De acordo com o designer da narrativa de Homefront: The Revolution, CJ Kershner, “tudo é novo para Homefront: The Revolution. É uma nova equipe, nova publisher, novo estilo de gameplay, nova história…”. A informação foi dada ao site MCV.

O título original de 2011 foi publicado pela THQ. Quando a publisher faliu, a Crytek adquiriu a franquia por 544 mil dólares. Mais tarde, a Crytek vendeu para a Deep Silver que finalmente colocou a Dambuster Studios para trabalhar no jogo.

Homefront: The Revolution mantém o conceito principal da série – de que a América foi ocupada por forças coreanas – mas este novo jogo expandiu a ideia totalmente, segundo Kershner. Segundo ele, “Dambuster está fazendo sua própria marca no nome de Homefront, então tudo que você lembra ou sabe do primeiro jogo: esqueça agora. Não é uma continuação da história ou aquele estilo de gameplay. Há uma razão por não termos chamado-o de Homefront 2“.