Lost Judgment: The Kaito Files – Review

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Para aqueles que o jogaram, Lost Judgment facilmente se estabeleceu como um dos melhores jogos de 2021. Não que isso seja surpresa, visto que o Ryu Ga Gotoku Studio vem há tempos lançando nada além de títulos absolutamente incríveis, mas serve como um lembrete de que o crescente sucesso de Yakuza é fruto de um estúdio que sabe o que está fazendo é capaz de explorar diferentes vias narrativas enquanto mantém o mesmo gameplay de excelência pelo qual ficou famoso.

Então, quando foi anunciado que, pela primeira vez na história das suas franquias principais que o jogo receberia uma DLC, alguns fãs temeram que esse conteúdo fosse seguir a lógica que alguns estúdios usam de cortar conteúdo do jogo principal para lançá-lo depois. Bom, não é esse o caso com The Kaito Files. Nem de longe.

Estrelado por Masaharu Kaito, o parceiro e amigo de Takayuki Yagami, protagonista principal de Judgment, essa nova DLC coloca os jogadores no controle do gigante amigável e ex-membro da Yakuza buscando usar suas habilidades para solucionar um caso com uma conexão emocional única com esse personagem. Cabe dizer aqui que ela é totalmente stand-alone, se passando após os eventos de Lost Judgment, sendo totalmente possível jogá-la primeiro através do menu se você quiser.

Lost Judgment: The Kaito Files

Com Yagami fora da cidade buscando resolver um caso, Kaito recebe uma proposta única de um milionário que deseja solucionar os segredos por trás da morte da sua esposa. Enquanto a morte havia sido considerada um suicídio quando aconteceu 02 anos atrás, o viúvo tem recebido informações de que ela foi vista ao redor de Kamurocho várias vezes recentemente e ele deseja que Kaito o ajude a desvendar esse mistério.

Enquanto Kaito inicialmente recusa a oferta, uma vez que a falecida esposa era uma ex-namorada dele com quem ele terminou por conta de suas obrigações com a Yakuza, mas, por mais que ele tente recusar, Kaito acaba se dedicando a solucionar o caso, mantendo sua tradição de seguir muito mais o seu coração do que a razão em sua busca pela justiça.

Para fazê-lo, Kaito tem a sua disposição as mesmas ferramentas que Yagami tem no jogo-base, com uma importante adição: a habilidade de usar seu nariz e seus ouvidos para rastrear pistas (ou colecionáveis) durante suas investigações. Isso aumenta as opções e a variedade de forma como você pode encontrar itens importantes, ainda que, na prática, siga a mesma estrutura de entrar em primeira pessoa e mover a câmera até localizar o que precisa.

Lost Judgment: The Kaito Files

A forma como se soluciona os casos também segue sendo a mesma, com o jogador precisando escolher as evidências corretas para conseguir progredir. Tomar a decisão errada não tem qualquer impacto, com o jogador meramente vendo uma pequena cutscene para então ter a oportunidade de tentar novamente.

O único problema na história e estrutura de The Kaito Files é a sua curta duração. Ao contrário do que é tradição em títulos do estúdio, o que temos aqui é um foco completo na narrativa, que dura cerca de 8 horas para ser completada, sem adicionar qualquer atividade secundária ao pacote. É claro, você ainda pode visitar os arcades ou realizar as atividades vistas no jogo-base, mas não há nada secundário específico para Kaito. Isso acaba pesando, especialmente dado o preço salgado da DLC de R$159,90.

Dito isso, merece elogios a forma como o DLC aborda temas importantes e pesados. Mesmo em sua curta duração, a história tem um impacto grande e demonstra a habilidade que a desenvolvedora sempre apresentou ao tocar em assuntos importantes para a sociedade sem perder o entretenimento, com a narrativa crescendo, evoluindo e te prendendo com maestria, tudo enquanto trata de forma sutil e respeitosa coisas como suicídio e violência doméstica.

