O ex-executivo da PlayStation, Shawn Layden, apresentou um caso para que os desenvolvedores reconsiderarem a escala e o escopo dos games AAA, afirmando que as atuais ofertas são insustentáveis ​​para a indústria.

Conforme relatado pelo site GamesIndustry.biz, Layden discutiu o assunto no Gamelab Live após uma conversa sobre The Last of Us Part 2, um jogo que foi parcialmente desenvolvido durante seus 25 anos na Sony. Aproximadamente 10 horas a mais que seu antecessor e mais avançado tecnologicamente, provavelmente custou uma quantia substancial a mais para se desenvolver. E ainda é vendido pelo mesmo preço – US$ 59,99.

“O problema desse modelo é que ele simplesmente não é sustentável”, disse Layden. Ele explicou que os custos atuais de desenvolvimento atingem entre US$ 80 e 150 milhões (excluindo custos de marketing) para jogos AAA, com o trabalho levando até cinco anos para ser concluído. Além disso, os orçamentos de AAA dobraram historicamente a cada geração, o que significa que os orçamentos de desenvolvimento no PS5 podem chegar a US$ 300 milhões.

“Não acho que, na próxima geração, você possa pegar esses números e multiplicá-los por dois e pensar que pode crescer”, acrescentou. “Acho que a indústria como um todo precisa se sentar e dizer: ‘tudo bem, o que estamos construindo? Qual é a expectativa do público? Qual é a melhor maneira de divulgar nossa história e dizer o que precisamos dizer?'”.

Ele apontou como esses orçamentos são insustentáveis ​​se os preços de varejo não puderem ser elásticos. “É 59,99 dólares desde que comecei neste negócio, mas o custo dos jogos aumentou dez vezes. Se você não possui elasticidade no preço, mas tem uma enorme volatilidade na linha de custo, o modelo se torna mais difícil. Eu acho que esta geração verá esses dois imperativos colidirem”.

Os títulos AAA não vão ficar mais baratos com o advento da imagem em 4K e a expectativa de grandes mundos neles. Layden ressalta que isso também pode excluir diferentes tipos de criadores do negócio AAA.

“É difícil para todos os jogos de aventura atingirem o marco de 50 a 60 horas, porque será muito mais caro de alcançar isso”, disse ele. “E no final, você pode deixar alguns criadores interessantes e suas histórias fora do mercado, se esse for o tipo de limite que eles precisam atingir… Temos que reavaliar isso”.

Layden acredita que os desenvolvedores precisam considerar passar três anos desenvolvendo uma experiência de 15 horas, em vez de cinco anos para um jogo de 80 horas, o que não só poderia ajudar a manter os custos sob controle e manter o preço padrão do varejo, mas também ajudar a criar um “conteúdo mais atraente e sólido”.