O game de luta JoJo’s Bizarre Adventure All Star Battle foi o título mais vendido na semana entre 26 de agosto e 1º de setembro, de acordo com a Media Create, que acompanha o mercado japonês de jogos eletrônicos.

Foram mais de 425 mil cópias vendidas, um número já considerado raro para a desanimada indústria nipônica de games.

De acordo com o site UOL Jogos, o sucesso não veio sem polêmica, pois, apesar de a popular revista de games Famitsu ter dado nota máxima para o título – e, pelo jeito, ajudou a vender o jogo -, o público está detonando o título da Namco Bandai. Na Amazon japonesa, ele está apenas com duas estrelas, de cinco possíveis.

Os jogadores, em sua maioria, aprovam os gráficos, que está muito parecido com a história em quadrinhos, mas dizem que a mecânica de luta é muito desleixada (já apareceram vários vídeos com combos infinitos muito fáceis de fazer).

Porém, a maior bronca está no modo de campanha, que limita as partidas com um sistema de energia parecido com o que se vê em games freemium. Para jogar, você precisa de energia, mas ela se recupera em um ponto a cada 20 minutos (ou você pode pagar para ter mais). Muitos consideram o sistema inadmissível para um título com preço cheio.

Com a publicidade negativa, o preço de revenda caiu para a metade em apenas quatro dias de lançamento. A Namco Bandai fez um bom dinheiro com o game, mas lojistas e consumidores estão muito bravos com a produtora.

Em um comunicado formal, os produtores anunciaram que um patch chegará e que corrigirá os infinitos, conforme noticiamos aqui. Esse patch também diminuirá o tempo de 20 para 5 minutos de espera.