Conversando com o site GamesIndustry.biz, Hervé Hoerdt, vice-presidente de marketing da Bandai Namco da Europa, revelou alguns detalhes estratégicos da companhia. Confira os pontos principais a seguir:

  • A Bandai Namco deseja que 50% dos seus negócios consistam em novas franquias. Além disso, 50% dos seus jogos devem ser desenvolvidos fora do Japão nos próximos 5-10 anos, mas acreditam que isso só acontecerá mais próximo de 10 do que de 5;
  • A ideia de alcançar essa meta é aumentar os seus negócios cada vez mais, ao invés de diminuir os seus estúdios japoneses;
  • A companhia quer fazer novas franquias porque gera dinheiro, não pode ficar dependendo sempre de propriedades licenciadas e a Bandai Namco se enxerga como uma companhia de entretenimento e não apenas games;
  • O último ponto significa que a Bandai Namco quer fazer filmes, quadrinhos, brinquedos e muito mais de suas franquias, e isso só será possível se as séries forem delas;
  • Um exemplo citado é Little Nightmares: a Bandai Namco espera fazer um filme do jogo algum dia. Outro exemplo é Twin Mirror da Dontnod Entertainment que também pode virar filme;
  • Outro motivo da Bandai Namco querer novas franquias é que, no momento, a maioria de seus jogos são de anime ou de luta (na maioria dos casos, anime de luta). Expandir para fora do Japão ajudará a mudar esse quadro;
  • Vale ressaltar que não há planos de entregar as séries japonesas para desenvolvedores americanos;
  • A Bandai Namco está conversando com mais de 200 estúdios por ano para potenciais novos produtos e desenvolvedores;
  • A Namco não espera realizar grandes aquisições, pois não possui os recursos que as grandes publishers do Ocidente possuem. Será um processo lento;
  • Novamente, eles não mudarão o que fazem atualmente. A Bandai Namco cita o exemplo da Square Enix como uma companhia que ela gostaria de se tornar, no sentido de que no Japão são produzidos jogos como Final Fantasy e Octopath Travelers, enquanto que no Ocidente temos Vingadores, Life is Strange e Tomb Raider.