AnálisesDLCPS3

Crown of the Sunken King (Dark Souls II)

Análise

NOME: Não disponivel
FABRICANTE: Não disponivel
PLATAFORMA: ps3
GENERO: Não disponivel
DISTRIBUIDORA: Não disponivel


LANÇAMENTOS
Não disponivel Não disponivel Não disponivel


INFORMAÇÕES ADICIONAIS E SUPORTE
Não disponivel


Com o sucesso de vendas, crítica e público de Dark Souls II, já era esperada uma expansão para o jogo. Pois bem, eis que a FromSoftware nos surpreende e anuncia não uma, mas três expansões. Programado para ser lançado ao longo dos meses de julho, agosto e setembro de 2014, o pacote intitulado The Lost Crowns Trilogy promete ampliar ainda mais o já imenso universo de Dark Souls II.

A primeira das três expansões, Crown of The Sunken King, pode ser acessada através de um obelisco localizado na primal bonfire em Black Gulch, logo após a batalha contra The Rotten. Estando em posse do item Dragon Talon, que será automaticamente adicionado ao seu inventário assim que você entrar no jogo após comprar a DLC, a passagem pelo portão de entrada lhe será garantida.

Ao adentrar pelos portões que guardam a nova área, você chega a Shulva Sanctum City. A primeira coisa a ser notada aqui é a enorme semelhança das estruturas dessa cidade com as pirâmides Astecas. Entretanto, antes mesmo de ter acesso à primeira bonfire da área, você é surpreendido por um enorme dragão branco. Prepare-se, pois esse dragão irá aparecer no seu caminho algumas vezes ao longo de sua nova jornada.

Muito provavelmente pelo fato de várias pessoas terem levantado a questão da ausência do mesmo nível de desafio encontrado em Dark Souls II se comparado aos jogos anteriores da saga Souls, os produtores resolveram compensar tal “defasagem“ através da expansão, aumentando consideravelmente a dificuldade encontrada em Crown of The Sunken King.

Mesmo os primeiros inimigos a serem enfrentados, meros hollows, rendem um bom nível de desafio, nem tanto pelas batalhas individuais, mas muito mais pelos perigos encontrados no ambiente e pela quantidade de inimigos em tela, especialmente aqueles armados de crossbows envenenadas.

Umas das adições mais interessantes é a inserção de puzzles aos cenários. Ao ativar determinados mecanismos, plataformas e elevadores ascendem ou descendem, dependendo da situação. Até mesmo portas secretas são ativadas com o uso de puzzles, por isso, prestar atenção em cada detalhe do cenário pode ser extremamente benéfico. Porém, como estamos falando de Dark Souls II, utilizar o procedimento errado pode lhe trazer sérios problemas, pois as armadilhas estão presentes em grande quantidade.

Outra grande mudança a ser notada se comparado ao jogo principal é o level design. Ele se assemelha muito mais com o primeiro Dark Souls, onde, explorando os ambientes da forma correta, você acaba interligando uma bonfire à outra com caminhos alternativos, tornando a exploração muito mais prazerosa e menos linear. Porém, tome muito cuidado, pois justamente pelo fato do level design ser mais complexo, você pode facilmente ficar perdido ou até mesmo andando em voltas. Mas como isso faz parte do desafio, está longe de ser algo que incomoda.

Entre os novos itens adicionados, alguns deles podem se mostrar muito úteis. O Bálsamo do Crescimento Tardio aumenta sua força, enquanto o Bálsamo da Fruta Dourada aumenta a fé, e o Bálsamo de Tasneira, a inteligência, todos por um tempo determinado. Considerando o aumento do nível de dificuldade em Crown of The Sunken King, esses três itens podem ser muito convenientes, independente da classe do seu personagem, principalmente nas lutas contra algum boss.

Falando em bosses, as batalhas aqui são memoráveis. Aliás, não seria exagero nenhum dizer que a luta contra o último boss é uma das mais épicas de toda a série Souls, lembrando muito as batalhas contra os bosses finais do primeiro Dark Souls. Ao contrário do que aconteceu em Dark Souls II, a estratégia aqui é mais importante do que qualquer outra coisa. Muito mais do que força física ou poderosas magias, você vai ter que morrer inúmeras vezes, memorizar os ataques e talvez, quem sabe, descobrir sua fraqueza (se é que existe algo de fraco nele).

Em Crown of The Sunken King acontece algo semelhante à forma que você acessa as memórias dos gigantes na parte principal do jogo. Aqui você pode acessar as memórias de King Vendrick, antes dele se tornar um hollow. O diálogo que se segue conta um pouco mais da história do reino de Drangleic, e deixa algumas pontas soltas, que provavelmente serão entrelaçadas nos capítulos seguintes da saga The Lost Crowns.

Muito bem vindo é o fato de que qualquer um pode acessar a DLC, mesmo sem comprá-la. Quem não possui a DLC pode examinar o tal obelisco na primal bonfire em Black Gulch e então ser transportado para uma área semelhante a uma arena com várias estátuas. Colocando o summon sign debaixo dessas estátuas, é possível ser summonado para Cave of The Dead, uma zona secreta dentro do território da expansão.

Talvez o único ponto negativo em Crown of The Sunken King seja o fato da FromSoftware não ter adicionado troféus no pacote – o que provavelmente também ocorrerá com o lançamento dos capítulos seguintes da saga The Lost Crowns. Mesmo que isso acabe não afetando o gameplay em si, muita gente acaba deixando de explorar o game mais a fundo por conta disso.
 

Veredito

Crown of The Sunken King não poderia ser mais épico. Level design excelente, nível de dificuldade aumentado e, principalmente, a batalha final fazem essa expansão ser tão ou mais memorável que o próprio jogo, o que aumenta mais ainda a expectativa pelos próximos capítulos da saga The Lost Crowns.

DLC analisado com código fornecido pela Bandai Namco.

98%