Death Stranding: Director’s Cut – Review

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Na geração passada tivemos o surgimento de várias franquias interessantes que se firmaram em conceitos ousados que, até então, só poderiam ser realizados graças aos avanços tecnológicos atingidos pelo PlayStation 4. Death Stranding certamente é uma desses títulos e, apesar de ser um divisor de opiniões, não é possível negar a qualidade técnica de suas mecânicas, a originalidade de seu enredo ou o quão relevante as suas ideias se tornaram após a pandemia de COVID-19. Agora, quase dois anos depois de seu lançamento, temos o retorno do título idealizado por Hideo Kojima, dessa vez diretamente no PlayStation 5 em uma versão refinada, expandida e definitiva.

O foco deste review se concentra nas novidades e características do jogo rodando no PlayStation 5, portanto caso deseje uma análise mais aprofundada em relação ao gameplay e enredo do título você pode conferir a nossa análise de Death Stranding para o PlayStation 4.

Antes de tudo é preciso deixar claro que, apesar de compartilharem o subtítulo, a versão do diretor de Death Stranding é algo completamente diferente do que foi realizado pela Sucker Punch em Ghost of Tsushima. Enquanto este último foca em entregar uma região completamente nova, ao mesmo tempo em que expande o tempo e enredo do jogo, Death Stranding: Director’s Cut parece mais empenhado em refinar o título original. Dessa forma, ele traz novidades que não necessariamente aumentarão o seu tempo de jogo, mas que diversificarão a maneira como o jogador poderá interagir com o mundo ao longo de sua jornada. Isso torna-se mais nítido no momento em que você adentra essa nova “expansão” a partir do endgame.

Uma vez dentro do jogo, haverá pouquíssimas indicações de como acessar o conteúdo adicional (com excessão das novas missões de história) e, sem sombra de dúvida, você gastará algumas boas horas até interagir com os NPCs corretos para tal. Isso acontece pois Death Stranding: Director’s Cut foi projetado de maneira a introduzir os novos recursos conforme você joga a experiência do início ao fim. Uma vez que você carrega um save do endgame (ou em um ponto muito avançado da campanha), o jogo interpreta que já forneceu as informações de como acessar o conteúdo adicional. Portanto, se você deseja desfrutar das novidades naturalmente, é recomendável que inicie uma nova campanha do zero no Director’s Cut para evitar dores de cabeça. Vale lembrar que é possível importar seu save do PS4 para o PS5, porém a platina não cairá de forma instantânea, uma vez que os requisitos de três troféus foram atualizados (todos os outros 59 troféus aparecerão se você os conquistou no PS4).

Em quesitos técnicos, Death Stranding Director’s Cut eleva uma experiência que já era surpreendente para um nível fantástico no PlayStation 5. Os visuais, que já eram belíssimos no PS4, ganharam um nível de detalhamento ainda maior graças às novas texturas em 4K, tornando todo o universo do jogo ainda mais prazeroso de se observar. A melhoria é tamanha, que agora é possível ver em detalhes minúsculos, como os poros da pele dos personagens durante o desenrolar das cutscenes. Houve um aumento significativo no draw distance do jogo, e agora é possível visualizar objetos distantes com maior definição, solucionando alguns problemas de pop-in que ocorriam na geração passada. Os efeitos de iluminação e sombras também tiveram sua complexidade melhorada, tornando os ambientes do título ainda mais realistas com a passagem do tempo.

O desempenho do título é simplesmente incrível, e os loadings que demoravam alguns minutos no PlayStation 4, foram reduzidos a pouco mais de quatro segundos no PlayStation 5 durante o fast travel. Caso opte por abrir o jogo através dos cartões de atividade do PS5, bastarão apenas 9 segundos para que você retome sua aventura. Entretanto, isso não é nada perto dos sólidos 60 quadros por segundo que o título agora atinge. Tanto as animações in-game quanto as cutscenes se beneficiam bastante desse upgrade, tornando o mundo do jogo ainda mais fluído e ultra realista.

Existem dois modos de imagem disponíveis no PS5 que podem ser alterados a qualquer momento dentro do menu de opções do jogo (ambos são totalmente compatíveis com HDR e com monitores ultra-wide):

  • Modo Fidelidade: permite que o jogo renderize os gráficos em uma resolução de 4K nativa com uma taxa de quadros menor, porém variável.
  • Modo Desempenho: entrega um desempenho de 60 quadros por segundo com uma resolução gráfica de 4k por método de Upscale.

