GRID Legends – Review

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

GRID é uma das minhas séries favoritas da Codemaster e uma das poucas séries cuja jogabilidade se posiciona num misto entre arcade e simulação. A jogabilidade não requer toda a precisão e detalhes existentes em títulos de simulação puros, mas também não permite que o jogador ignore completamente as leis da física enquanto dirige. GRID 2019 foi um ótimo título de corrida, mas que era consideravelmente raquítico em termos de conteúdo e GRID Legends pode ser considerado como uma expansão da fundação criada pelo título de 2019.

A grande adição de GRID Legends é seu modo história que tenta demonstrar um pouco do drama que ocorre por trás das corridas do evento GRID e de seus times. As cenas são por meio de pequenos documentários com atores reais e gradativamente contam uma pequena história sobre como o um time à beira da falência passou a figurar como um dos melhores. Final das contas, a história é fraca e previsível, no entanto, os eventos que compõem o modo história tem seu valor em introduzir o jogador as diferentes modalidades de GRID.

O modo história é basicamente uma sequência de eventos em diferentes categorias e basta o jogador cumprir um objetivo simples para seguir para o próximo capítulo. Os objetivos gradativamente vão ficando mais desafiadores, mas dificilmente irão impedir o progresso do jogador. É um modo ideal para introduzir novos jogadores à jogabilidade do título e as diferentes categorias que compõem o jogo.

Além disso, ainda há o modo carreira que contém uma quantidade consideravelmente maior e mais difícil de eventos, começando com eventos amadores com objetivos simples até eventos profissionais e mais desafiadores. O título também conta com a possibilidade do jogador criar seus próprios eventos e também com o modo online. O conteúdo do jogo é certamente consideravelmente maior que seu predecessor, mas pode parecer ainda raquítico quando comparado com outros jogos de corrida no mercado atual.

Todos os modos fornecem créditos ao jogador que são utilizados para compra e melhoria de carros e dão uma sensação de progresso independente do que se realize. As melhorias dependem também de uma certa quilometragem de cada veículo, portanto, é necessário utilizar o veículo antes de liberar suas melhorias. No papel, isso incentivaria o jogador a utilizar diferentes veículos, mas na prática o resultado é o oposto já que poucos jogadores abandonariam seus veículos favoritos por um outro num estado cru.

A jogabilidade é o principal ponto forte da série e GRID Legends mantém essa tradição sem grandes alterações. Assim como seu predecessor, é possível ajustar suas opções para ter uma experiência mais próxima da de arcade ou da de simulação. Uma das grandes características da série que aprecio bastante é o sistema de retorno que permite retornar no tempo alguns segundos. Isso dá a oportunidade de consertar erros e acidentes que poderiam custar uma corrida inteira e também incentivam o jogador a gradativamente melhorar as partes em que são fracos. Jogando no PS5, o tempo permitido para retornar é bastante longo, o que permite refazer trechos inteiros de uma pista. Esse é o primeiro título da série que joguei com um volante (G29 da Logitech) e, para este volante, já tinha uma configuração padrão que foi bastante adequada para toda minha experiência com o título.

Jogo analisado no PS5 com código fornecido pela Eletronic Arts.

Veredito

GRID Legends não faz nada particularmente novo e ambicioso, optando por manter-se próximo da forte estrutura da série e adicionar mais conteúdo se comparado com seu predecessor. Mais ambição certamente seria adequado para chamar atenção de um novo público, mas, independentemente disso, ainda é um excelente título de corrida. 

80
GRID Legends
Fabricante: Codemasters
Plataforma: PS4 / PS5
Gênero: Corrida
Distribuidora: Eletronic Arts
Lançamento: 25/02/2022
Dublado: Não
Legendado: Sim
Troféus: Sim (inclusive Platina)
Comprar na

GRID Legends doesn’t do anything particularly new or ambitious, opting to stay close to the series’ strong structure and add more content compared to its predecessor. More ambition would certainly be help to draw more attention to it, but regardless, it’s still an excellent racing title.