NotíciasPlayStation 4

Kojima rebate críticas de que Death Stranding é um Walking Simulator; jogo é uma metáfora sobre América, Trump e União Europeia

Durante uma entrevista com o site Game Informer, Hideo Kojima rebateu algumas críticas que tem recebido, por parte da mídia e do público que tratam Death Stranding como um Walking Simulator:

“No passado, mesmo quando jogos eram de ‘mundo aberto’, haviam limitações para os locais em que você poderia ir. No entanto, em Death Stranding você pode ir a qualquer lugar. Você cria rotas e você acaba desejando conhecer o que há além. Neste jogo, acho que não entenderão se eu apenas disser isso, mas quando você começar a jogar, apenas andar nesse mundo, é realmente divertido. O que eu percebi é que, quando monitoro as sessões de testes, até os funcionários, não parecem entender tudo de primeira. Mas quando eles realmente começam a jogar, percebem que andar é realmente divertido naquele espaço. E agora todos irão dizer, ‘Oh, é um Walking Simulator!‘. É a mesma situação de quando eu trouxe pela primeira vez um jogo em stealth. Se 100 pessoas jogam, e 100 pessoas dizem que é divertido, significa que o gênero ou jogo já existe. Mas esse é um novo gênero, e da mesma forma que ocorreu com o stealth no passado, haverão pessoas que não o entenderão. Levará algum tempo até que as avaliações verdadeiras apareçam”

Ainda durante a mesma entrevista, Hideo Kojima declarou que Death Stranding pode ser interpretado como uma metáfora sobre a América, Trump e a União Europeia:

“É sobre a América, mas tomei a decisão em construir um mapa que não representasse corretamente a América. Talvez pareça um pouco com o Japão visto daquele ângulo. Quero que as pessoas não pensem em ‘América’, mas sim ‘onde estão’. Porque isto depende da perspectiva de quem está vendo. E é claro, se passa no futuro e, apesar de todos estarem conectados através da Internet, ainda estão fragmentados. Isso é um tipo de metáfora também. Ao se conectar, você pode usar os serviços da UCA (United Cities of America), mas ao mesmo tempo, eles coletam suas informações 24 horas por dia. É como em 1984. Algumas pessoas podem não gostar daquilo e dizem coisas como ‘Eu não irei me conectar à UCA, pois iremos repetir a mesma coisa que fizemos antes’. Como Trump, ou a União Europeia, essas coisas. É uma metáfora.”

Apesar da declaração é necessário lembrar que outras obras de Hideo Kojima, como a série Metal Gear, sempre carregarem consigo um tom crítico e reflexivo sobre as relações políticas mundiais como um todo.

Death Stranding será lançado em 8 de novembro para PS4.