Foram feitas mudanças sutis na usabilidade que facilitam bastante a navegação pelos diferentes menus do jogo, ajudando o jogador a tomar nota das missões que já realizou, quais missões estão disponíveis em cada entreposto e muito mais. O mapa nas algemas de Sam teve um pequeno upgrade, e agora mostra sugestões de rotas a serem tomadas pelo jogador em determinadas entregas pelo modo história. Isso ajudará bastante aqueles que se aventurarem de maneira mais casual. Além disso, foi feita a adição de um modo “Very Hard”, que eleva ainda mais a tensão em tentar sobreviver aos diferentes perigos que o mundo tem a oferecer. Caso você opte por jogar nessa dificuldade, você obterá a classificação de “Legend of Legends of Legends” ao realizar pedidos de maneira perfeita, gerando mais experiência nas diferentes categorias de entrega. Vale lembrar que a dificuldade pode ser alterada a qualquer momento no menu de opções.

As funcionalidades do quarto privado foram expandidas, permitindo revisitar encontros contra chefes derrotados, algo que antes se limitava às batalhas contra Cliff. Existem ainda novas opções de customização que possibilitam o jogador alterar a cápsula do BB, mochila e traje com novas cores, texturas e adesivos. Novas trilhas foram adicionadas ao repertório de músicas que podem ser ouvidas no quarto, com belíssimas canções de artistas como Midge Ure, WoodKid e Apocalyptica.

O social strand system também passou por aprimoramentos, melhorando bastante o multiplayer assíncrono do jogo. Como consequência, é possível se conectar com mais jogadores por vez durante a sua jornada, tornando mais fácil de ver e interagir com as estruturas feitas por outros. Em adição a isso, também foram introduzidas as “entregas de classificação”, que basicamente são pequenas missões especiais que rotacionam com o passar dos dias. Ao cumprir essas atividades, o desempenho do jogador será avaliado e rankeado em um placar com outros jogadores do globo. Após o período de participação do desafio se encerrar, você receberá materiais e equipamentos extras com base em sua colocação do ranking, além de uma insígnia em seu perfil de portador. Essa foi uma forma bastante inteligente e divertida de incentivar a competição entre os jogadores, e alimentar retroativamente o social strand system com novos itens e estruturas.

Algo bastante decepcionante em Death Stranding: Director’s Cut porém, foram as novas missões de história adicionadas. Ao todo são três missões que levarão Sam a explorar os segredos ocultos em uma fábrica abandonada na região Leste dos Estados Unidos. Durante o marketing do jogo foi feito bastante mistério em torno dessa nova adição, como se fosse algo grande e indispensável para a narrativa, porém não é o caso. As novas missões possuem o objetivo de preencher algumas lacunas na história, e expor alguns fatos sobre o passado de dois personagens, mas a sua presença não fará muita falta para quem só jogou o jogo original.

Explorar a fábrica abandonada é interessante, já que é uma localidade totalmente inédita repleta de inimigos. O jogador poderá escolher diferentes formas de lidar com eles, o que é uma belíssima homenagem à série Metal Gear previamente dirigida por Hideo Kojima. O ponto fraco é a curtíssima duração dessas novas missões, que podem ser finalizadas em pouco mais de 40 minutos. É preciso deixar claro que esse é o tempo de alguém que já alcançou o endgame e possui equipamentos de alto nível, logo é possível que o tempo possa se estender de acordo com sua estratégia e progressão no jogo.

Além das missões de história, o título recebeu uma boa quantidade de entregas com novos objetivos, como resgate de portadores perdidos e transporte de cargas tóxicas, além de missões especiais tematizadas, fruto do crossover no PC com Half-Life e Cyberpunk 2077. Essas adicionam algumas ferramentas, veículos e itens cosméticos bastante úteis, ainda que seja 100% opcional realizá-las (no entanto, os itens contam para obter a platina).

Um campo de treino foi adicionado aos centros de distribuição espalhados pelo mapa, oferecendo um espaço seguro e divertido para testar os equipamentos que você obterá. Nesse local, você é capaz de disparar indiscriminadamente nos diferentes alvos espalhados pelo cenário, além de poder participar de 28 desafios simulados que se assemelham bastante às missões em RV da série Metal Gear. Cada desafio possui um determinado tempo para ser concluído e objetivos secundários que concederão pontos extras caso você os realize. Ao final, seu desempenho será avaliado e, com base nele, você poderá desbloquear alguns itens cosméticos. Caso se sinta confiante, existe ainda a sessão de “exercícios de classificação”, em que você pode tentar bater a pontuação de outros jogadores e obter materiais extras.

