Análise – Capcom Beat’em Up Bundle

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

O ano é 2018 e vemos diversos jogos sendo remasterizados e/ou refeitos. Resident Evil 2 Remake, Spyro e Phoenix Wright são apenas alguns exemplos de títulos que estão passando pelo processo. Porém, antes da empolgação, é preciso saber se o conteúdo extra (caso exista) é suficiente para garantir uma segunda compra, como é o caso de Capcom Beat’em Up Bundle.

O novo título é um compilado com sete jogos no estilo Beat’em Up lançados na época áurea dos 16 bits, e surge com o intuito de agradar os saudosistas de plantão. No entanto, há também aqueles que nunca tiveram contato com os clássicos, fazendo do lançamento uma oportunidade para conhecê-los. São eles:

    • Final Fight
    • The King of Dragons
    • Captain Commando
    • Knights of the Round
    • Warriors of Fate
    • Armored Warriors
    • Battle Circuit

Ficou curioso com o título? Então se acomode, pois levaremos você às ruas de Final Fight e ao espaço de Captain Commando num piscar de olhos.

Quando você começa a pensar que há sete jogos em apenas um pacote,  sua imaginação corre solta na quantidade de tempo que levará para terminar tais títulos. Porém, é preciso ter ciência de que nem sempre quantidade significa qualidade.

Capcom Beat'em Up Bundle
A quantidade inimigos na tela é bem maior que o original. Fonte: PS4 Share

Embora o jogo tente trazer a nostalgia em sua forma mais pura, fez-se necessário adicionar alguns extras, justificando a compra. Uma das novidades está na escolha de dificuldade e na possibilidade de não usar continues, dificultando ainda mais as missões.

Foi adicionado também um modo online que, sinceramente, poderia nem existir. Ele trava seu jogo quando alguém entra na sala, e quanto mais jogadores na sua sessão, pior fica.  Além disso, os personagens continuam na tela caso os seus amigos (ou desconhecidos) saiam da partida. É um verdadeiro caos!

Para tentar salvar o modo cooperativo, ainda é possível jogar localmente com até quatro amigos, dependendo do jogo. Porém, caso você queira conquistar todos os troféus (que são extremamente fáceis), será obrigado a jogar todos os títulos no modo online, do começo ao fim. Uma verdadeira tortura.

Embora os jogos individuais pequem pela falta de criatividade e conteúdos extras, é possível curtir um pouco do que os anos 90 proporcionou aos jovens da época.

Títulos como Final Fight e Knights of the Round, por exemplo, podem ser usados para passar o tempo. O segundo jogo em questão, permite que você transforme os guerreiros da Távola Redonda em verdadeiras máquinas de combate. Ao subir de nível, seus poderes e equipamentos são aprimorados, dando um visual mais bonito aos combatentes.

Capcom Beat'em Up Bundle
Armored Warriors permite que você se transforme até mesmo em um tanque. Fonte: PS4 Share

Dentre todos os jogos disponíveis, o mais divertido de se jogar é o Armored Warriors. No comando de um mecha, você luta contra diversos outros robôs e humanos. A parte mais legal está na possibilidade de pegar as armas inimigas para utilizá-las a seu favor. Existem diversas opções a serem exploradas. No entanto, é preciso ficar atento, pois você também pode perder o armamento e acabar ficando defasado de ataques ofensivos.

Na década de 90 era até aceitável que os jogos de “briga de rua” tivessem um enredo genérico (alguns sequer possuem uma história) e inimigos que pegam fogo ao serem derrotados. Porém, a atualidade mostra que é preciso muito mais do que isso para agradar os jogadores.

Caso você seja aquele tipo de jogador nostalgia pura, vai gostar do fato de os gráficos não terem sido melhorados em absolutamente nada. Ao contrário da máscara usada Mega Man X Collection, Capcom Beat’em Up Bundle continua com a mesma cara de 20 anos atrás.

Capcom Beat'em Up Bundle
O gráfico decepciona aquele que esperava uma máscara de alta qualidade. Fonte: PS4 Share

A Capcom também incluiu a possibilidade de mudar a região de lançamento dos jogos entre Estados Unidos e Japão, dando uma incrementada no seu gameplay. Porém, caso você não entenda nada da língua oriental e se importe com a leitura dos diálogos, torna-se algo totalmente irrelevante.

O jogo possui uma galeria com alguns rascunhos e artworks oficiais. É algo muito bom de se ver, caso você goste de saber como foi o processo de desenvolvimento dos personagens. Além disso, há alguns rostos conhecidos que hoje fazem parte do time de Street Fighter, como a Poison, por exemplo.

Veredito

Capcom Beat’em Up Bundle pode ser considerado um prato cheio para aqueles que amam os títulos inclusos no pacote. Porém, quem nunca fez questão destes jogos na época, não verá necessidade em adquiri-los agora. Problemas de conexão, desenvolvimento da história e a falta de extras que valham a pena, podem afastar jogadores mais novos que não estão acostumados com a simplicidade do passado.

Jogo analisado com código fornecido pela Capcom

Veredito

65

Fabricante:
Plataforma:
Gênero:
Distribuidora:
Lançamento:
Dublado:
Legendado:
Troféus:
Comprar na

Capcom Beat’em Up Bundle is more interesting to those who appreciate classic games. However, if you didn’t play these games in the 90’s, you won’t pay attention to them in 2018. There are many connection problems, generic story and the lack of add-ons than could push the young players away.

Rui Celso

Rui Celso

Jornalista que decidiu se aventurar no mundo gamer desde o tempo em que as revistas eram a principal fonte de informação deste mundo do entretenimento. Hoje eu expandi meu universo e também faço parte do backstage deste universo atuando como Assessor de Imprensa. Só pra constar: Paper Mario é o meu jogo favorito da vida.