AnálisesPS4

Análise – YU-NO: A Girl Who Chants Love At The Bound Of This World

Análise

NOME: YU-NO: A Girl Who Chants Love At The Bound Of This World
FABRICANTE: 5pb
PLATAFORMA: ps4
GENERO: Visual Novel
DISTRIBUIDORA: Spike Chunsoft


LANÇAMENTOS
04/10/2019 04/10/2019 16/03/2017


INFORMAÇÕES ADICIONAIS E SUPORTE
Resolução Máxima: 1080p
Nº de Jogadores: 1
Troféus (inclusive Platina)
Espaço necessário: 4.7 GB
Legendas em PT-BR: Não
Dublagem em PT-BR: Não


YU-NO: A Girl Who Chants Love At The Bound Of This World é um dos maiores clássicos de todos os tempos dentro do universo das visual novels, e após ser cuidadosamente remasterizado para a geração atual pelas mãos da 5pb/Mages, está finalmente sendo lançado de forma oficial no Ocidente pela Spike Chunsoft.

Antes de tudo, vale contar um pouco da história do jogo. YU-NO: A Girl Who Chants Love At The Bound Of This World foi originalmente lançado em 1996 pela Elf para PC no Japão, ganhando uma versão para Sega Saturn um ano depois. Apesar de ter permanecido no Japão por mais de duas décadas, o jogo marcou um grande avanço no mercado de visual novels, trazendo jogabilidade e interação para um gênero até então estável.

Não apenas inovando com a jogabilidade e a interação, mas YU-NO também trouxe alguns aspectos específicos de história e principalmente de exploração de linhas do tempo, passado e presente que acabaria por inspirar inúmeros jogos que vieram depois, especialmente nomes como Steins;Gate e Island. Apesar disso, mantenha em mente que se trata de um jogo desenvolvido para um público muito diferente do público atual, com mais de vinte anos de diferença entre os lançamentos.

YU-NO: A Girl Who Chants Love At The Bound Of This World conta a história de Takuya, um jovem colegial que acaba de perder seu pai, um famoso historiador e pesquisador no Japão, desaparecido após uma excursão. Pouco tempo depois, Takuya recebe uma encomenda póstuma de seu pai com um dispositivo misterioso e informações sobre a existência de universos paralelos. Agora cabe a Takuya, com essa nova descoberta e dispositivo, se envolver num mistério muito maior do que imaginava, para desvendar a verdade sobre a pesquisa e o verdadeiro paradeiro de seu pai.

É assim que YU-NO: A Girl Who Chants Love At The Bound Of This World começa, de um colegial como outro qualquer sendo envolvido num mistério muito maior do que sua vida poderia comportar. Essa é a premissa do jogo e é lado mais positivo da história, que também divide parte da jornada com um aspecto de qualidade muito mais subjetivo.

Lançado há mais de duas décadas, YU-NO foi lançado como eroge no Japão. Mesmo com uma história inovadora e introdução de uma jogabilidade diferente, em seu cerne, YU-NO era um jogo de conteúdo adulto, inclusive explícito. É claro que numa remasterização para consoles, que passa por uma classificação etária no Japão e em qualquer outro país que seja lançado, a nova versão foi feita com a pretensão de um público muito mais amplo, logo também foi feito de forma muito menos explícita.

Mesmo com uma abordagem um pouco mais branda em relação ao conteúdo adulto, o jogo ainda consegue ser bem explícito. Takuya, nosso protagonista, é o estereótipo de adolescente tarado em que tudo se torna piada de duplo sentido para a conversa voltar para o assunto sexual. Não apenas isso, mas mesmo sendo adolescente, ele acaba se envolvendo romanticamente e sexualmente com todas as pretendentes do jogo, inclusive sua madrasta e sua professora, ambas bem mais velhas.

O jogo também não poupa as cenas sugestivas, seja de decote, saias bem curtas ou de calcinha. Dentro do possível que a classificação etária permite, YU-NO vai até o limite, me surpreendendo que o jogo tenha sido classificado como 18 anos (Rated Mature) e não como algo ainda maior, como o “Adults Only” nos Estados Unidos. Como entusiasta do gênero de visual novels, YU-NO foi o jogo que chegou mais longe (e com folga) nesse quesito nos consoles.

Por ser um produto de sua época, Takuya também não é um protagonista que muitos irão gostar atualmente. Ele é cínico, chato, irritante e muito, muito pervertido, porém todas as mulheres do jogo não conseguem resistir. Para aproveitar a história do jogo, muitos terão de tentar olhar para ele com outros olhos, sempre se lembrando que é um fruto de outra época, em que os personagens agiam diferente e o foco nesse gênero era outro.

Dito isso, a jogabilidade do jogo é parte visual novel, ou seja, diálogos e pensamentos internos do protagonista durante a história, como também a interação do jogador com objetos, personagens e locais diferentes. Cada escolha do jogador, de onde visitar, com quem falar e qual objeto obter, faz com que a história siga por um caminho diferente. O dispositivo que Takuya ganha do seu pai permite que você salve o jogo em pontos específicos e volte a eles quando quiser, interagindo com um “mapa” das linhas do tempo em que você transita.

A arte do jogo talvez tenha sido o ponto em que a 5pb mais caprichou nessa remasterização. É um ponto também controverso entre os fãs, porque a nova versão deixou de lado o pixel art da época e trocou por desenhos com traços completamente diferentes, porém particularmente, foi um dos poucos pontos em que eu senti que realmente tentaram trazer YU-NO para a geração atual.

O jogo também é inteiramente dublado em japonês e disponibiliza tanto a trilha sonora remasterizada como a trilha sonora original, permitindo que o jogador customize, nem que um pouco, a experiência do jogo. No Japão, a versão original foi oferecida como bônus para aqueles que pegaram o jogo no lançamento, é uma pena que a Spike Chunsoft não fez o mesmo para o lançamento ocidental, principalmente que nunca tivemos acesso à versão original antes.

YU-NO: A Girl Who Chants Love At The Bound Of This World acaba sendo uma proposta um pouco difícil de ser feita em 2019 no Ocidente. Você pode até gostar de visual novels, mas não suportar a personalidade do protagonista, de como todas as garotas e mulheres se derretem por ele sem motivo algum, ou mesmo das cenas que beiram uma classificação etária que barraria o lançamento do jogo no Ocidente.

Mesmo assim, acredito que ainda haja mérito no jogo, principalmente para os fãs mais assíduos do gênero. É muito interessante ver um dos clássicos (e por clássicos, realmente um jogo de décadas atrás) e como ele originou tantas outras histórias que vieram nos últimos anos, como ele lida com a construção de universos paralelos e um enredo envolvente. Você só precisa relevar muita coisa para aproveitar essa história.

Veredito

YU-NO: A Girl Who Chants Love At The Bound Of This World é um fruto de sua época, para o bem e para o mal.

Jogo analisado com código fornecido pela Spike Chunsoft.

75%