Outra adição ao jogo é a possibilidade de construir o circuito da Fragile Express, uma gigantesca pista de corrida em que você poderá utilizar seus veículos para testar suas habilidades de direção. Existem 12 eventos disponíveis, e cada um deles funciona como um Time Attack, em que o jogador deverá obter o menor tempo total possível ao longo de três voltas. Assim como no campo de treino, existem corridas de classificação que rotacionam ao longo dos dias no qual você “compete” com outros jogadores para tentar obter o melhor tempo possível e concorrer a materiais extras com base em sua colocação geral no ranking.

Apesar de ser um recurso interessante, o circuito da Fragile Express é a novidade que mais destoa no Director’s Cut, e certamente poderia ter sido melhor trabalhado pelos desenvolvedores. Só existem duas pistas de corrida, uma curta e outra longa, e basicamente a diferença entre os eventos está no tipo de veículo utilizado e se o trajeto é ou não invertido. Essa falta de diversidade acaba tornando as corridas bastante decepcionantes e a única motivação para realizá-las é a possibilidade de obter um novo veículo e materiais extras.

Death Stranding: Director’s Cut introduz novas estruturas, equipamentos e veículos que auxiliarão bastante o jogador em sua jornada para reconectar a humanidade e que oferecem formas completamente novas de contornar as diferentes situações que o jogo apresenta.

 Na parte de estruturas temos três novas adições:

  • Catapulta de carga: enormes catapultas que arremessam certa quantidade de carga para algum local dentro de seu raio de ação. Após atirar a carga, o jogador poderá controlar com maior precisão onde a carga pousará, por meio de propulsores acoplados na cápsula disparada;
  • Ponte quiral: uma pequena ponte de luz que pode ser construída em locais apertados e íngremes, permitindo que Sam alcance locais elevados e de difícil acesso facilmente. Como dependem da luz solar, caso chova elas irão desaparecer;
  • Rampas de salto: rampas capazes de impulsionar Sam e seus veículos, permitindo o salto entre longas distâncias. Caso Sam esteja a pé ou de moto, é possível realizar acrobacias aéreas durante o salto.

Com relação aos equipamentos, existe um novo esqueleto focado no transporte de cargas pesadas, e agora há a possibilidade de criar variações de prata e ouro de exoesqueletos, luvas e placas de armadura que possuem efeitos especiais ao serem equipados. Um novo acessório pode ser manufaturado e preso na mochila chamado de “estabilizador”, que faz com que Sam caia lentamente de locais elevados em segurança. Além disso, foi adicionado a “arma a maser”, um tipo de pistola capaz de eletrocutar inimigos à distância, permitindo que o jogador elabore novas estratégias de infiltração em territórios de Mulas.

Por fim, há um novo modelo de veículo, o esportivo, que é bastante útil para realizar entregas rapidamente, e que pode ser desbloqueado na pista de corrida. O triciclo invertido por sua vez recebeu uma nova variação com um pequeno reboque, permitindo que você transporte uma maior quantidade de cargas em suas viagens. Caso você seja do tipo que realiza entregas a pé, agora é possível criar um “amigo robô”, um pequeno autômato com pernas, capaz de carregar múltiplas cargas e que lhe acompanhará pelo mapa.

Os novos equipamentos, estruturas e veículos são muito interessantes e cumprem bem o seu papel dentro do título, porém é impossível não notar que tudo isso parece ser muito pouco, principalmente quando levamos em conta que é a primeira “expansão” que o jogo recebe desde seu lançamento há quase dois anos. Boa parte do conteúdo da Director’s Cut poderia ter sido distribuído aos poucos por meio de atualizações gratuitas sazonais, como uma forma de manter os jogadores sempre engajados no mundo do jogo. Esse é um modelo que tem sido adotado por diversos jogos nos últimos anos, como Assassin’s Creed, Dead Cells e Sackboy: Uma Grande Aventura, e que certamente poderia funcionar sem maiores problemas em Death Stranding.