Lost Judgment: The Kaito Files

Outra coisa que o estúdio sempre teve um talento preternatural para criar é o combate de seus jogos e, com Lost Judgment agora carregando o manto de brawler 3D da desenvolvedora, a ansiedade para ver o que eles fariam com um personagem que é um ex-Executor da Yakuza era grande. E, claro, força é o nome do jogo no que se refere à forma como Kaito lida com os vários inimigos que aparecerão no seu caminho.

Ele tem à sua disposição duas “stances” diferentes: Bruiser e Tank. Ambas passam uma sensação bem distinta, com os nomes já indicando o foco de cada, uma sendo mais ofensiva e a outra mais defensiva. Ambos os estilos são bem simples, mas visualmente bem impressionantes e com suas próprias vantagens, como parries automáticas que aumentam sua velocidade no Bruiser e bloqueios automáticos que aumentam sua defesa no Tank.

Existem algumas coisas que lembram um pouco a forma como Kazuma Kiryu lutava com a Tank se inspirando um pouco no estilo Beast que Kiryu possuía mas com um sabor mais distinto voltado para o Kaito. Isso fica especialmente aparente na forma como Kaito incorpora movimentos de wrestling durante suas ações de Heat. No geral, é tudo bem agradável tanto de executar quanto de ver, o que só demonstra como a RGG Studio é fenomenal nisso.

Lost Judgment: The Kaito Files

O maior problema, no entanto, fica por conta da forma como uma série de melhorias acaba ficando presa por trás de colecionáveis. Isso já era algo incômodo no jogo principal, já que Yagami dependia de livros de habilidades, mas foi expandido com Kaito precisando encontrar mais gatos e emblemas da família Matsugane para desbloquear o acesso a certas habilidades e só então comprá-las. Ou, pior ainda, a necessidade de encontrar Memory Points, que são os colecionáveis mais complicados de identificar do jogo, para destravar habilidades específicas.

O único outro problema que eu encontrei com a DLC é que em certos pontos ela parece ter sido cortada para se encaixar no tempo/orçamento de desenvolvimento disponível. As interações de Kaito com outros personagens da franquia parecem mais limitadas do que deveriam ser, com personagens novos chamando muito mais a atenção.

Lost Judgment: The Kaito Files

Claro, o grande destaque é o próprio protagonista, mas a intenção de ver ele interagindo mais com outros membros do elenco parecia existir, mas fica a sensação de ter sido cortada. Essa mesma sensação acaba surgindo em momentos importantes da história, com muito dos fatos e acontecimentos sendo despejados em cima de você em cenas de diálogos estáticos bem longas, com exposições narrativas que trazem fatos que passam a sensação de que vieram do nada ou que precisam ter sido melhor trabalhados e explorados antes dada a importância que tem no plot como um todo.

Mesmo considerando esses problemas, The Kaito Files é mais uma bela adição ao longo catálogo da série e do estúdio como um todo. Da ótima história ao fato de colocar os holofotes sobre um dos personagens mais interessantes e carismáticos da história recente da desenvolvedora, passando pelo excelente combate, se você é fã de Lost Judgment, você precisa jogar essa DLC.

DLC analisada no PS5 com código fornecido pela SEGA.

Veredito

The Kaito Files é tudo que uma DLC precisa ser, trazendo novos elementos ao seu combate, além de uma história muito boa, que impacta o futuro da franquia e justifica a sua existência. O único lado negativo fica pelo seu preço e duração. Se você é fã do jogo base, curtirá bastante essa expansão.

80
Lost Judgment
Fabricante: Ryu Ga Gotoku Studio
Plataforma: PS4 / PS5
Gênero: Ação / Aventura
Distribuidora: SEGA
Lançamento: 21/09/2021
Dublado: Não
Legendado: Não
Troféus: Sim (inclusive Platina)
Comprar na

The Kaito Files is everything a DLC needs to be, bringing new elements to its combat, in addition to a very good story, which impacts the future of the franchise and justifies its existence. The only downside is its price and duration. If you’re a fan of the base game, you’ll really enjoy this expansion.