AnálisesPS4

Análise – Coffee Talk

Análise

NOME: Coffee Talk
FABRICANTE: Toge Productions
PLATAFORMA: ps4
GENERO: Visual Novel
DISTRIBUIDORA: Chorus Worldwide

LANÇAMENTOS
28/01/2020 28/01/2020 30/01/2020


INFORMAÇÕES ADICIONAIS E SUPORTE
Resolução Máxima: 1080p
Troféus (inclusive Platina)
Nº de Jogadores: 1
Espaço Necessário: 664 MB
Dublagem PT-BR: Não
Legendas PT-BR: Não


De início, aviso que Coffee Talk é um dos jogos mais gostosos e relaxantes que encontrei nessa geração. Desenvolvido pela Toge Productions, uma equipe localizada na Indonésia, e publicado pela Chorus Worldwide Games, o jogo é descrito no perfil oficial do Twitter como um “simulador de fazer café e ter conversas francas”.

A premissa do jogo é simples: o jogador controla o barista, um personagem que você mesmo nomeia, dono de uma cafeteria que só abre durante as noites (chuvosas) na cidade de Seattle, recebendo seus clientes, entre velhos conhecidos e novos rostos, servindo bebidas não-alcoólicas e ouvindo o que eles tem para compartilhar e desabafar sobre suas vidas.

O mundo de Coffee Talk também é um pouco diferente, sendo que ao invés de termos apenas seres humanos, o mundo do jogo trás também elfos, anões, vampiros, orcs, lobisomens, todo tipo de criatura fantasiosa, vivendo todos juntos e tendo o mesmo estilo de vida que temos no dia-a-dia, trabalhando, amando, sofrendo e seguindo em frente.

A diferença entre essas raças contada pelo jogo trás um comentário social, pois como no mundo real, Coffee Talk relata os problemas que aparecem entre algumas das raças, como elfos que vivem eternamente e menosprezam outras raças, ou como os seres aquáticos são barrados como imigrantes tentando se mudar por terra para os Estados Unidos.

Os personagens introduzidos no jogo e suas relações tratam de assuntos pessoais que muitos já passaram ou conhecem alguém que passou por essas situações. A filha jovem que não acredita nos avisos severos de seu pai, o casal interracial que não consegue o apoio de suas famílias, uma amizade inusitada que surge de um interesse em comum durante conversa de café, entre outros modelos conhecidos.

A jogabilidade, fora a história, se resume em fazer as bebidas que cada cliente pede, escolhendo uma base e dois ingredientes adicionais, criando uma bebida nova para cada combinação diferente. Também é possível desenhar aquelas artes em leite (latte art) em algumas bebidas, apesar de ser mais algo para brincar algumas vezes do que ser um aspecto importante na preparação das bebidas.

Impossível, no entanto, não traçar o paralelo entre Coffee Talk e outro jogo muito similar, VA-11 HALL-A: Cyberpunk Bartender Action. Algumas diferenças são chave para diferenciar os dois: a protagonista de VA-11 HALL-A participa de forma mais ativa na história, o jogo dura quase o dobro do tempo e os personagens são mais interligados, enquanto em Coffee Talk o protagonista quase não participa da história, o jogo é mais curto e os personagens tem suas relações e dramas individuais. Fora isso, prefiro acreditar que ao invés de ser uma cópia, estamos vendo um nicho do gênero surgindo no mercado, quase como uma subespécie de visual novel.

A arte do jogo se baseia em sprites 2D em movimento e é muito detalhada. É possível notar que cada design foi feito com bastante cuidado e atenção, uma vez que cada personagem é completamente diferente do outro e cada um consegue imprimir na sua imagem os traços, não só de sua aparência, como também de sua personalidade.

Outro ponto que me surpreendeu foi a trilha sonora. Com a história se passando numa cafeteria, com um papo mais pessoal entre barista e seus clientes, a trilha sonora é reconfortante, lembrando bastante aquelas playlists de lofi que a gente tanto encontra nas plataformas digitais.

Talvez o jogo peque na sua duração, já que em três horas é possível ter acompanhado toda história que se passa ao longo de duas semanas dentro do jogo. Existem modos adicionais para o jogador aprimorar suas habilidades de barista, como um modo de desafio em que um timer vai regredindo e você precisa preparar as bebidas certas rapidamente e outro modo livre em que você fica livre para preparar o que quiser, pelo tempo que quiser.

Outro ponto que também deixou um pouco a desejar é a profundidade dos personagens. É claro que isso está relacionado também com o tempo de duração do jogo, mas fora os conflitos principais que cada um enfrenta durante essas duas semanas, pouco ficamos sabendo do que mais eles passam, pensam ou vivem.

Fora isso, Coffee Talk foi um jogo que impressionou, sendo lançado sem muita fanfarra e sem que as pessoas criassem grandes expectativas. Fica a sugestão para quem quiser jogar algo que, apesar de curto, é bem diferente e bastante relaxante.

Veredito

Coffee Talk é uma breve e tranquilizante experiência no mundo de fazer café e conhecer os dramas pessoais de seus clientes.

Jogo analisado no PS4 padrão com código fornecido pela Chorus Worldwide Games.

80%