Em um post no blog oficial, a Vicarious Visions, desenvolvedora de Crash Bandicoot: N. Sane Trilogy, comentou sobre os aspectos técnicos e de gameplay dos três jogos.

Muitos jogadores dizem que o jogo está mais difícil e não lembra totalmente o original. A desenvolvedora admite que mudanças foram feitas. A ideia da Vicarious Visions era criar um jogo que reduzisse a frustração e mantivesse o desafio dos originais. Nesse aspecto, ela acredita que atingiu esse objetivo.

Muitos fãs acham que o pulo de Crash está diferente, especialmente no primeiro game. A razão por trás disso é que a Vicarious Visions quis unificar o design dos três títulos para que, no fim, tudo fosse uma experiência coesa e única. Para isso, a equipe escolheu usar o gameplay de Crash Bandicoot 3: Warped na trilogia como ponto inicial. A decisão veio pelo simples fato de ser o jogo mais recente (mais moderno) e aprimorado dos três.

Inúmeros testes foram realizados pela desenvolvedora para que tudo estivesse no lugar certo. No fim, os pulos tiveram que ser diferentes para cada jogo, para que as métricas fossem iguais às dos originais.

O que acontece é que Crash Bandicoot N. Sane Trilogy usa um sistema de colisão diferente da trilogia original. A adição de uma física faz com que certos pulos precisem ser mais precisos que os originais. Muitos ajustes foram feitos para que tudo fosse justo no fim, assim como preservar a essência.

Finalmente, a Vicarious Visions fala sobre a dificuldade. A introdução de checkpoints e save points foi feita para deixar o primeiro jogo mais acessível. Apesar do jogo precisar dessa "precisão maior" que os outros dois, isso foi compensado com o ajuste de que o jogador nasce com máscaras Aku Aku após certo número de mortes, assim como mais checkpoints aparecem.

Por fim, a Vicarious Visions agradeceu o suporte dos fãs e pediu para que fiquem ligados na San Diego Comic-Con neste fim de semana para uma surpresa especial.