Como já foi noticiado no passado, JoJo’s Bizarre Adventure: All Star Battle vendeu muito bem em sua primeira semana, mas logo em seguida teve uma queda brusca. O motivo disso foi que o joog possui um sistema de microtransações na campanha.

Ou seja, o jogador possui uma “bateria” com 10 segmentos. Cada luta na campanha requer o uso de um desses segmentos. Os segmentos são recuperados com o tempo, mas se o jogador tem pressa, ele pode comprá-los na PSN. Naturalmente, isso irritou diversos jogadores pois não estamos falando de um jogo gratuito ou de celular que costuma usar um sistema similar, mas um jogo normal de PS3.

Um patch do jogo diminuiu o tempo de espera de 20 para 5 minutos, mas isso ainda não foi o suficiente para diminuir a raiva dos jogadores.

O site Siliconera entrou em contato com o CEO da CyberConnect2, Hiroshi Matsuyama, e Noriaki Niino, da Namco Bandai para falarem sobre o assunto.

Niino respondeu que o sistema foi implementado para que “as pessoas pudessem aproveitar mais o jogo” e que a versão internacional terá “muitos ajustes e melhorias”, mas basicamente será a mesma versão que a japonesa. Ele adicionou que a equipe está “zangada” porque os fãs não entenderam suas intenções em fazer um jogo com mais replay, mas que estão procurando por uma maneira de compensarem os usuários, como oferecendo algum item pago de graça.

A equipe de desenvolvimento está, no momento, fazendo ajustes ao sistema da versão japonesa e esses ajustes estarão na versão internacional. JoJo’s Bizarre Adventure: All Star Battle chegará em 2014 nos EUA e Europa.