A Digital Foundry, que costuma comparar e analisar a perfomance técnica dos jogos, liberou a análise de dois jogos no PS3.

O primeiro deles é Dragon Age: Inquisition. Por rodar na Frostbite Engine, o título possui uma resolução de 1280×704 e roda mais suavemente no PS3 do que no 360. Há problemas de texturas, especialmente no 360. Loading também é grande – podendo levar de 70 a 80 segundos.

Há também quedas no framerate quando acontecem grandes lutas, mas no PS3 não há screen tearing ("cortes" nas imagens).

No fim, o artigo recomenda que, se você tiver que escolher entre as duas versões, fique com a de PS3.

Agora Middle-earth: Shadow of Mordor é outra história. Os resultados do jogo rodando no PS3 são "chocantes", segundo o site, e não se lembram de nada parecido com o que viram.

Muitas vezes o jogo roda a 10-20 quadros por segundo, mesmo sem um único Uruk à vista. A taxa de quadros por segundo é melhor no 360 por uma margem de 5, mas os dois sofrem de screen tearing e operam com uma resolução de jogo de Vita: 960×540.

Há também bugs que não existem nas versões superiores. Texturas e sombras aparecem e somem do nada, mesmo com o personagem parado, generais Uruk travam no meio do ar durante a batalha e assim por diante. Títulos como Far Cry 4 diminuem as texturas, geometrias e efeitos, que é o que acontece aqui, mas Sombras de Mordor deveria ter um controle de qualidade melhor.

O site finaliza dizendo que o pior ainda não foi comentado ainda: o som do jogo, mesmo com uma instalação obrigatória de 4,4 GB, é cortado várias vezes do nada durante as batalhas contra chefes ou com mais de 10 inimigos na tela.

Em outras palavras, com esses problemas de som e um framerate que pode cair várias vezes a 12, o título não foi feito para o PS3 e 360.