Na Tokyo Game Show, em setembro, a Capcom anunciou que um filme baseado na franquia Monster Hunter estaria em desenvolvimento em Hollywood. O site Deadline agora relata os primeiros detalhes da produção.

Para começar, uma breve sinopse:

“Para todo Monstro, há um Herói. Um homem comum em um trabalho miserável descobre que é o descendente de um herói antigo. Ele deve viajar para um mundo místico para treinar e se tornar um Monster Hunter, antes que as criaturas místicas desse mundo destruam o nosso.”

O roteirista e diretor Paul W. S. Anderson e seu parceiro Jeremy Bolt, da Impact Pictures, estão envolvidos com o filme de Monster Hunter, e o primeiro roteiro está pronto. Dennis Berardi, do estúdio de efeitos visuais Mr. X, que ajudou a criar os filmes de Resident Evil, também trabalha em Monster Hunter. Estima-se que o orçamento líquido fique na casa dos 50 milhões de dólares.

Anderson e Bolt conversaram a fundo sobre o filme com o Deadline, mencionando inclusive um segundo filme:

DEADLINE: você me deu um resumo de Monster Hunter. Explique a mitologia e como você transformou isso em uma narrativa.

ANDERSON: O que amo em Monster Hunter é o mundo incrivelmente imersivo e bonito que eles criaram. É do nível de um filme de Star Wars, em termos de criação de um mundo. Não existe um personagem central, então é tipo quando tivemos o primeiro contato com Resident Evil e colocamos nossos próprios personagens e história naquele mundo. Acho que esta é uma franquia perfeita para fazermos exatamente isso novamente. O mundo de Monster Hunter tem esses grandes desertos que fazem o deserto de Gobi parecer uma caixa de areia, e eles têm navios que navegam pela areia. Essas galés imensas ao invés de navegarem nas ondas dos oceanos, elas navegam por ondas de areia.

Você luta contra criaturas gigantes, algumas do tamanho de uma quadra. Elas vivem sob a Terra e quando saem, é tipo o melhor de Dune. Também há dragões que voam, aranhas gigantes, as criaturas mais maravilhosas. É isso que me atraiu. Senti que havia um mundo novo, animador que poderíamos mostrar e construir um novo mundo ao redor dele, como um universo da Marvel ou Star Wars. Tudo é sobre a criação de mundos, hoje em dia, e como se pode construir um mundo onde há múltiplas histórias acontecendo? Achei que esta foi a nossa oportunidade de ter um universo cinematográfico.

DEADLINE: Como você vai preparar isso para seu próximo filme?

BOLT: Primeiro conseguimos nós mesmos os direitos. A Capcom, por causa de Resident Evil e seu respeito, nos deu os direitos. Eles amaram a visão de Paul e então fizemos uma parceria com Dennis Berardi. Nós três criamos uma empresa nova e estamos utilizando o roteiro de Paul e o pacote completo.

ANDERSON: Começamos o processo de conversas com a Capcom há cinco anos. Como Jeremy disse, é a joia da coroa, então houve muita conversa. O que farão com isso? Qual será a história? Eles queriam garantir que faríamos jus, porque é o que mais dá dinheiro a eles hoje. É enorme, é um fenômeno cultural no Japão e é gigante na China, onde é um jogo online com mais de 15 milhões de usuários pagantes. Se calcular, o filme pode ser potencialmente o maior do ano na China e no Japão, onde as pessoas fazem filas quando novos jogos são lançados. Vendeu mais de 38 milhões de cópias até agora, e isso é mais que Resident Evil, quando começamos a adaptação da franquia.

BOLT: É diferente… Enquanto Resident Evil é sci-fi/terror/ação, este é um filme para adolescentes de ação e aventura. Estamos animados por mudarmos para um gênero um pouco diferente. Como Paul disse, o jogo é um pouco de Star Wars, um pouco de O Senhor dos Anéis, é mais fantasia. Encontramos uma maneira de conectar o mundo coberto por areia de Monster Hunter com o nosso mundo. Estamos trazendo esse grande jogo japonês no mundo da América.

ANDERSON: Os personagens principais são bastante relacionados aos personagens americanos. Você pega uma pessoa do mundo comum, que acha que está num trabalho miserável, sem futuro, e eles sentem que sua vida é uma falha, que não vai dar em lugar algum, como Keanu Reeves em Matrix. É sobre um americano comum que é levado a um mundo paralelo, o mundo de Monster Hunter. E eventualmente o mundo paralelo acaba aparecendo em nosso mundo. Então você tem as criaturas de Monster Hunter invadindo o nosso mundo.

A mitologia é basicamente que os monstros são reais e que todos os monstros e criaturas de nossa mitologia, seja dragões ou o Minotauro, ou dragões chineses, é tudo real. Eles eram reais. Eles existiram de verdade em nosso mundo. Para cada monstro houve um herói que lutou contra ele. E então esses monstros desapareceram, da noite pro dia. Eles deixaram de existir, assim como nossa necessidade por heróis. Eles se tornaram coisas de mitos e lendas, mas eventualmente os monstros voltarão. A menos que tenhamos um herói para ajudar a lutar contra eles, nosso mundo será devastado por essas criaturas, após colocarmos nossa fé na tecnologia, ao invés de nos heróis. Toda nossa tecnologia não significa nada quando os dragões começarem a cuspir fogo.

DEADLINE: Até onde vai essa história?

BOLT: Temos dois filmes. Provavelmente filmaremos na China ou África do Sul, com um orçamento comparado a Resident Evil, em torno de $50 milhões de dólares.

ANDERSON: Com certeza temos a intenção de fazer uma franquia, pois o filme começa em nosso mundo e vai para o mundo de Monster Hunter, e então o ato final volta para nosso mundo e basicamente tem uma batalha épica dentro e ao redor Los Angeles. Então, no final, somos confrontados pelo fato de que as criaturas mitológicas de nosso mundo retornaram para ter vingança. Então, com certeza teremos um segundo filme com isso planejado.