Freshly Frosted – Review

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Ainda há muita gente buscando descobrir quais são os caminhos para alcançar o nível de engajamento de games como Candy Crush Saga ou alguns outros, que seguem fazendo um sucesso absurdo sobretudo em dispositivos mobile com uma comunidade bastante dedicada. Há quem diga que a temática importa, há quem se atenha aos artifícios de manutenção de atenção e o alto valor de replay (como vidas limitadas, competições multiplayer, premiações constantes, obtenção de itens especiais que premiam a dedicação, etc.) e há quem aponte a simplicidade das mecânicas de jogo e o alto desafio como partes fundamentais para o sucesso. A verdade? provavelmente um pouco de cada coisa.

Por outro lado, jogos desta natureza são menos comuns – ou talvez menos populares – em sistemas dedicados de alta performance, como PCs e consoles. Ainda que tenhamos experiências altamente baseadas em quebra-cabeças, elas parecem se distanciar dessa objetividade prática do que vemos em tablets e celulares. Contudo, eles existem, claro, e há alguns ótimos exemplos que, sem qualquer pretensão megalomaníaca, podem oferecer horas e horas de dedicação e, bem, um pouco de fumaça saindo da cabeça. Freshly Frosted, desenvolvido pela The Quantum Astrophysicists Guild, definitivamente merece ganhar um lugar de destaque no gênero por oferecer tudo o que de melhor se espera de um quebra-cabeças elaborado e desafiador.

A apresentação do jogo não poderia ser mais delicada, uma vez que a temática é totalmente voltada para a produção de deliciosos donuts nos mais diferentes formatos. O game abusa dos tons de rosa e de cores mais intensas em toda a sua apresentação, e conta com uma narradora que esbanja simpatia para nos guiar contextualmente pelas doze caixas do jogo, subdivididas em doze desafios cada, e todos eles são muito bem elaborados para colocar a prova tudo o que se aprendeu no que veio antes. Na teoria, a meta não é diferente da que vemos em outros tantos jogos com temática culinária, que é montar o pedido conforme alguns passos. A diferença está na forma como isso deve ser feito.

A base do jogo é criar esteiras que sigam um caminho que cumpra com o pedido assim que ligarmos o forno, o que inclui adicionar cobertura, granulado, chantilly e outros ingredientes, sempre na ordem correta, ao famigerado bolinho. Assim que o jogador faz o que se espera, ele deve acionar o maquinário e confirmar se realmente funcionou como deveria. Tudo muito simples, sem quaisquer firulas: crie a esteira, acione o dispositivo, e se estiver tudo certo, siga adiante. Cada nova caixa, ou conjunto de níveis, adiciona ou modifica um aspecto dos anteriores, renovando interesse e atenção, mas sem mudar significativamente os conceitos apresentados lá na apresentação. Há fases com diferentes pedidos, outras com mais de uma fonte de saída, outras ainda que misturam esteiras, e uma série de variantes que conseguem ressignificar e até transformar certas lógicas que achamos estarem sedimentadas na mente.

A doçura inerente da temática, como já se poderia imaginar, em nada reflete na dificuldade do jogo. Freshly Frosted consegue escalar o desafio rapidamente e não demora para apresentar objetivos bastante complexos. Mais do que mecânicas acessíveis, é um game que consegue segurar o jogador por horas com aquele artifício de “estou quase conseguindo”. Não há contagem de vidas, não há limitações de tempo, nem qualquer outro tipo de limitador que pressione e interfira no raciocínio, e diferente de jogos que exageram na dificuldade para favorecer a monetização de melhorias facilitadoras, aqui há o simples conceito de que não há qualquer elemento aleatório interferindo nas probabilidades de vitória. Há uma resposta certa e cabe ao jogador encontrar o melhor traçado para sair vitorioso.

Para quem não tem paciência para resolver tudo sozinho, há uma ou outra possibilidade de trapaça, como um sistema de dicas que posiciona alguns blocos em seus locais corretos, ou a possibilidade de pular uma etapa que estiver enroscada. Apelar pra isso até pode ajudar em algum momento, mas nada é tão prazeroso quanto encontrar a solução para um nível que minutos antes parecia simplesmente impossível. Há também várias opções importantes de acessibilidade, e o jogo acaba se moldando a uma experiência que pode ser apreciada pela família toda, e se encaixa muito bem naqueles quinze minutos de bobeira ou nos intervalos entre uma jogatina pesada e outra. Contudo, não espere que ele pegue na mão nos momentos de dúvida porque essa não é e nunca foi a intenção.

Ainda que não tenha nem ferramentas para mostrar qualquer virtuosismo visual – para além da cutscene inicial, os gráficos são todos muito rasos – tudo parece muito suave e bem intencionado. Freshly Frosted tem ainda uma trilha sonora muito relaxante e uma batida muito confortável, que acaba sincronizando com o próprio ritmo da produção de doces quando você termina seu trabalho. Se por um lado há um feeling de game mobile, por outro é algo que não se encontra sempre nos consoles e é ideal para deixar ali, instalado, para sempre retornar quando estiver buscando algo menos compromissado com narrativa ou com jornadas longas. De quebra, caçadores de troféus poderão conquistar a platina do jogo basicamente terminando-o. Boa sorte com isso.

Freshly Frosted é o tipo de jogo cuja avaliação acaba se mostrando diferente de outros jogos mais convencionais como os vistos no Playstation e em sistemas dedicados como um todo. Fugindo do padrão de um grande épico AAA ou mesmo de um plataformer independente, é um game com pouquíssima profundidade em termos de mecânica e quase inexistência de qualquer aspecto narrativo, e mesmo a composição artística pouco influencia no conjunto da obra. Tão rápido e objetivo quanto Tetris, tão simples quanto Two Dots e tão carismático quanto Cut The Rope, é uma experiência viciante e quase hipnótica cuja exigência de pensamento lógico-espacial é o único pré-requisito que cobra do jogador. Cobra caro, é verdade, mas sem jamais perder a doçura.

Jogo analisado no PS5 com código fornecido pela The Quantum Astrophysicists Guild.

Veredito

Apesar de não apresenta quaisquer níveis de complexidade esperados para um jogo para consoles, Freshly Frosted cumpre com brilhantismo tudo aquilo que se propõe ao oferecer mecânicas simples e facilmente compreensíveis, muito carisma e níveis altamente desafiadores e viciantes, sem perder a delicadeza em momento algum.

85
Freshly Frosted
Fabricante: The Quantum Astrophysicists Guild
Plataforma: PS4
Gênero: Puzzle
Distribuidora: The Quantum Astrophysicists Guild
Lançamento: 10/06/2022
Dublado: Não
Legendado: Sim
Troféus: Sim (inclusive Platina)
Comprar na

Despite not presenting any levels of complexity expected for a console game, Freshly Frosted brilliantly accomplishes everything it sets out to do by offering simple and easily understandable mechanics, a lot of charisma and highly challenging and addictive levels, without losing its finesse at any time.