De acordo com o site Polygon, Shuhei Yoshida, presidente da Sony Worldwide Studios, comentou mais sobre a retrocompatibilidade. Já sabemos que o PlayStation 4 não rodará jogos de PS3 de forma alguma – seja em disco ou PSN.

Porém, Yoshida disse que uma emulação pode existir, principalmente para jogos de PSOne. Mas ele diz que não pode falar dos planos da empresa sobre isso no momento. “Então há dois caminhos, emulação ou serviços em nuvem. Mas suporte nativo, não. Desculpe”, disse Yoshida. “Sem retrocompatibilidade”, finaliza.

Quando perguntado se “os serviços via cloud” podem funcionar com a biblioteca da PSN, reconhecendo suas compras e experiências, tornando-as disponíveis no PS4, Yoshida disse que “nós podemos fazer isso se desejarmos. Nós sabemos quem comprou o que com um registro. Mas estamos trabalhando em planos de serviços que ainda não decidimos”.

Ainda segundo o site Polygon, o Dual Shock 3 não será compatível com o PlayStation 4. Porém, como já vimos, o PlayStation Move sim. Quanto a outros acessórios via bluetooth, como o headset wireless, Yoshida não sabe responder ainda. Ele responde que não acha que existirá suporte, mas isso não significa que não vão funcionar.

Já segundo o site Eurogamer, a demonstração de Killzone: Shadow Fall foi feita considerando uma arquitetura de apenas 4GB de RAM do PlayStation 4. Porém, oficialmente o console possuirá 8GB. Assim, apenas metade do que o console possibilita foi utilizado pela Guerrilla Games.

A Just Add Water, responsável pelos jogos da série Oddworld, também soltou um pequeno teaser (via Gematsu) que está desenvolvendo algo para o PlayStation 4.

Por fim, alguns desenvolvedores comentaram o custo de produção dos jogos do PlayStation 4 (via Gamasutra). Por exemplo, Herman Hulst, da Guerrilla Games, comentou que a equipe de Killzone 2 e Killzone 3 tinha cerca de 125 pessoas, enquanto que a de Shadow Fall tem 150 – um pouco maior. O ciclo de desenvolvimento é de cerca de 2 anos e meio, sendo similar ao do PS3. Com a adição da transição de hardware, a equipe adicionaria mais seis meses ao tempo. Considerando a experiência com o PS3, Hulst acredita que não é assustador desenvolver para o PS4 em termos de custo.