Atualização: mais informações vieram da entrevista citada abaixo.

A decisão de dividir o jogo em capítulos foi por causa do tamanho do original. Partes teriam que ser cortadas ou resumidas se fosse tudo colocado em um único pacote. Um sub-título para o remake foi evitado para não dar impressão de que seria um spin-off ou sequência.

Os modelos de Advent Children são antigos e por isso a equipe está trabalhando bastante nesse aspecto. Fora a CG mostrada no início do trailer, todo o restante é em tempo real. Você pode mover a câmera na cena do trem, por exemplo.

A cena de "cross-dressing" de Cloud será inclusa no remake, mas Nomura ainda precisa trabalhar no design. O sistema de batalha é diferente de Crisis Core. Não é com tanta ação como Dissidia de Arcade ou como Kingdom Hearts, mas perto disso. Há um sistema de ATB, mas não é o tipo que você espera a barra encher e então atacar. Ele estará conectado ao sistema de ação.

A party será composta de três membros, todos podendo ser trocados e jogáveis. Não será preciso trocar os personagens se assim desejar. A velocidade de batalha será similar a de Dissidia de Arcade.

Nomura trabalhou muito em cima do trailer e duvidou que estaria pronto para o show, mas a reação dos fãs o aliviou. Por fim, é confirmado que a equipe quer adicionar coisas novas e surpresas para que não seja exatamente a mesma experiência ou só para surpreender os fãs old-school.
 


Em uma entrevista com a Famitsu, Tetsuya Nomura e Yoshinori Kitase confirmaram que a CyberConnect2 (conhecida pelos jogos de luta da série Naruto) está trabalhando em Final Fantasy VII Remake.

Ela não é a única, porém. Nomura e Kitase dão a entender que há outras desenvolvedoras ajudando a Square Enix no título.

A CyberConnect2 já ajudou a Square Enix a desenvolver Final Fantasy VII G-Bike.

A Famitsu publicará uma entrevista de 8 páginas sobre o assunto nesta semana e provavelmente teremos mais detalhes. Hoje mais cedo, foi confirmado que o título será dividido em episódios.