Hailey, interpretada pela atriz Natasha Ofili, é uma das personagens de destaque em Marvel’s Spider-Man: Miles Morales. O Harlem a conhece como uma hábil artista de rua. Ela também é surda.

“Sua surdez é um aspecto de quem ela é, mas não é sobre o que trata sua história”, disse Mary Kenney, a escritora de jogos da Insomniac por trás do personagem de Hailey. “A história dela é sobre o que ela quer fazer pela comunidade e como ela expressa isso”.

Miles cresceu em si mesmo desde a última vez que o mundo o viu. Ele fez amigos em seu novo bairro e ele está fazendo um curso de línguas na Brooklyn Visions Academy (ASL; ele já sabe espanhol).

Mesmo assim, “ele hesita ao usá-la”, disse Kenney. “Ele está procurando sinais. Ele soletra o nome de Hailey porque ainda não conhece como sinalizar o nome dela. E são esses toques que fazem tudo parecer real”.

“Ei!”, diz Miles via sinais. “Você é a H-A-I-L-E-Y?”. “Eu sou Hailey”, ela responde, usando seu sinal de nome – um formato de mão “X” (o sinal para tinta spray) com um movimento “Z” sobre o coração em um movimento de pintura spray. “Todo mundo está chamando você de ‘nosso Homem-Aranha’.”

Hailey é interpretada por Natasha Ofili. O agente de Ofili enviou um e-mail para ela quando o clipe começou a circular nas redes sociais. A atriz ficou emocionada ao se ver como Hailey pela primeira vez.

“Ainda estou em choque”, disse Ofiili recentemente ao The LA Times (ela fala ASL e inglês). “Eu continuo me observando indefinidamente e não posso acreditar que isso seja real. E se parece comigo. Ainda estou muito honrada”.

“Isso definitivamente foi inovador para nossa comunidade, a comunidade surda negra, porque eles não se veem representados na TV nem nada”, disse ela sobre seu papel. “Se eles quiserem se tornar o que quiserem, eles podem. Não que eles tenham que ser personagens de videogame, mas pode ser qualquer coisa: o céu – não há limite”.

Antes das filmagens, a Insomniac se reuniu com um grupo de consultores de cultura surda, incluindo o ator Joshua Castille, para aprender sobre sinais e como evitar as armadilhas comuns de representar a comunidade surda na mídia.

“Um dos meus momentos favoritos foi quando Josh, Natasha e TJ sentaram-se e leram [o roteiro]”, disse Kenney. “E Josh me disse…‘ Ei, então não é assim que uma pessoa surda diria isso’. E eu pensei,‘ Legal, mude isso. Temos que consertar’”.

Brian Horton, o diretor criativo da Insomniac Games, acompanhou cada etapa do processo. Seu filho aprendeu ASL na escola – assim como Miles. Horton enfatizou a acessibilidade: as legendas aparecem automaticamente sempre que um personagem está usando a linguagem de sinais, e a Insomniac também gravou Natasha narrando suas falas em uma cabine vocal para jogadores com baixa visibilidade.

Você pode ler o artigo na íntegra sobre o assunto no site da LA Times.