Em uma entrevista com o site Eurogamer, Tomoko Hiroki, produtora de Dragon Ball FighterZ, comentou alguns aspectos do game.

Confira os principais pontos da conversa logo abaixo:

  • Sobre as vendas do jogo (2,5 milhões no lançamento), a equipe está feliz com o resultado, mas espera vender ainda mais, considerando que os dois Dragon Ball Xenoverse estão perto de 8 milhões;
  • Apesar da base dos gráficos já existir em Guilty Gear, um dos maiores desafios em desenvolver o game foram os gráficos;
  • Os comandos do jogo foram facilitados para agradar a base geral de fãs de Dragon Ball e existiu um foco em trabalhar no “mind game” ao invés da execução;
  • Competitivamente falando, o uso de Gotenks e seu movimento de assistência surpreendeu a equipe, entre outras coisas;
  • Ao responder sobre o “touch of death combos” (combos que mata um personagem em uma única sequência), Hiroki diz que nunca foi a intenção “segurar” os jogadores;
  • Kuririn e Freeza são os dois personagens menos usados pelos jogadores. Um dos motivos de Kuririn, por exemplo, é que ele é um personagem de assistência na visão de Hiroki;
  • Já quanto a Cell, personagem mais popular entre os jogadores hoje, Hiroki acredita que isso ocorre porque foi um dos personagens mais estudados pelos jogadores. A equipe acredita que outros personagens podem ficar tão fortes quanto se forem estudados;
  • A equipe acredita que o balanceamento atual do jogo está satisfatório, mas isso não significa que patches de balanceamento não virão (nota: um patch deverá ser lançado após a EVO em agosto e, segundo relatos, trará melhorias para os personagens, ao invés de piorá-los);
  • Não há planos para uma segunda temporada, mas Hiroki diz que a equipe quer continuar oferecendo suporte ao jogo por bastante tempo.