PUBLICIDADE

Na época dos fliperamas, se você ganhasse de uma pessoa que não conhecia, poderia causar uma briga na vida real. E foi exatamente isso que aconteceu com o jogador profissional Daigo Umehara quando ele tinha 13 anos.

Depois de derrotar um oponente que tinha 20 anos várias vezes seguidas em algum jogo de luta, o temperamento daquele indivíduo mudou e ele começou a dar socos no rosto de Daigo. Conforme transcrito pela FGC Translated, a decisão de Daigo após isso teve uma correlação direta sobre onde ele está hoje como um competidor profissional de jogos de luta.

Como Daigo era muito mais jovem que esse indivíduo, ele acabou não revidando por medo. “Não sei quantas vezes ele me deu um soco”, afirmou Daigo. “Mas meu rosto estava coberto de sangue e estava muito inchado”.

Quando jovem, isso teve uma impressão duradoura de Daigo. Ele tinha medo de voltar àquele fliperama em particular, apesar de ser seu lugar preferido para jogar videogames. Sua raiva de si mesmo por não fazer nada o levou a experimentar muitas noites inquietas. Enquanto ele evitava aquele local como resultado do incidente, Daigo não conseguia se divertir jogando seus jogos de luta favoritos no outro fliperama que ficava perto de sua casa.

PUBLICIDADE

Um ceto dia, ele teve coragem e voltou para o fliperama. Em pé na frente da porta, no entanto, ele começou a ter dúvidas. “Quando cheguei à porta da frente do fliperama, não conseguia mexer as mãos para abri-la”, disse Daigo. “Eu pensei ‘e se eu abrir a porta, e se esse cara estiver aqui?'”.

Daigo considerou dois cenários diferentes. Ou ele poderia sair e não correr o risco de ser atacado novamente, ou ele poderia encontrar esse indivíduo novamente. “Mas se eu optar por me virar e voltar de bicicleta para casa, pelo menos não levarei um soco na cara”, declarou Daigo. “E comecei a pensar o que seria mais assustador. Então percebi que voltar para casa sem abrir a porta era mais assustador, de longe, do que a outra opção. Percebi que voltar [para casa] teria um enorme impacto negativo na minha vida”.

Ironicamente, Daigo só foi capaz de voltar para o fliperama mais algumas vezes antes dele finalmente fechar. No entanto, para Daigo, esse foi um momento muito poderoso e decisivo.

“Uma coisa é certa”, continuou Daigo mais uma vez. “Se eu decidisse dar as costas para aquela porta por esse motivo bobo, eu não estaria onde estou hoje”.