se tornam mais como uma espécie de colecionável.

As máquinas novas são mais difíceis do que as presentes no jogo base, principalmente devido a essa corrupção Daemon. Para você ter noção da dificuldade, em certo momento o jogador deve enfrentar várias delas em sequência e, logo em seguida, um Tirânico surge. Você ficará aliviado pelo Tirânico ter aparecido, ao invés de mais dessas máquinas novas.

Aloy também tem acesso a novas armas (e consequentemente novos tutoriais), que são adições válidas, e até mesmo novas roupas. No entanto, principalmente com relação às roupas, você só pode adquirir através de um novo sistema monetário chamado Brilho Azul. Você ganha isso como recompensa de missões, mas também está espalhado pelo mapa para ser coletado.

Falando em colecionáveis, há adições relevantes nesse sentido, como as estátuas de animais e os pigmentos. Para quem gosta de explorar o mundo do jogo, vai se sentir em casa com isso. Obviamente, é possível adquirir um mapa para facilitar as coisas.

Com tanto conteúdo disponível para o jogador, a expansão oferece tranquilamente 10 horas de jogo, no mínimo, para conseguir 100%.

A expansão The Frozen Wilds continua com gráficos impressionantes. Mesmo sendo em boa parte paisagens congeladas, a sua variação é notável. As animações de Aloy também parecem estar melhores, principalmente nos diálogos com os outros personagens. A trilha sonora, por outro lado, é um pouco sumida, comparada com o jogo base. Pode ser devido à tempestade, que vira e mexe acontece, ou por ter poucas cutscenes.

The Frozen Wilds, portanto, é uma expansão praticamente perfeita. O único ponto negativo, de fato, é o seu início carregado, porém todo o restante merece elogios. Até mesmo as missões que parecem ser simples à primeira vista, acabam se tornando interessantes, como uma que se passa em uma represa (descubra você mesmo o que quero dizer).

Veredito

The Frozen Wilds é uma ótima expansão para um dos melhores jogos de 2017. O conteúdo adicionado é bastante significativo e as missões "principais" contam uma história interessante, também. A adição de novas máquinas, habilidades, equipamentos, armas e colecionáveis deixam tudo ainda melhor.

DLC analisado com código fornecido pela Sony.


 

95%