Outra novidade presente em Death Stranding: Director’s Cut são as funcionalidades provenientes do DualSense, que aumentam bastante a imersão dentro do título. Primeiramente temos os gatilhos adaptáveis, que variam sua resistência conforme o jogador pressiona o R2 e o L2 para manter o equilíbrio de Sam ou carregar objetos com suas mãos. Quanto mais peso você transportar, maior será a resistência dos gatilhos, fornecendo um feedback importante para que o jogador sinta em primeira mão, como Sam reagirá com a carga a ser transportada. Durante o uso de armas de fogo no jogo, os gatilhos se comportarão de formas completamente diferentes com base no tipo de armamento utilizado. Por exemplo, atirar com um rifle de assalto é totalmente diferente de atirar com um lança-granadas.

O feedback tátil por sua vez é bastante competente, mas não possui o mesmo resultado visto em jogos como Astro’s Playroom. Algumas interações são transmitidas de forma eficiente, como os passos de Sam em diferentes superfícies, porém outras são mal implementadas e acabam não diferindo muito de uma vibração do DualShock 4. Há casos em que nem sequer existe algum tipo de reação por parte do controle, como ficar parado no meio da correnteza de algum rio. Isso no mínimo é um pouco decepcionante, visto que em Death Stranding o principal inimigo do jogador é o próprio ambiente à sua volta, logo é de se esperar que a equipe se empenhasse um pouco mais nesse detalhe, mas não foi o caso.

Algo muito interessante é que o título agora possui total suporte a teclado e mouse, bastando apenas conectá-los nas portas USB do PS5 para utilizá-los. Todos os comandos serão alterados instantaneamente para sua contraparte de PC, oferecendo a possibilidade de customizar as teclas da forma que desejar. Você pode atribuir atalhos e até mesmo ter esquemas de controle diferentes para quando está se locomovendo a pé ou por veículos. Certamente é uma opção de controle que deverá agradar aqueles que estão mais acostumados a jogar no PCs.

Se você chegou até este ponto do review já deve ter decidido em sua mente se Death Stranding: Director’s Cut é ou não um investimento a ser feito, entretanto gostaríamos de destacar um ponto válido a ser observado. Ainda que este pacote ofereça uma quantidade significativa de melhorias em relação ao jogo original, há elementos nele que não deveriam ficar atrás de uma barreira paga (como melhorias de usabilidade, patch de 60 fps, suporte a mouse e teclado, nova dificuldade, etc), e que acabam por limitar propositalmente a experiência de quem já adquiriu, ou planeja adquirir, a versão base do título. Além disso, conteúdos adicionais que foram oferecidos gratuitamente no PC (como missões, equipamentos e veículos do crossover com Half-Life e Cyberpunk 2077) também sofrem do mesmo problema.

Barrar esse tipo de conteúdo atrás do upgrade é uma atitude questionável (seja por parte da Sony ou da Kojima Productions), ainda mais quando jogos antigos receberam patches gratuitamente para rodarem a 60 fps no PlayStation 5 e, em alguns casos, atingirem 4K (mesmo que seja checkerboard). Foi o caso Ghost of Tsushima, God of War, Days Gone, The Last of Us Part 2, Ratchet and Clank e, mais recentemente, Horizon Zero Dawn. Na data de publicação deste review, nenhum patch de atualização foi disponibilizado que ofereça os recursos citados à versão base do jogo no PS4 e a única forma de acessá-los é pagando pelo upgrade ou comprando a versão Director’s Cut no PlayStation 5.

Jogo analisado no PS5 com código fornecido pela Sony Interactive Entertainment.

Veredito

Death Stranding: Director’s Cut no PlayStation 5 é, sem sombra de dúvidas, a melhor forma de se aproveitar o título ao seu máximo. Se você você ainda não jogou no PS4, esta é a oportunidade perfeita para dar uma chance ao game. Infelizmente, o seu conteúdo adicional não brilha tanto quanto deveria, e boa parte dele poderia ter sido oferecido através de atualizações gratuitas.

80
Death Stranding: Director's Cut
Fabricante: Kojima Productions
Plataforma: PS5
Gênero: Ação / Aventura
Distribuidora: Sony Interactive Entertainment
Lançamento: 24/09/2021
Dublado: Sim
Legendado: Sim
Troféus: Sim (inclusive Platina)
Comprar na

Death Stranding: Director’s Cut on PlayStation 5 is without a doubt the best way to get the most out of the title. If you haven’t played it yet, this is the perfect opportunity to give the game a try. Unfortunately, its add-on content doesn’t shine as bright as it should, and much of it could have been offered through free updates.