De acordo com a roteirista principal narrativa, Halley Gross, o final original de The Last of Us Part II deveria ter sido muito mais sombrio.

Obviamente, vale citar que a seguir teremos spoilers.

Em uma entrevista ao site da Game Informer, Halley Gross compartilhou mais algumas ideias sobre a criação do jogo e sua história. Especificamente, Gross disse alguns detalhes sobre o final de Part 2, e como, inicialmente, o final era para dar uma virada mais sombria que deixaria os jogadores ainda mais conflitantes com as ações de Ellie contra Abby.

Como visto no final que temos em mãos, Ellie persegue Abby para encontrá-la em Santa Barbara, Califórnia, com a intenção de matá-la e realizar vingança pela perda de Joel nas primeiras horas do jogo. Porém, ela acaba poupando sua vida.

De acordo com Gross, ela e a equipe de desenvolvimento “fizeram muitas iterações sobre o que parecia o último ato” e disseram que originalmente “a decisão final era que Ellie mataria Abby”. Embora o final pretendesse que Ellie continuasse com sua intenção de vingança, Gross explicou que durante a produção do jogo “nós mudamos isso e Ellie deixou ela ir no último segundo”, a fim de ilustrar que “alguma parte da antiga Ellie, a Ellie com humanidade, a Ellie que é impactada por Joel, ainda existe dentro desse personagem que foi tão ultrapassado por sua busca por vingança”.

O diretor de The Last of Us Part II, Neil Druckmann, também explicou que no final do jogo “deixar Abby viver parecia errado tematicamente, inicialmente”, mas acrescentou que “no fim do dia, parecia mais honesto para a personagem”. De acordo com Druckmann, as mudanças para o final foram feitas em parte para permanecerem fieis aos personagens e explicaram que “há certas coisas que estamos tentando atingir, mas elas só podem funcionar se formos consistentes com o personagem que estamos escrevendo”.

The Last of Us Part II está disponível para PS4.